MITOLOGIA DOS ORIXÁS: MOSTRA ARTÍSTICA INTERDISCIPLINAR ENVOLVENDO ALUNOS DE LICENCIATURA

Autores

  • Simone Marques Braga Universidade Federal da Bahia (UFBA).
  • Luciene Souza Santos Universidade Federal da Bahia (UFBA).
  • Aaron Roberto de Mello de Mello Lopes Universidade Federal da Bahia (UFBA).

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2017.v26.n48.p223-239

Palavras-chave:

Contação de histórias, Mitologia dos orixás, Ensino de música de matriz afro-brasileira

Resumo

Envolvendo estudantes de Licenciaturas diversas, essa experiência desenvolveuse a partir da criação e implementação de uma disciplina do Departamento de Educação da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) – Formação de Contadores de Histórias –, articulada com uma disciplina do Colegiado de Música da UEFS – História e Diversidade da Música Brasileira II. A primeira implementou os fundamentos da Arte de Contar Histórias no universo da Mitologia dos Orixás e introduziu conhecimentos básicos acerca da voz falada e cantada a partir do canto em Iorubá. A segunda enfatizou o trabalho com os toques rítmicos e cantigas dos cultos de matriz africana. A experiência interdisciplinar ainda contou com a colaboração de uma professora de teatro e um professor de dança afro que realizaram oficinas e ampliaram o repertório artístico dos estudantes. Buscou-se com essa experiência responder algumas inquietações: É possível desmistificar crenças e medos dos estudantes de Licenciaturas sobre a Mitologia dos Orixás? A partir de uma experiência estética sensorial de escuta e narração dessas histórias, é possível valorizar as relações étnico-raciais na universidade? Como desenvolver saberes pedagógicos e musicais envolvendo a matriz africana em uma licenciatura específica de música? Como resultado tivemos uma Mostra Performática cuja experiência cênica foi assistida por estudantes e professores de várias licenciaturas da Universidade, como também os processos formativos desta experiência foram abordados e discutidos através de uma roda de conversa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, L. J. M. As questões étnico-raciais na escola. In: SEMINÁRIO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICO-MUSICAIS ESCOLARES, 1., 2014, Feira de Santana. Anais... Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana, 2014. p. 17-20.

AMARAL, Ligia Assumpção. Sobre crocodilos e avestruzes: falando de diferenças físicas, preconceito e sua superação. In: AQUINO, Julio Groppa (Org.). Diferenças e preconceito na escola: alternativas teóricas e práticas. 5. ed. São Paulo: Summus, 1998. p. 11-30.

______. Presidência da República. Decreto nº 129, de 22 de maio de 1991. Promulga a Convenção nº 159, da Organização Internacional do Trabalho – OIT, sobre a Reabilitação profissional e Emprego de Pessoas Deficientes. Brasília, DF, 1991. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/D0129.htm>. Acesso em: 17 dez. 2016.

______. Presidência da República. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e indígena. Brasília, DF, 2008. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm>. Acesso em: 17 dez. 2016.

______. Presidência da República. Medida Provisória nº 746, de 22 de setembro de 2016. Brasília, DF, 2016a. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Mpv/mpv746.htm>. Acesso em: 18 dez. 2016.

______. Presidência da República. Lei nº 13.278, de 02 de maio de 2016. Altera o § 6o do art. 26 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que fixa as diretrizes e bases da educação nacional, referente ao ensino da arte. Brasília, DF, 2016b. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13278.htm>. Acesso em: 18 dez. 2016.

CAMPBELL, Patricia Sheehan. Songs in their heads: music and its meanings in children’s live. Oxford: Oxford University Press, 2003.

DORING, Katharina. Samba de roda e ensino-aprendizagem em três recortes temporais e espaciais. In: CONGRESSO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MUSICAL (ABEM), 22., 2015, Natal. Anais... Natal: ABEM, 2015.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Tradução de Guacira Lopes Louro. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

GOMES, Nilma Lino. Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. Currículo sem fronteiras, v. 12, n. 1, p. 98-109, jan. 2012.

HIKIJI, Rose Satiko Gitirana. A música e o risco. São Paulo: Edusp/Fapesp, 2006.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Conteúdo Histórico: Brasil – 500 anos de povoamento. Disponível em: <http://brasil500anos.ibge.gov.br/>. Acesso em: 06 de dez. 2016.

KLEBER, Magali Oliveira. A prática de educação em ONGs: dois estudos de caso no contexto urbano brasileiro. Curitiba: Appris, 2014.

LÜHNING, Angela. Música: coração do candomblé. In: Revista USP, São Paulo, n. 7, p. 115-124, set./nov. 1990.

MATOS, Gislayne Avelar. A palavra do contador de histórias: sua dimensão educativa na contemporaneidade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

NETTL, Bruno. The study of ethnomusicology: thirty-one issues and concepts. 2. ed. Illinois: University of Illinois Press, 2005.

ONG, Walter. Oralidade e cultura escrita. Campinas, SP: Papirus, 1993.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos Orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

QUEIROZ, Luis Ricardo. A música como fenômeno sociocultural: perspectivas para uma educação musical abrangente. In: MARINHO, Vanildo Mousinho; QUEIROZ, Luis Ricardo (Org.). Contexturas: o ensino das artes em diferentes espaços. João Pessoa: Editora da UFPB, 2005. p. 49-66.

ROSEMBERG, Fúlvia. Raça e desigualdade educacional no Brasil. In: AQUINO, Julio Groppa (Org.). Diferenças e preconceito na escola: alternativas teóricas e práticas. 5. ed. São Paulo: Summus, 1998. p. 73-93.

RUBIRA, Fabiana de Pontes. Contar e ouvir estórias: um diálogo de coração para coração acordando imagens. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2006.

SALES, M. Performance musical na escola. In: Seminário de Práticas Pedagógico-Musicais Escolares, 1., 2014, Feira de Santana. Anais... Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana, 2014. p. 20-22.

SANSONE, Lívio. Negritude sem etnicidade: o local e o global nas relações raciais, culturas e identidades negras no Brasil. Tradução Vera Ribeiro. Salvador: Edufba/Pallas, 2003.

SANTIAGO, Renan; IVENICKI, Ana. Multiculturalismo na formação de professores de música: o caso de três instituições de ensino superior da cidade do Rio de Janeiro. Opus, v. 22, n. 1, p. 211-236, jun. 2016.

SOARES, Rafael. Traficantes proíbem candomblé e até roupas brancas em favelas. O Globo, Rio de Janeiro, 10 det. 2013. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/rio/traficantes-proibem-candomble-ate-roupa-branca-em-favelas-9892892>. Acesso em: 20 dez. 2016.

SWANWICK, Keith. Ensinando música musicalmente. Tradução de Alda Oliveira e Cristina Tourinho. São Paulo: Moderna, 2003.

VERGER, Pierre Fatumbi. Lendas africanas dos orixás. 4. ed. Salvador: Corrupio, 1997.

Publicado

2019-11-12

Como Citar

BRAGA, S. M.; SANTOS, L. S.; LOPES, A. R. de M. de M. MITOLOGIA DOS ORIXÁS: MOSTRA ARTÍSTICA INTERDISCIPLINAR ENVOLVENDO ALUNOS DE LICENCIATURA. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 26, n. 48, p. 223–239, 2019. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2017.v26.n48.p223-239. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/7606. Acesso em: 12 jun. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)