PRÁTICA, BIOGRAFIA E CONSTRUÇÕES TEÓRICAS EM EDUCAÇÃO INFANTIL: UM CURRÍCULO BRINCANTE

Autores

  • Ana Paula Conceição Universidade do Estado da Bahia (UNEB).
  • Roberto Sidnei Macedo Universidade Federal da Bahia (FACED/UFBA).

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n51.p121-132

Palavras-chave:

Educação infantil, Brincadeira, Currículo brincante

Resumo

O presente artigo argumenta sobre o entretecimento num contexto de Educação Infantil entre práxis, biografia, pesquisa e construção teórica. Abordando a brincadeira como mediação e experiência em Educação Infantil, o texto faz com que esses entretecimentos ofereçam pautas reflexivas sobre o que denominamos de um currículo brincante. Nessa itinerância biográfica, teórica e heurística, a argumentação engendrada vai explicitando como a brincadeira no currículo da educação de crianças qualifica de maneira significativa esta educação, ampliando suas ressonâncias para a formação da infância, como uma condição própria dessa fase de desenvolvimento. É com esse conjunto de argumentos que o artigo explicita conclusivamente sobre a necessidade de se pensar e praticar currículos “brincantes” em Educação Infantil

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Conceição, Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora Adjunta do Departamento I da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Coordenadora do Grupo de Pesquisa FORMACCE Infância (DEDC I/UNEB). Bolsista Programa Nacional de Pós Doutorado – PNPD/CAPES – UESB/EDUCAÇÃO

Roberto Sidnei Macedo, Universidade Federal da Bahia (FACED/UFBA).

Doutor em Ciências da Educação pela Universidade de Paris Saint-Denis. Professor Titular da Faculdade de Educação da
Universidade Federal da Bahia (FACED/UFBA). Coordenador do Grupo de Pesquisa FORMACCE (Faced/UFBA).

Referências

ABRAMOWICZ, Anete. Educação infantil: creches: atividades para crianças de zero a seis anos. 2. ed. rev. e atual. São Paulo: Moderna, 1999.

BROUGÈRE, Gilles. Brinquedo e cultura. São Paulo: Cortez, 1995.

CONCEIÇÃO, Ana Paula. Reinvenção e itinerância de uma educadora da infância e constituição narrativa: compreensões implicadas sobre a práxis educativa com crianças, inspiradas em uma concepção de currículo brincante. 2009. 110 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia (PPGR-FACED/UFBA), Salvador, 2009.

DÉLORY-MONBERGER, Christine. Biografia e educação: figuras do indivíduo-projeto. São Paulo: Paulus; Natal: EDUFRN, 2008.

DIAS, Marina C. M. O direito da criança e do educador à alegria cultural. In: NICOLAU, Marieta L. M.; DIAS, Marina C. M. (Org.). Oficinas de sonho e realidade na formação do educador da infância. São Paulo: Papirus, 2003. p. 231-240.

DOMINICÉ, Pierre. L’histoire de vie comme processus de formation. Paris: L’harmattan, 1990.

FRIEDMANN, Adriana. Brincar: crescer e aprender – O resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 1996.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. São Paulo: Perspectiva, 2000.

KISHIMOTO, Tisuko. O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira, 2002.

LAROSSA, Jorge. Tecnologias do eu e educação. In: SILVA, Tomas T. (Org.). O sujeito e de educação: estudos foucaulteanos. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. p. 23-41.

LUCKESI, Cipriano. Ludopedagogia: partilhando uma experiência e uma proposta. In: ______. Ludopedagogia. Ensaios. Educação. Educação e Ludicidade. Salvador: EDUFBA, 2000. p. 34-61.

MACEDO, Roberto S. Chrysallis, currículo e complexidade: a perspectiva crítico-multirreferencial e o currículo contemporâneo. Salvador: EDUFBA, 2002.

______. Atos de currículo e autonomia pedagógica. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

MACEDO, Roberto S.; AZEVEDO, Omar B. Infâncias-devir e currículo: a afirmação do direito das crianças à (aprendizagem) formação. Ilhéus, BA: Editus, 2013.

MACHADO, Maria Lúcia de A. Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2002.

MOYLES, Janet R. Só brincar? O papel do brincar na educação infantil. Tradução Maria Adriana Veronese. Porto Alegre: Artmed, 2002.

NEGRINE, Airton. A aprendizagem e desenvolvimento infantil. Porto Alegre: PRODIL, 1994.

PIAGET, Jean. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho; imagem e representação. Rio de Janeiro: LTC, 1990.

PINEAU, Gaston. Autoformação no decurso da vida: entre a hétero e a ecoformação. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (Org.) O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: MS/DRHS/CFAP, 1983. p. 63-77.

VIGOTSKY, Lev. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

WAJSKOP, G. Brinquedoteca: espaço permanente na formação de professores. In: FRIEDMANN, Adriana. Et al (Org.). O direito de brincar: a brinquedoteca. São Paulo: Scritta/ABRINQ, 1992. p. 32-66.

WALLON, Henri. Uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

Publicado

2018-04-27

Como Citar

CONCEIÇÃO, A. P.; MACEDO, R. S. PRÁTICA, BIOGRAFIA E CONSTRUÇÕES TEÓRICAS EM EDUCAÇÃO INFANTIL: UM CURRÍCULO BRINCANTE. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 27, n. 51, p. 121–132, 2018. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n51.p121-132. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/4970. Acesso em: 21 jun. 2024.