FORMAÇÃO INICIAL PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: INDICADORES DA PRODUÇÃO ACADÊMICA

Autores

  • Valdete Côco Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).
  • Maria Nilceia de Andrade Vieira Faculdade Estácio de Vila Velha
  • Karina Fátima Giesen Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n51.p69-84

Palavras-chave:

Formação inicial, Docência, Educação infantil

Resumo

Este texto discute a formação inicial para a docência na Educação Infantil, com o objetivo de analisar indicadores decorrentes de produções acadêmicas recentes sobre a temática. Ancorado em pressupostos teórico-metodológicos bakhtinianos, o presente estudo caracteriza-se por uma abordagem qualitativa de caráter exploratório. Para a produção de dados, optou-se por procedimento de levantamento bibliográfico em periódicos nacionais. A sistematização dos resultados constituiu-se por apuração de dados quantitativos e análise dos enunciados expressos nos artigos selecionados.Essa interlocução evidenciou a relevância da dimensão pessoal na formação para a profissão docente, com destaque para a necessidade de parceria entre docentes da graduação e os estudantes e para a discussão dos desafios vinculados às políticas de reconhecimento e valorização do professor, explicitando a complexidade dos processos de formação docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valdete Côco, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Doutora em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Professora vinculada ao Departamento de Linguagens,
Cultura e Educação e ao Programa de Pós-graduação em Educação do Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Coordenadora do Grupo de Pesquisa Formação e Atuação de Educadores (GRUFAE).

Maria Nilceia de Andrade Vieira, Faculdade Estácio de Vila Velha

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação do Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Membro do Grupo de Pesquisa Formação e Atuação de Educadores (GRUFAE). Pedagoga na Rede Municipal de Ensino de Vitória. Professora da Faculdade Estácio de Vila Velha

Karina Fátima Giesen, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Mestranda em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação do Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Membro do Grupo de Pesquisa Formação e Atuação de Educadores (GRUFAE).

Referências

ANDRÉ, M. E. D. A. A pesquisa sobre formação de professores no Brasil – 1990-1998. In: CANDAU, Vera M. (Org.). Ensinar e aprender: sujeitos, saberes e pesquisa. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001. p. 83-100.

______. A produção acadêmica sobre formação docente: um estudo comparativo das dissertações e teses dos anos 1990 e 2000. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 1, n. 1, p. 41-56, ago./dez. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000110&pid=S1413...lng.>. Acesso em: 13 mar. 2014.

______. Formação de professores: a constituição de um campo de estudos. Educação, Porto Alegre, v. 33, p. 6-18, 2010. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/8075>. Acesso em: 13 mar. 2014.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO (ANPEd). Manifestação das entidades educacionais sobre a política de formação de professores anunciada pelo MEC. Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: <http://www.anped.org.br/news/manifestacao-das-entidades-educacionais-sobre-politica-de-formacao-de-professores-anunciada>. Acesso em: 04 dez. 2017.

AVALIAÇÃO EDUCACIONAL. “Fake policy” na formação de professores. Campinas, SP, 2017. Disponível em: <https://avaliacaoeducacional.com/2017/10/20/fake-policy-na-formacao-de-professores/>. Acesso em: 04 dez. 2017.

BAKHTIN, M. M. Marxismo e filosofia da linguagem. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

______. Para uma filosofia do ato responsável. Tradução de Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. São Carlos, SP: Pedro & João, 2010.

______. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acesso em: 16 jul. 2013.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n.º 1, de 15 de maio de 2006. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Brasília, DF, 2006. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf>. Acesso em: 22 abr. 2015.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Parecer CNE/CP nº 2, de 9 de junho de 2015. Analisa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF, 2015a. Disponível em: <http://pronacampo.mec.gov.br/images/pdf/parecer_cne_cp_2_2015_aprovado_9_junho_2015.pdf>. Acesso em: 28 out. 2015.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n. 2, de 1º de julho de 2015b. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF, 2015b. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file>. Acesso em: 28 out. 2015.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Básico. Resolução MEC/SEB nº 05, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as diretrizes curriculares nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF, 2009. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&task>. Acesso em: 16 jul. 2013.

______. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Institui o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Brasília, DF, 2014. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/legislacao>. Acesso em: 27 jun. 2014.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP nº 1, de 9 de agosto de 2017. Altera o Art. 22 da Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de julho de 2017. Brasília, DF, 2017a. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=70141-rcp001-17-pdf&category_slug=agosto-2017-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 29 nov. 2017.

______. Ministério da Educação. Política Nacional da Formação de Professores. Brasília, DF, 2017b. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=74041-formacao-professor-final-18-10-17-pdf&category_slug=outubro-2017-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 4 dez. 2017.

CHALUH, N. L. Da dimensão pessoal na formação inicial de professores. Série-Estudos, Rio Claro, v. 22, n. 44, p.181-200, jan/abr, 2017. Disponível em: <http://www.serie-estudos.ucdb.br/index.php/serie-estudos/article/view/964>. Acesso em: 23 out. 2017.

CÔCO, V. Conquistas, avanços, desafios e disputas na política de educação infantil: transformações na docência em nós. In: RANGEL, I. S.; NUNES, K. R.; CÔCO, V. (Org.). Educação Infantil: rede de conversações e produções de sentidos com crianças e adultos. Petrópolis, RJ: De Petrus, 2013. p. 181-199.

CÔCO, V.; GALDINO, L.; VIEIRA, M. A. F. O. Narrativas de formação: trabalho com memoriais na aproximação à docência na educação infantil. Revista Cocar, Belém, v. 10, n. 19, p. 121-139, jan./jul. 2016. Disponível em: <https://paginas.uepa.br/seer/index.php/cocar/article/view/788/564>. Acesso em: 23 out. 2017.

______. Trajetórias de formação: perspectivas para a docência na Educação Infantil. Revista Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 10, n. 2, p. 272-289, maio/ago. 2017. Disponível em: <http://www.okara.ufpb.br/ojs/index.php/rec/article/view/rec.v10i2.35502/18296>. Acesso em: 23 out. 2017.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR (CAPES). Ministério da Educação. Critérios de classificação Qualis – ensino. Brasília, DF, 2012. Disponível em: <https://www.capes.gov.br/images/stories/download/avaliacaotrienal/Docs_de_area/qualis/ensino.pdf>. Acesso em> 04 dez. 2017.

______. Ministério da Educação. Classificação da produção intelectual. Brasília, DF, 2014. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/avaliacao/instrumentos-de-apoio/classificacao-da-producao-intelectual>. Acesso em: 04 dez. 2017.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO (CNTE). Nota pública sobre a política nacional de formação de professores do MEC. Brasília, DF, 2017. Disponível em: <http://www.cnte.org.br/index.php/documentos/notas-publicas/19239-politica-nacional-de-formacao-de-professores-mec.html>. Acesso em: 04 dez. 2017.

CUNHA, M. I. O tema da formação de professores: trajetórias e tendências do campo na pesquisa e na ação Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, n. 3, p. 609-625, jul./set. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-97022013000300004&script>.‎ Acesso em: 19 nov. 2013.

DOURADO, L. F. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica: concepções e desafios. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 36, n. 131, abr./jun. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302015000200299&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 23 out. 2017.

FAHEINA, E. F. A.; ALVES, F. T. O. O curso de pedagogia do Vale do Mamanguape no contexto das atuais Diretrizes Curriculares Nacionais. Revista Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 10, n. 2, p. 344-355, maio/ago. 2017. Disponível em: <http://www.okara.ufpb.br/ojs/index.php/rec/article/view/rec.v10i2.35588/18289>. Acesso em: 23 out. 2017.

FERREIRA, E. B.; CÔCO, V. Gestão na educação infantil e trabalho docente. Revista Retratos da Escola, Brasília, DF, v. 5, n. 9, p. 357-370, jul./dez. 2011. Disponível em: <http://www.esforce.org.br>. Acesso em: 4 out. 2012.

FERREIRA, N. S. de A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, ano XXIII, n. 79, ago. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v23n79/10857.pdf>. Acesso em: 23 abr. 2017.

