DESCOLONIZANDO A PESQUISA COM A CRIANÇA – UMA LEITURA PÓS-COLONIAL DE PESQUISA

Autores

  • Flávia Miller Naethe Motta Motta Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • Rita de Cássia Prazeres Frangella Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2013.v22.n40.p187-197

Palavras-chave:

Pesquisa, Infância, Cultura, Subalternidade

Resumo

Este artigo objetiva problematizar a atividade de pesquisa, pondo em foco como as pesquisas dão voz à criança e, em diálogo com Spivak, que questiona se pode o subalterno falar, alinhamos a discussão nos nexos entre infância-subalternidadepesquisa. Nesse sentido, a partir do que já foi visto numa perspectiva qualitativa de pesquisa, marcada pela polissemia dessa produção e procurando seguir adiante nos debates já existentes sobre a temática, argumentamos a partir dos estudos culturais e pós-coloniais, propondo uma pesquisa que, deslocando o próprio sentido de colonização e problematizando-o, questione a subalternidade da infância. Questionamos: o que dar voz ao outro na e pela pesquisa implica? A partir do diálogo com Bhabha, Bakthin e Spivak, argumentamos que o ato de pesquisar se dá de forma contingencial no entre-tempo da enunciação. Emerge como efeito do espaço intersubjetivo de significação e como negociação, articula de forma contingencial e contextual sua produção. Nesse “entre” reside a pesquisa e dele emerge a agência política do pesquisador. Diante disso, discutimos a pesquisa com a infância, trazendo alguns eventos de pesquisa em análise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Miller Naethe Motta Motta, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Doutora em Educação. Professora adjunta do Instituto Multidisciplinar da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Professora do Programa de Pós-Graduação Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares da UFRRJ

Rita de Cássia Prazeres Frangella, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Educação. Professora adjunta da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação (ProPEd/UERJ)

Referências

BAKTHIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

______. Marxismo e filosofia da linguagem. 11. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

______. Questões de literatura e estética. São Paulo: Hucitec, 1988.

BARROS, Manoel de. O livro das ignorãças. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1993.

BENJAMIN, Walter. A tarefa – renúncia do tradutor. In: HEIDERMANN, Werner (Org.). Antologia bilíngue – clássicos da teoria da tradução, v. I, Alemão-Português. Tradução de Susana Kampff Lages. Florianópolis: Núcleo de Tradução (NUT) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), 2001. p. 188-215.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

BIDASECA, Karina. Pertubando el texto colonial. Los estudos (pos)coloniales em América Latina. Buenos Aires: Editorial SB, 2010.

BOURDIEU, Pierre; WACQUANT, Loic. An invitation to reflexive sociology. Chicago: Polity Press, 1992.

BROUGÈRE, Gilles. A criança e a cultura lúdica. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 24, n. 2, jul. 1998.

CARVALHO, José Jorge. O olhar etnográfico e a voz subalterna. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 7, n. 15, p. 107-147, jul. 2001.

CERISARA, Ana Beatriz. Em busca do ponto de vista das crianças nas pesquisas educacionais: primeiras aproximações. In: SARMENTO, Manuel Jacinto; ______. Crianças e miúdos: perspectivas sociopedagógicas da infância e educação. Porto: Asa, 2004. p. 35-54.

CORSARO, William. Sociologia da infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CRUZ, Silvia Helena Vieira (Org.). A criança fala – a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008.

DELGADO, Ana Cristina Coll; MÜLLER, Fernanda. Infâncias, tempos e espaços: um diálogo com Manuel Jacinto Sarmento. Currículo sem Fronteiras, v. 6, n. 1, p. 15-24, jan./jun. 2006.

FARIA, Ana Lucia; DEMARTINI, Zelia de Brito Fabri; PRADO, Patrícia Dias (Org.) Por uma cultura da infância: metodologia de pesquisa com crianças. Campinas, SP: Autores Associados, 2002.

FERNANDES, Florestan. As ‘Trocinhas’ do Bom Retiro. In: ______. Folclore e mudança social na cidade de São Paulo. São Paulo: Anhambi, 1961. p. 153-258.

RUTHERFORD, Jonathan. O terceiro espaço. Entrevista com Homi Bhabha. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 24, p. 35-41, 1996.

SARMENTO, Manuel. Mapa de conceitos da Sociologia da Infância. Revista zero-a-seis, produção eletrônica do Núcleo de Estudos e pesquisas da educação da pequena infância (NUCLEIN) da UFSC/CED, Florianópolis, n. 14, ago./dez. 2006.

______. Crianças e miúdos. Porto: ASA, 2004.

______. Sociologia da Infância: correntes, problemática e controvérsias. Sociedade e Cultura, Cadernos do Noroeste, Série Sociologia, Braga, PT, v. 13, n. 2, p. 145‐164, 2000.

SARMENTO, Manuel; GOUVEIA, Maria Cristina (Org.) Estudos da infância: educação e práticas sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

SOBRAL, Adail. O ato “responsível”, ou ato ético, em Bakhtin, e a centralidade do agente. Signum: Estudos da Linguagem, Londrina, n. 11/1, p. 219-235, jul. 2008.

SOUZA, Solange Jobim. Subjetividade em questão: a infância como crítica da cultura. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2000.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Publicado

2019-10-16

Como Citar

MOTTA, F. M. N. M.; FRANGELLA, R. de C. P. DESCOLONIZANDO A PESQUISA COM A CRIANÇA – UMA LEITURA PÓS-COLONIAL DE PESQUISA. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 22, n. 40, p. 187–197, 2019. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2013.v22.n40.p187-197. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/7449. Acesso em: 26 set. 2023.