FORMAÇÃO EM REDES DE COMPOSIÇÕES CURRICULARES COM CRIANÇAS: ENCONTROS FILOSÓFICOS

Autores

  • Kezia Rodrigues Nunes Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).
  • Carlos Eduardo Ferraço Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n51.p145-159

Palavras-chave:

Formação, Currículo, Crianças, Educação infantil

Resumo

Objetiva dar visibilidade às conversas com as crianças e ampliar sentidos de currículo e formação de professores(as) na Educação Infantil, motivados pela intenção de valorizar suas experiências e desejos no presente. Utiliza a pesquisa com o cotidiano por compreender a potencialidade de seus aspectos formativos para os sujeitos das escolas e das universidades na ampliação de saberes e fazeres promovida em sua relação colaborativa de autoridade partilhada. A pesquisa foi realizada no contexto das aulas de Filosofia em um Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) em Cariacica-ES, com crianças entre quatro e cincos anos de idade. Diferentemente do que buscam as orientações do governo atual, ao propor uniformizar uma orientação comum curricular, as redes de conhecimentos, experiências, linguagens, afecções, saberes, fazeres da escola e da vida inventadas no cotidiano escolar, em atenção aos seus sujeitos, são importante estratégia para a renovação dos currículos e dos processos de formação de professores(as) nos seus espaços-tempos de produção cotidiana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kezia Rodrigues Nunes, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Professora Doutora do Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Membro do Instituto de Pesquisa em Educação e em Educação Física PROTEORIA/UFES) e do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Currículo, Cultura e Cotidiano (NUPEC3/UFES). Membro do grupo de pesquisa Currículos, Cotidianos, Culturas e Redes de Conhecimentos (UFES/CNPq).

Carlos Eduardo Ferraço, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Professor Doutor do Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Professor do Programa de
Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo (PPGE/UFES). Membro do Núcleo de Pesquisa e
Extensão em Currículo, Cultura e Cotidiano da Universidade Federal do Espírito Santo (NUPEC3/UFES). Coordenador do
grupo de pesquisa Currículos, Cotidianos, Culturas e Redes de Conhecimentos (UFES/CNPq).

Referências

ALVES, N. Decifrando o pergaminho: os cotidianos das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: ALVES, N.; OLIVEIRA, I. B. (Org.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. Petrópolis, RJ: DP et Alii, 2001. p. 13-38.

BARROS, Manoel de. O livro das ignorãnças. Rio de Janeiro: Record, 1993.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. Brasília, DF: MEC/SEB/Unesco, 2009a.

______. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Indicadores da qualidade na educação infantil. Brasília: MEC, SEB, 2009b.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Orientações sobre convênios entre secretarias municipais de educação e instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos para a oferta de educação infantil. Brasília, DF: MEC/SEB, 2009c.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Política de educação infantil no Brasil: relatório de avaliação. Brasília, DF: MEC/SEB/Unesco, 2009d.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/SEB, 2010.

______. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC. Brasília, DF, 2017.

CARVALHO, Janete Magalhães. A razão e os afetos na potencialização dos “bons encontros” no currículo escolar: experiências cotidianas. In: FERRAÇO, Carlos Eduardo (Org.). Currículo e educação básica: por entre redes de conhecimento, imagens, narrativas, experiências e devires. Rio de Janeiro: Rovelle, 2011. p. 103-122.

______. Potência do “olhar” e da “voz” não dogmáticos dos professores na produção dos territórios curriculares no cotidiano escolar do ensino fundamental. In: ______ (Org.). Infância em territórios curriculares. Petrópolis, RJ: DP et Alii, 2012. p. 15-48.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: Artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. v. 1.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva, 2009.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1996. v. 3.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Lisboa: Relógio D’Água, 2004.

FERRAÇO, C. E. Currículo, formação continuada de professores e cotidiano escolar: fragmentos de complexidade das redes vividas. In: ______ (Org.). Cotidiano escolar, formação de professores(as) e currículo. São Paulo: Cortez, 2005. p. 15-42.

______. Os sujeitos das escolas e a complexidade de seus fazeressaberes: fragmentos das redes tecidas em pesquisas com o cotidiano. In: GARCIA, Regina Leite; ZACCUR, Edwiges (Org.). Cotidiano e diferentes saberes. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. p. 151-180.

______. Pesquisa com o cotidiano. Revista Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 28, n. 98, p. 73-95, jan./abr. 2007.

FERRAÇO, Carlos Eduardo; NUNES, Kezia Rodrigues. Currículos, culturas e cotidianos escolares: afirmando a complexidade e a diferença nas redes de conhecimentos. In: FERRAÇO, Carlos Eduardo; CARVALHO, Janete Magalhães (Org.). Currículos, pesquisas, conhecimentos e produção de subjetividades. Petrópolis, RJ: DP et Alii, 2012. p. 71-102.

______. A tessitura de experiências compartilhadas, negociadas e potencializadas no currículo no ensino superior. Revista Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 3, p. 376-384, set./dez. 2011.

GOODSON, Ivor. Currículo: teoria e história. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

JOSGRILBERG, Fábio B. Cotidiano e invenção: os espaços de Michel de Certeau. São Paulo: Escrituras, 2005.

KOHAN, Walter. Infância, estrangeiridade e ignorância: ensaios de filosofia e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002.

LEAL, Bernardina. Janela. In: KOHAN, Walter; XAVIER, Ingrid M. (Org.). Abecedário de criação filosófica. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. p. 151-156.

LÓPEZ, Maximiliano Valério. Acontecimento e experiência no trabalho filosófico com crianças. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

NUNES, Kezia Rodrigues. Infâncias e educação infantil: redes de sentidosproduções compartilhadas nos currículos e potencializadas na pesquisa com as crianças. 2012. 228 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Vitória, 2012.

OLARIETA, Beatriz Fabiana. O que torna infantil uma literatura ou sobre o papel da literatura nas experiências de filosofia com criança. 2008. 228 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, 2008.

OLIVEIRA, Inês Barbosa. Aprendendo nos/dos/com os cotidianos a ver/ler/ouvir/sentir o mundo. Revista Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 28, n. 98, p. 47-72, jan./abr. 2007.

RIGER, Leila Lurdes Gerlach. O riso na prática de filosofia com crianças. 2006. 100 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, 2006.

SAYÃO, Déborah Thomé. A hora de... a educação física na pré-escola. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 10., 1997, Goiânia. Anais... Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 1997. v. 1. p. 261-268.

TERIGI, Flávia. Notas para uma genealogia do curriculum escolar. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 159-186, 1996.

Publicado

2018-04-27

Como Citar

NUNES, K. R.; FERRAÇO, C. E. FORMAÇÃO EM REDES DE COMPOSIÇÕES CURRICULARES COM CRIANÇAS: ENCONTROS FILOSÓFICOS. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 27, n. 51, p. 145–159, 2018. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n51.p145-159. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/4972. Acesso em: 15 jun. 2024.