EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA E SABERES CULTURAIS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2019.v28.n56.p162-177

Palavras-chave:

Escola indígena, Saberes culturais, Interculturalidade

Resumo

O texto insere-se na relação educação e cultura, analisando aspectos de diálogos interculturais entre saberes e práticas culturais Tentehar e a escola no contexto de sua Aldeia, em Amarante, no Maranhão. A pesquisa de campo de abordagem qualitativa possibilitou a elaboração de uma cartografia desses saberes e práticas e a análise da dinâmica escolar. A análise mostra que saberes culturais dessa etnia estão preservados e inseridos no desenho curricular do núcleo diversificado, valorizando a língua Tentehar. Contudo, os professores não indígenas, e até os indígenas, por só usarem o português, colaboram para a manutenção de um ensino que minimiza esses saberes e práticas culturais dos Tentehar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria José Ribeiro de Sá, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Pedagoga no Instituto Federal de
Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA/Campus Imperatriz).

Maria das Graças Silva, Universidade de Lisboa – Portugal (ICS/UL).

Pós-Doutora em Sociologia Ambiental pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa – Portugal (ICS/UL). Doutora em Planejamento Urbano e Regional pelo Instituto de Planejamento Urbano da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IPPUR/UFRJ). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Pará (UEPA). Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Educação e Meio Ambiente (GRUPEMA/UEPA).

Referências

ALBUQUERQUE, M. B. B. Epistemologia e saberes da ayahuasca. Belém: Eduepa, 2011.

ALMEIDA, E. R. M. Ser como o branco, não é ser o branco: dinâmicas de controle e transgressão nas relações interétnicas. 2012. 150f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís, 2012.

ANDRÉ, M. E. D. A. de. Etnografia da prática escolar. Campinas, SP: Papirus, 2007.

ANDRÉ, M. E. D. A. de. Etnografia da prática escolar. São Paulo: Papirus, 1995.

ANGROSINO, M. Etnografia e observação participante. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BARDIN, L. Análise do conteúdo. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

BERGAMASCHI, M. A. Interculturalidade nas práticas escolares indígenas e não indígenas. In: PALADINO, M.; CZARNY, G. (org.). Povos indígenas e escolarização: discussões para se repensar novas epistemes nas sociedades latino-americanas. Rio de Janeiro: Garamond, 2012. p. 43-72.

BRANDÃO, C. R. A educação como cultura. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2002.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 18 abr. 2014.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 6.001, de 19 de dezembro de 1973. Dispõe sobre o Estatuto do Índio. Brasília, DF, 1973. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6001.htm. Acesso em: 20 abr. 2014.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 22 abr. 2014.

BRASIL. Ministério de Educação. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

COELHO, E. M. B. A saúde e a educação indigenistas no Maranhão. In: COELHO, E. M. B. (org.). Estado multicultural e políticas indigenistas. São Luís: EDUFMA/CNPQ, 2008. p. 11-29.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GHEDIN, E.; FRANCO, M. A. S. Questões de método na construção da pesquisa em educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

GIROUX, H. Escola crítica e política cultural. São Paulo: Cortez, 1987.

GOMES, M. P. O índio na história: o povo Tenetehara em busca de liberdade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

GRUPIONI, L. D. B. Olhar longe, porque o futuro é longe: cultura, escolas e professores indígenas no Brasil. 2008. 240f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Departamento de Antropologia da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2008.

INGOLD, T. Estar vivo: ensaios sobre movimentos, conhecimentos e descrição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

KAHN, M.; FRANCHETTO, B. Educação indígena no Brasil: conquistas e desafios. Em Aberto, Brasília, DF, ano 14, n. 63, p. 5-10, jul./set. 1994.

LE GOFF, J. História e memória. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1990.

LÉVI-STRAUSS, C. O pensamento selvagem. 8. ed. Campinas, SP: Papirus, 1979.

LOPES DA SILVA, A. A educação indígena entre diálogos interculturais e multidisciplinares: introdução. In: SILVA, A. L. da; FERREIRA, M. K. L. (org.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. 2. ed. São Paulo: Global, 2001. p. 9-28.

MARTINEZ, M. E. et al. Políticas e práticas de educação intercultural. In: CANDAU, V. M. C. (org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009. p. 44-73.

MARTINS, J. de S. Sociologia da fotografia e da imagem. São Paulo: Contexto, 2008.

MINAYO, M. C. de S. Pesquisa social. Teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

MONTE, N. L. Entre o silêncio da língua portuguesa e a página branca da escrita indígena. Em Aberto, Brasília, ano 14, n. 63, jul./set., p. 55-68, 1994.

MONSERRAT, R. M. F. O que é ensino bilíngue: a metodologia da gramática constrativa. Em Aberto, Brasília, DF, ano 14, n. 63, p. 11-17, jul./set. 1994.

MUNDURUKU, D. Mundurukando. São Paulo: Uk’a editorial, 2010.

MUNDURUKU, D. O caráter educativo do movimento indígena brasileiro (1970-1990). São Paulo: Paulinas, 2012.

NOVARO, G. Saberes escolares e saberes indígenas: continuidades e descontinuidades para se pensar os sentidos da interculturalidade. In: PALADINO, M.; CZARNY, G. (org.). Povos indígenas e escolarização: discussões para se repensar novas epistemes nas sociedades latino-americanas. Rio de Janeiro: Garamond, 2012. p. 93-116.

OLIVEIRA, I. A. de; ALBUQUERQUE, M. B. B. Filosofia, cultura e educação indígena. In: HENNING, L. M. P. (org.) Pesquisa, ensino e extensão no filosófico-educacional: debate contemporâneo sobre a educação filosófica. Londrina, PR: EDUEL, 2010. p. 185-213.

SÁ, M. J. R. de. Saberes culturais Tentehar e educação escolar indígena na aldeia Juçaral. 2014. 229 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Estado do Pará (UEPA), Belém, 2014.

SZYMANSKI, H. (org.). A entrevista na educação: a prática reflexiva. 4. ed. Brasília, DF: Líber Livro, 2011.

VEIGA, I. P. A. (org.). Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. São Paulo: Papirus, 2002.

VIVEIROS DE CASTRO, E. A inconstância da alma selvagem – e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

WAGLEY, C.; GALVÃO, E. Os índios tenetehara (uma cultura em transição). Brasília, DF: Ministério da Educação e Cultura/Departamento de Imprensa Nacional, 1961.

ZANNONI, C. Conflito e coesão: o dinamismo tenetehara. Brasília, DF: Conselho Indigenista Missionário, 1999.

Publicado

2019-12-29

Como Citar

SÁ, M. J. R. de; SILVA, M. das G. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA E SABERES CULTURAIS. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 28, n. 56, p. 162–177, 2019. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2019.v28.n56.p162-177. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/7843. Acesso em: 25 jun. 2024.