Educação rural: retomando algumas questões

  • Zeila Brito Fabri Demartini Universidade Metodista de São Paulo

Resumo

Neste texto retomamos a temática da educação rural, procurando abordar algumasquestões que a acompanham desde o final do século XIX até os dias atuais. Focalizamosespecialmente as relações entre a oferta de escolas e a demanda dos diferentes gruposda população rural. Para tanto, pautamo-nos em algumas pesquisas realizadas naperspectiva histórico-sociológica, procurando analisar as questões encontradas emépocas pretéritas e sua persistência ou reformulação no tempo presente, em que novossujeitos compõem o rural. Tomamos como locus de análise o Estado de São Paulo,que passou por profundas transformações no período considerado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Zeila Brito Fabri Demartini, Universidade Metodista de São Paulo
Doutora em Ciências Humanas – Sociologia – pela Universidade de São Paulo (USP). Pesquisadora e consultora ad hoc doConselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Professora doutora do Programa de Pós-Graduaçãoem Educação da Universidade Metodista de São Paulo. Diretora de pesquisa do Centro de Estudos Rurais e Urbanos (CERU).

Referências

AFONSO, A. J. A(s) autonomia(s) da escola na encruzilhada entre o velho e o novo espaço público. Inovação, n.12, p. 121-137, 1999.

ANNUARIO do Ensino. São Paulo, 1917; 1936/1937.

ARAÚJO, M. M. O cultivo de uma historiografia engajada com a história e a memória da educação brasileira. In: ARAÚJO, M. M.; CARVALHO, M. M. C.; MORAIS, M. A. C.; PAIVA, M. M.; STAMATTO, M. I. S.; XAVIER,L. N. (Orgs.) Intelectuais, Estado e educação. Natal: EDUFRN, 2006. p. 185-196.

AZEVEDO, F. A educação na encruzilhada. 2. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1957. (Obras Completas, 6).

BRANDÃO, C. R. Casa de escola: cultura camponesa e educação rural. Campinas: Papirus, 1983.

BRASIL. Lei 9394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF:

Ministério da Educação, 1996.

CALDART, R.S. Educação do campo: notas para uma análise de percurso. Trabalho, Educação, Saúde, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 35-64, mar./jun. 2009.

Educação rural: retomando algumas questões

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 20, n. 36, p. 175-189, jul./dez. 2011

CAPELO, M. R. C. Educação, escola e diversidade cultural no meio rural de Londrina: quando o presente reconta o passado. 1999. (Tese de Doutorado) – UNICAMP, Campinas.

CENSO Demográfico: 1960/2010. www.ibge.org.br. Acesso: 20/05/2011.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

COSTA, A. M. I. A escola na República Velha: expansão do ensino primário em São Paulo. São Paulo: EDEC,

DEMARTINI, Z. B. F. Observações sociológicas sobre um tema controverso: população rural e educação em São Paulo. 1979. 517 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade

de São Paulo, São Paulo.

______. O coronelismo e a educação na Primeira República. Educação e Sociedade, v. 10, n. 34, p. 44-74, dez.

______. Educação no campo: notas preliminares. In: I Conferência Nacional de Educação, Cultura e Desporto,

, Brasília, DF. Coletânea de Textos. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, 2001. p. 380-387.

______. Crianças como agentes do processo de alfabetização no final do século XIX e início do XX. In: MONARCHA,

C. (Org.). Educação da infância brasileira: 1875-1983. Campinas: Autores Associados, 2001. p. 121-156.

(Coleção Educação Contemporânea).

______. Relatos orais, documentos escritos e imagens: fontes complementares na pesquisa sobre imigração. In:

ROCHA-TRINDADE, M. B.; CAMPOS, M. C. S. S. (Orgs.). História, memória e imagens nas migrações .Oeiras:

Celta, 2005. p. 99-133.

______. Infância e imigração: questões para a pesquisa. In: FREITAS, M. C. (Org.). Desigualdade social e diversidade

cultural na infância e na juventude. São Paulo: Cortez, 2006. p. 113-153.

______. Imigrantes em diferentes contextos: conflitos e discriminações. X CONGRESSO LUSO-AFRO-BRASILEIRO

DE CIÊNCIAS SOCIAIS, 2009, Braga-Portugal (mimeo).