FREITAS, S. A.; MASETTO, M. T.; FELDMANN, M. G. O currículo no contexto atual: a interface com o trabalho pedagógico. Revista Cocar, Belém, n. 2, p. 53-75, ago./dez. 2016. Edição especial. Disponível em: <https://paginas.uepa.br/seer/index.php/cocar/article/view/999/645>. Acesso em: 23 out. 2017.

GATTI, B. A. Formação inicial de professores para a educação básica: pesquisas e políticas educacionais. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 25, n. 57, p. 24-54, jan./abr. 2014. Disponível em: <http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1899/1899.pdf>. Acesso em: 15 maio 2017.

GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. de S. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília, DF: Unesco, 2009. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001846/184682por.pdf>. Acesso em: 27 ago. 2013.

GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. de S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília, DF: Unesco, 2011. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0021/002121/212183por.pdf>. Acesso em: 27 ago. 2013.

GOMES, M. O. Formação de educadores de infância em Portugal e professores de educação infantil no Brasil: aproximações e distanciamentos. Educação Unisinos, São Leopoldo, RS, v. 21, n. 1, p. 50-59, jan./abr. 2017. Disponível em: <http://revistas.unisinos.br/index.php/educacao/article/view/edu.2017.211.06/5853>. Acesso em: 23 out. 2017.

KELLER-FRANCO, E.; BESSA, S. Construindo alternativas para a formação inicial de professores: a percepção de estudantes de pedagogia sobre a abordagem curricular integrada. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 153-176, jan./mar. 2017. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/26097/22382>. Acesso em: 23 out. 2017.

KELLER-FRANCO, E.; MASETTO, M. T. Avanços curriculares na formação inicial de professores. Revista Contrapontos - Eletrônica, Itajaí, SC, v. 17, n. 3, p. 529-551, jul./set. 2017. Disponível em: <https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/9780/pdf>. Acesso em: 23 out. 2017.

KRAMER, S. Profissionais de educação infantil – gestão e formação. São Paulo: Ática, 2005.

LUCE, Maria Beatriz. Formação de professores: a política e as diretrizes curriculares. Entrevistada por Fernanda Borges de Andrade. Em Aberto, Brasília, DF, v. 30, n. 98, p. 185-200, jan./abr. 2017. Disponível em: <http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/3187>. Acesso em: 18 out. 2017.

MACHADO, L. C. (Re)configuração curricular no processo de formação de professores e suas relações. Educação, Santa Maria, RS, v. 41, n. 2, p. 297-309, maio/ago. 2016. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/15079/pdf>. Acesso em: 23 out. 2017.

MARQUEZAN, F. F.; SCREMIN, G.; SANTOS, E. A. G. Aprendizagem da docência na formação inicial de professores: contribuições do Pibid/Pedagogia. Educação por Escrito, Porto Alegre, v. 8, n. 1, p. 112-128, jan./jun. 2017. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/porescrito/article/view/26020/15734>. Acesso em: 23 out. 2017.

MASCARENHAS, A. D. N.; FRANCO, M. A. S. De pedagogos a professores: balanço de uma década das Diretrizes Curriculares dos Cursos de Pedagogia no Brasil. Revista Internacional de Formação de Professores (RIFP), Itapetininga, SP, v. 2, n. 1, p. 41-55, 2017. Disponível em: <http://itp.ifsp.edu.br/ojs/index.php/RIFP/article/view/634>. Acesso em: 23 out. 2017.

NASCIMENTO, L. F.; CAVALCANTE, M. M. D. Formação docente para a educação infantil: uma leitura do curso de pedagogia pós diretrizes curriculares. Revista Contrapontos - Eletrônica, Itajaí, SC, v. 17, n. 3, p. 552-574, jul./set. 2017. Disponível em: <https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/9532/pdf>. Acesso em: 23 out. 2017.

NASCIMENTO, S. M. B.; LIRA, A. C. M. Marcos legais para a formação de professores da educação infantil e desafios à docência. Zero-a-Seis, Florianópolis, v. 19, n. 35, p. 99-116, jan./jun. 2017. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/1980-4512.2017v19n35p99>. Acesso em: 23 out. 2017.

NÓVOA, A. Comunicação do representante da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação no XIII Congresso do MEM em Lisboa. In: VILHENA, G.; SOARES, J.; HENRIQUE, M. (Org.). Nos 25 anos do movimento da escola moderna portuguesa. Lisboa: MEM, 1992. Disponível em: . Acesso em: 6 jul. 2015.

