Avaliações em larga escala

segmentação e privatização da educação escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n63.p343-361

Palavras-chave:

Educação escolar, Avaliações escolares em larga escala, Capital Humano

Resumo

Este artigo tem como objeto as avaliações escolares em larga escala. As questões que orientam a sua elaboração são: qual o motivo da classificação das instituições escolares por meio das avaliações em larga escala? As habilidades e competências definidas são exigidas com qual intencionalidade? Elas correspondem a qual concepção de qualidade da educação escolar? O objetivo deste artigo é compreender a disseminação das avaliações escolares em larga escala em um quadro de fortalecimento da hegemonia dos gestores capitalistas e da sua ingerência na educação escolar. Reconhecemos que as avaliações em larga escala legitimam a concepção de qualidade da educação escolar dos gestores capitalistas. Portanto, são baseadas na diminuição das despesas com a aprendizagem e na segmentação da formação de trabalhadores de acordo com a divisão internacional do trabalho.

 

Palavras-chave: Educação escolar; Avaliações escolares em larga escala; Capital humano

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joelma Lúcia Vieira Pires, Universidade Federal de Uberlândia

Professora Associada II na Faculdade de Educação da  Universidade Federal de Uberlândia (núcleo: Política e Gestão da Educação). Pós-Doutorado em Trabalho e Educação na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Pós-Doutorado em Educação na Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO/Paraná), Doutorado em Educação na UNICAMP, Mestrado em Educação na Universidade de São Paulo (USP), Especialização em Metodologia de Ensino na Faculdade de Ciências Humanas de Pedro Leopoldo (MG),  Graduação em Pedagogia na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). 

Referências

AFONSO, Almerindo J. Mudanças no Estado-avaliador: comparativismo internacional e teoria da modernização revisitada. Revista Brasileira de Educação, v. 18, n. 53, abr./jun. 2013. Disponível em: www.scielo.br/pdf/rbedu/v18n53/02.pdf Acesso em: 6 de out. de 2015.

ALVAREZ-URÍA, Fernando. A escola e o espírito do capitalismo. In: COSTA, Marisa. Escola Básica na virada do século. Cultura, política e currículo. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000. p. 131-144.

BANCO MUNDIAL. Documento de trabalho do setor educacional. In: BROOKE, Nigel (Org.). Marcos históricos na reforma da educação. Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2012. p. 77-88.

BECKER, Gary. El capital humano. Madrid: Alianza Editorial, 1983.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência; por uma sociologia clínica do campo científico. Tradução Denice Barbara Catani. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

______. Sobre o Estado. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

BRESSER-PEREIRA, Luiz C. A construção política do Brasil. Sociedade, economia e Estado desde a independência. São Paulo: Editora 34, 2014.

BRUNO, Lúcia E. N. B. Reorganização econômica, reforma do Estado e educação. In: HIDALGO, A. M.; SILVA, I. L. F. (Orgs.). Educação e Estado: as mudanças nos sistemas de ensino do Brasil e Paraná na década de 90. Londrina: Ed. UEL, 2001. p. 3-20.

CHARLOT, Bernard; REIS, Rosemeire. As relações com os estudos de alunos brasileiros de Ensino Médio. In: KRAWCZYK, Nora. In: KRAWCZYK, Nora (Org.). Sociologia do Ensino Médio. Crítica ao economicismo na política educacional. São Paulo: Cortez, 2014. 63-92.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo. Ensaio sobre a sociedade neoliberal. Tradução Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2016.

DEJOURS, Christophe. A banalização da injustiça social. Tradução Luiz Alberto Monjardim. 3 ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2000.

KECSKEMETI, Paul. Introduction. In: MANNHEIM, Karl. Essays on Sociology and Social Psychology. London: Routledge & Kegan Paul Ltd., 1969.

KRAWCZYK, Nora. Conhecimento crítico e política educacional: um diálogo difícil, mas necessário. In: ______. (Org.). Sociologia do Ensino Médio. Crítica ao economicismo na política educacional. São Paulo: Cortez, 2014. p. 13-32.

FERREIRA, Carlos A. A avaliação das aprendizagens no ensino básico português e o reforço da avaliação sumativa externa. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 1, p. 153-169, jan/mar. 2015.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. História da violência nas prisões. Tradução Raquel Ramalhete. 34. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

FRIEDMAN, Milton. Capitalismo e liberdade. Disponível em: www.ufrgs.br/daeca/wp/wp-content/uploads/2009/03/capitalismo-e-liberdade.pdf Acesso em: 2 de jun. 2015.

