O olhar da medusa: a objetivação do trabalho docente no movimento escola sem partido

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n58.p233-249

Palavras-chave:

Educação, Fenomenologia e educação, Movimento escola sem partido, Olhar, Sartre

Resumo

Este artigo é o resultado de uma pesquisa bibliográfica que tem por objetivo fazer uma reflexão sobre o Movimento Escola sem Partido, particularmente sobre a proposta de gravação das aulas, denúncia e julgamento do professor nas redes sociais. Essa reflexão será feita a partir da filosofia da intersubjetividade presente na fenomenologia existencial de Jean-Paul Sartre. Com esta chave de interpretação, constatamos que essa tecnologia de vigilância e denúncia do Movimento Escola sem Partido sobre o professor produz, de fato, um profundo mal-estar ao tornar as práticas pedagógicas e o professor objetos de julgamento nas redes sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio Danelon, Universidade Federal de Uberlândia

Doutor em Educação pela UNICAMP. Professor na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia.

Mauro Sérgio Santos da Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Graduado  e mestre em Filosofia. Doutorando em Educação na Universidade Federal de Uberlândia

Referências

AÇÃO EDUCATIVA ASSESSORIA, PESQUISA E INFORMAÇÃO (org). A ideologia do movimento escola sem partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016, 168p. Seleção e organização dos textos: Roberto Catelli Júnior e Leila Andrade.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 1972.

BENTHAM, Jeremy. O panóptico. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. 2ª ed.

BOSI, Alfredo. Fenomenologia do olhar. In: NOVAES, Adauto. (org). O olhar. São Paulo: Cia das Letras, 1996.

BRAIT, Daniele. Os protagonistas do ESP, In: AÇÃO EDUCATIVA ASSESSORIA, PESQUISA E INFORMAÇÃO (org). A ideologia do movimento escola sem partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016, p. 161-165.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia Grega. Petrópolis: Vozes, 1988. V. 1.

BURSTOW, Bonnie. A filosofia sartreana como fundamento da educação. Educação e Sociedade. Campinas: CEDES, Ano XXI, nº 71, abril de 2000.

CIVITA, Roberto (Editor). Mitologia. São Paulo: Abril Cultural, 1976. 3 Volumes.

COMMELIN, P. Mitologia grega e romana. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

ERASMO. De pueris. São Paulo: Editora Scala, s/d.

GALLO, Sílvio. Subjetividade e educação: a construção do sujeito. In: LEITE, César D. Pereira; OLIVEIRA, Maria B. Loureiro; SALLES, Leila Maria (orgs). Educação, psicologia e contemporaneidade. Taubaté: Cabral Editora Universitária, 2000.

JEANSON, Francis. Le problème et la pensée de Sartre. Paris: Éditions du Seuil, 1965.

KANT. Immanuel. Sobre a pedagogia. Piracicaba: Editora Unimep, 1999.

POMPÉIA, Raul. O Ateneu. São Paulo: Ática, 1991.

SALZMANN, Yves. Sartre et l'authenticité. Vers une éthique de la bienveillance réciproque. Genéve: Labor et Fides, 2000.

SARTRE, Jean-Paul. As palavras. São Paulo: Editora Difusão Européia do Livro, 1964.

SARTRE, Jean-Paul. Situations IX. Buenos Aires, Editorial Losada, 1973.

SARTRE, Jean-Paul. O Existencialismo é um humanismo. São Paulo: Abril Cultural, 1987. Coleção Os Pensadores.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada. Petrópolis: Editora Vozes, 1999.

SAVIANE, D. Pedagogia histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 2005.

SEVERINO, Antonio J. Educação, sujeito e história. Olha d’Água, 2002.

Publicado

2020-07-04

Como Citar

DANELON, M.; SANTOS DA SILVA, M. S. O olhar da medusa: a objetivação do trabalho docente no movimento escola sem partido. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 29, n. 58, p. 233–249, 2020. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n58.p233-249. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/8135. Acesso em: 16 jun. 2024.