Educação permanente em saúde na estratégia saúde da família: reflexões a partir do existencialismo e da educação libertadora

Autores

  • Janine Moreira Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC)
  • Ana Paula Macan Damiani Faculdade do Vale do Araranguá (FVA).
  • Caroline Scussel Centro de Desenvolvimento e Integração Humana Simone de Beauvoir.

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2017.v26.n50.p255-272

Palavras-chave:

Educação permanente em saúde, Estratégia Saúde da Família, Liberdade, Educação libertadora

Resumo

O texto problematiza a educação permanente dos profissionais da saúde da Estratégia Saúde da Família (ESF) a partir do entendimento de educação permanente de Emerson Elias Merhy, Laura Feuerwerker e Ricardo Ceccim, da concepção filosófica/psicológica existencialista de Jean-Paul Sartre e da teoria educativa libertadora de Paulo Freire.Debate a questão: em que medida a formação em serviço dos profissionais de saúde da ESF possibilita sua viabilização enquanto pessoas críticas, autoras de suas práticas no seu processo de trabalho? Os dados empíricos foram gerados em uma pesquisa de abordagem qualitativa, a partir de entrevistas semiestruturadas com 09 enfermeiras e 17 técnicas de enfermagem de 10 ESF do município de Criciúma, sul do estado de Santa Catarina. A formação oferecida é pontual, com assuntos voltados para atualização ou para facilitar o cumprimento das metas estabelecidas. Existe espaço para discussão,mas como manifestação de dúvidas e trocas de experiências, sem que esteja presente o elemento da reflexão crítica sobre o cotidiano do trabalho realizado. Tampouco é problematizada a lógica empresarial que invade o campo da saúde pública. Esta formação não viabiliza a constituição de pessoas críticas, constituindo-se em uma educação continuada, de características bancárias, e na alienação da liberdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janine Moreira, Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC)

Doutora em Psicopedagogia pela Universidade de Córdoba – Espanha. Docente Permanente do Mestrado em Educação e do
Curso de Psicologia da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC). Líder do Grupo de Pesquisa Educação, Saúdee Meio Ambiente (UNESC).

Ana Paula Macan Damiani, Faculdade do Vale do Araranguá (FVA).

Mestre em Educação pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC). Docente Tempo Parcial na Faculdade do
Vale do Araranguá (FVA). Membro do Grupo de Pesquisa Educação, Saúde e Meio Ambiente (UNESC).

Caroline Scussel, Centro de Desenvolvimento e Integração Humana Simone de Beauvoir.

Graduada em Psicologia pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC). Psicóloga no Centro de Desenvolvimento
e Integração Humana Simone de Beauvoir. Membro do Grupo de Pesquisa Educação, Saúde e Meio Ambiente (UNESC)

 

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde e dá outras providências. Brasília, DF, 2007. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2007/prt1996_20_08_2007.html>. Acesso em: 01 set. 2015.

______. Ministério da Saúde. Portaria nº 278, de 27 de fevereiro de 2014. Institui diretrizes para implementação da Política de Educação Permanente em Saúde, no âmbito do Ministério da Saúde (MS). Brasília, DF, 2014a. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt0278_27_02_2014.html>. Acesso em: 01 set. 2015.

______. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Subsecretaria de Assuntos Administrativos. Educação Permanente em Saúde: um movimento instituinte de novas práticas no Ministério da Saúde: Agenda 2014. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2014b.

CECCIM, Ricardo B.; FEUERWERKER, Laura C.M. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis, v. 14, n. 1, p. 41-65, 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/physis/v14n1/v14n1a04.pdf>. Acesso em: 25 nov. 2009.

EAGLETON, Terry. Marx e a liberdade. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 48. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

GOIS, Cléa. Sartre: da consciência do ser e o nada ao existencialismo humano. Reflexão, Campinas, SP, v. 32, n. 91, p. 11-17, jan./jun. 2007. Disponível em: <http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reflexao/article/view/3067/2033>. Acesso em: 30 jul. 2015.

HILGERT, Luiza Helena. Engajamento e literatura em Sartre. In: SIMPÓSIO DE FILOSOFIA MODERNA E CONTEMPORÂNEA DA UNIOESTE, 16., 2011, Toledo. Anais eletrônicos... Toledo: Unioeste, 2011. p. 290-297. Disponível em: <http://projetos.unioeste.br/cursos/toledo/filosofia/attachments/article/222/Simp%C3%B3sio%202011%20-%20Textos%20Completos.pdf>. Acesso em: 30 jul. 2015.

MERHY, Emerson Elias; FEUERWERKER, Laura C. M.; CECCIM, Ricardo B. Educación Permanente en Salud: una estrategia para intervenir en la micropolítica del trabajo en salud. Salud Colectiva, Buenos Aires, v. 2, n. 2, p. 147-160, 2006. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=73120204>. Acesso em: 14 ago. 2015.

MOREIRA, Janine; ROSA, Marisa de S. T. Jean-Paul Sartre e Paulo Freire: aproximações entre a liberdade existencialista e a educação libertadora. Revista Contrapontos, Itajaí, SC, v. 14, n. 3, p. 407-424, 2014. Disponível em: <http://www6.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/5276/pdf_44>. Acesso em: 14 ago. 2015.

MORRIS, Katherine. J. Sartre. Trad. Edgar da Rocha Marques. Porto Alegre: Artmed, 2009.

MOUTINHO, Luiz D. Santos. Sartre: existencialismo e liberdade. São Paulo: Moderna, 2001.

SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. (Coleção Textos Filosóficos).

______. O ser e o nada. 20. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

WAMBIER, Josiane de Fátima. A liberdade em Sartre: unidade entre projeto e engajamento. Emancipação, Ponta Grossa, PR, v. 3, n. 1, p. 41-54, 2003. Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/emancipacao/article/view/38/35>. Acesso em: 30 jul. 2015.

Publicado

2017-12-22

Como Citar

MOREIRA, J.; DAMIANI, A. P. M.; SCUSSEL, C. Educação permanente em saúde na estratégia saúde da família: reflexões a partir do existencialismo e da educação libertadora. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 26, n. 50, p. 255–272, 2017. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2017.v26.n50.p255-272. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/4281. Acesso em: 27 maio. 2024.