HAYEK, Friedrich. Los fundamentos de la liberdad. 4. ed. Traducción José-Vicente Torrence. Madrid (España): Unión Editorial, S. A., 1975.

INSTITUTO UNIBANCO. Aprendizagem em foco, São Paulo, n. 8, 2016 (Folheto).

LAVAL, Christian. A escola não é uma empresa; o neo-liberalismo em ataque a ensino público. Tradução Maria Luiza de Carvalho e Silva. Londrina: Editora Planta, 2004.

MARX, Karl. Da manufatura à fábrica automática. In: GORZ, André. Crítica da divisão do trabalho. Tradução Estela dos Santos Abreu. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996. p. 21-36.

MICHÉA, Jean-Claude. La escuela de la ignorancia y sus condiciones modernas. Madrid: Acuarela y Machado Grupo de distribución, S. L., 2009.

MONTES, Pedro. El desorden neoliberal. Madrid: Editorial Trotta, 1996.

NUSSBAUM, Martha. Sem fins lucrativos; porque a democracia precisa das humanidades. Tradução Fernando Santos. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

OCDE. Gobierno de España. Ministerio de Educación Política social e Deporte. Sistemas de cualificaciones. Puentes para el aprendizaje a lo largo de la via, 2007. Disponível em https://books.google.com.br/books?id=dpcfAgAAQBAJ&pg=PA37&lpg=PA37&dq=ocde+documento&source=bl&ots=aaumPOBFyi&sig=UpMUvns2IC4YeVtkVeFJrGxrObs&hl=pt-BR&sa=X&ved=0CDcQ6AEwBjgKahUKEwjLtabFv6bHAhXDGx4KHZtHBHI#v=onepage&q=ocde%20documento&f=false Acesso em: 1 ago. de 2015.

OCDE. Melhores competências, melhores empregos, melhores condições de vida: uma abordagem estratégica das políticas de competências. São Paulo: Fundação Santillana, 2014. Disponível em http://www.keepeek.com/Digital-Asset-Management/oecd/education/melhores-competencias-melhores-empregos-melhores-condicoes-de-vida_9788563489197-pt#page6 Acesso em: 5 ago. de 2015.

PASSONE, Eric F. K. Notas psicanalíticas: os discursos contemporâneos acerca da avaliação educacional no Brasil. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n.1, p. 185-201. jan./mar. 2015.

POPKEWITZ, Tom; LINDBLAD, Sverker. Estatísticas educacionais como um sistema de razão: relações entre governo da educação e inclusão e exclusões sociais. Educação e Sociedade, v. 22, n. 75, Campinas, ago./2001. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttex&pid=S0101-73302001000200008&1. Acesso em: 28 mar. de 2006.

RAVITCH, Diane. Vida e morte do grande sistema escolar americano; como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a Educação. Tradução Marcelo Duarte. Porto Alegre: Sulina, 2011.

SANTOS, Boaventura. Entrevista realizada por Inês Oliveira e Ricardo Costa. Teias, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, jul./dez. 2002. Disponível em: http://www.periodicos.proped.pro.br/index.php/revistateias/article/viewFile/119/120 Acesso em: 7 fev. 2015.

SCHULTZ, Theodore. O capital humano. Investimentos em educação e pesquisa. Tradução Marco Aurélio de Moura Matos. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1973.

STIGLITZ, Joseph. Os exuberantes anos 90: uma nova interpretação da década mais próspera da história. Tradução Sylvia dos Santos, Dante Aldrighi, José Francisco Gonçalves, Roberto Mazzer Neto. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

VALDIVIELSO, Joaquín. Introducción. In: GORZ, André. Crítica de la razón productivista. Edición de Joaquín Valdivielso. Madrid: Catarata, 2008.

ZEICHNER, Kenneth. Políticas de formação de professores nos Estados Unidos. Como e por que elas afetam vários países do mundo. Tradução Cristina Antunes. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

Publicado

2021-09-30

Como Citar

PIRES, J. L. V. Avaliações em larga escala: segmentação e privatização da educação escolar. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 30, n. 63, p. 343–361, 2021. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n63.p343-361. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/6990. Acesso em: 24 maio. 2024.