______. Educação e formação ao longo da vida: entrevista. São Paulo: CRE Mario Covas, entrevista concedida por e-mail em out. 2004. Disponível em: . Acesso em: 8 ago. 2013.

______. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa, v. 47, n. 166, p. 1106-1133, out./dez. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0100-15742017000401106&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 12 dez. 2017.

OLIVEIRA, F.; ANDRADE, G. G. O curso de pedagogia nas universidades federais do Estado de Minas Gerais: reflexões acerca do espaço da educação infantil nos currículos de formação inicial. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação – RIAEE, Araraquara, SP, v. 12, n. 1, p. 258-277, 2017. Disponível em: <http://seer.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/8233/6265>. Acesso em: 23 out. 2017.

PEREZ, D.; OLIVEIRA, S. O. Formação de professoras no curso de pedagogia: o refletido e o vivido. Comunicações, Piracicaba, SP, v. 22, n. 1, p. 99-118, jan./jun. 2015. Disponível em: <https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacoes/article/view/2136/1494>. Acesso em: 23 out. 2017.

PINAZZA, M. A. Formação de profissionais da educação infantil em contextos integrados: informes de uma investigação-ação. 2014. 408 f. Tese (Livre docência) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2014. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/48/tde-01122014-155847/pt-br.php>. Acesso em: 19 jul. 2017.

ROCHA, E. A. C. A pesquisa em Educação Infantil no Brasil: trajetória recente e perspectivas de consolidação de uma pedagogia. 1999. 582 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, 1999. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000184228>. Acesso em: 17 jun. 2013.

ROMANOWSKI, J. P.; ENS. R. T. As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em educação. Diálogo Educacional, Curitiba, v. 6, n. 19, p. 37-50, set./dez. 2006. Disponível em: <http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/dialogo?dd1=237&dd99=view>. Acesso em: 16 nov. 2017.

SAMPAIO, A. A.; STOBÄUS, C. D. Formação inicial docente: vivências e necessidades percebidas por licenciandos. Revista Contrapontos - Eletrônica, Itajaí, SC, v. 17, n. 1, p. 1-19, jan./abr. 2017. Disponível em: <https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/7708/pdf>. Acesso em: 23 out. 2017.

SANTOS, L. Et al. Formação inicial de professores, Pibid e a opção pela docência. Educação e Linguagem, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 97-124, jan./jun. 2016. Disponível em: <https://www.metodista.br/revistas/revistas-metodista/index.php/EL/article/view/7095/5429>. Acesso em: 23 out. 2017.

SILVA, S. A.; OLIVEIRA, O. V. Entre sentidos e significados da tradução das diretrizes curriculares nacionais de pedagogia (DCNS) em MT. Revista Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 10, n. 2, p. 310-326, maio/ago. 2017. Disponível em: <http://www.okara.ufpb.br/ojs/index.php/rec/article/view/rec.v10i2.35460/18298>. Acesso em: 23 out. 2017.

STANGHERLIM, R.; VERCELLI, L. C. A.; SANTOS, E. Plano Nacional de Educação (PNE 2014-2024) e a formação inicial para a docência na educação infantil: análise exploratória de um curso de pedagogia de uma universidade pública paulista. Eccos Revista Científica, São Paulo, n. 37, p. 19-42, maio/ago. 2015. Disponível em: <http://www4.uninove.br/ojs/index.php/eccos/article/view/5785>. Acesso em: 23 out. 2017.

VOSGERAU, D. S. R.; ROMANOWSKI, J. P. Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 14, n. 41, p. 165-189, jan./abr. 2014. Disponível em: <https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/2317>. Acesso em: 14 abr. 2017.

Publicado

2018-04-27

Como Citar

CÔCO, V.; VIEIRA, M. N. de A.; GIESEN, K. F. FORMAÇÃO INICIAL PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: INDICADORES DA PRODUÇÃO ACADÊMICA. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 27, n. 51, p. 69–84, 2018. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n51.p69-84. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/4967. Acesso em: 13 jun. 2024.