DEMARTINI, Z. B. F.; LANG. A. B. S. Educando para o trabalho: família e escola como agências educadoras.

São Paulo: Loyola, 1985.

DEMARTINI, Z. B. F.; TENCA, A.; TENCA, S. Velhos mestres de novas escolas: um estudo das memórias de professores da Primeira República em São Paulo. São Paulo: CERU, 1984.

FERNANDES, F. Fundamentos empíricos da explicação sociológica. 2. ed. São Paulo: Nacional, 1967.

FERREIRA, A. D. D. et al. Assentamentos rurais e reforma agrária no Brasil: organização da produção agrícola,

condições de vida e sustentabilidade. CADERNOS CERU, Série 2, n.10, p. 135-172, 1999.

FUNDAÇÃO SEADE. Anuário Estatístico do Estado de São Paulo. São Paulo, 1988.

GOLDMANN, L. Las ciências humanas y la filosofia. Buenos Aires: Ediciones Galatea Nueva Vision, 1958.

LEAL, L.; JÚNIA, R. Escolas rurais no Brasil: um relato. Revista Poli: Saúde, Educação, Trabalho, v. 2, n. 14, p.2-13, set./out. 2010.

MARTINS, J. S. Educação e cultura nas lutas do campo: reflexões sobre uma pedagogia do conflito. In: Sociedade

civil e educação. Campinas: Papirus/CEDES; São Paulo: Ande/Anped, 1992. (Coletânea CBE). p. 29-34.

MENNUCCI, S. Cem annos de instrucção pública: 1822-1922. São Paulo, 1932.

MOACYR. P. A instrução pública no Estado de São Paulo: primeira década republicana. São Paulo: Nacional, 1942. 2 v. (Brasiliana. Série 5).

NOGUEIRA, O. Notas sobre o ensino elementar no Estado de São Paulo no período republicano. Sociologia, v.25, n. 4, p. 409-424, dez. 1963.

REVEL, J. Proposições: ensaios de história e historiografia. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2009.

RIBEIRO, G. L. Ser e não ser: explorando fragmentos e paradoxos das fronteiras da cultura. In: FONSECA, C.

(Org. e apres.). Fronteiras da cultura: horizontes e territórios da antropologia na América Latina. Porto Alegre:Editora da UFRS, 1993. p. 9-21.

ROSSETTO, E. R. A. A educação das crianças pequenas nas cirandas infantis do MST. Múltiplas Leituras, v. 3, n.

, 2010. www.metodista.br/revistas/revistas-ims/.../ML. Acessado em: 29/03/2011.

SANTOS, B. S. Para uma pedagogia do conflito. In: SILVA, L. H. et al. (Orgs). Novos mapas culturais, novas

perspectivas educacionais. Porto Alegre: Sulina, 1996. p. 15-33.

SILVA, M. A. M. Errantes do fim do século. São Paulo: Edunesp, 1999.

SILVA, M. R. O assalto à infância no mundo amargo da cana-de-açúcar: onde está o lazer/lúdico? O gato comeu?

(Tese de Doutorado – Faculdade de Economia). UNICAMP, Campinas.

SIMPÓSIO Memória, (Auto)Biografia e Ruralidades, Salvador, 2010. Livro de Programas e Resumos. Salvador: UNEB, 2010.

SIQUEIRA, D. Repensando a ruralidade. Série Sociológica, Brasília, n. 198, 2002.

SOARES, E. A. L.; ALBUQUERQUE, M. A. B.; WANDERLEY, M. N. B. Educação do campo: a escola do campo e a cultura do trabalho no mundo da infância e da adolescência em Pernambuco. Recife: UFPE, 2009.

TOMMASINO, K. Diretrizes para a política de educação escolar indígena no Paraná: algumas considerações preliminares. In: D’ANGELIS, W.; VEIGA, J. (Orgs). Leitura e escrita em escolas indígenas. Campinas: ALB/Mercado das Letras, 1997. p. 113-138.

Publicado
2013-06-22
Métricas
  • Visualizações do Artigo 882
  • PDF downloads: 413
Como Citar
DEMARTINI, Z. B. F. Educação rural: retomando algumas questões. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, v. 20, n. 36, 22 jun. 2013.