INOVAÇÃO EM ESCOLAS RURAIS

O CASO SERTA (PERNAMBUCO – BRASIL)

Autores

  • Elie Ghanem Universidade de São Paulo (USP)

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2016.v25.n46.p227-237

Palavras-chave:

Inovação educacional, Reforma educacional, Escola rural, Pernambuco

Resumo

Este artigo aborda a origem da inovação educacional na atuação de uma ONG com escolas públicas de educação básica, em municípios de Pernambuco, Brasil. O objetivo da pesquisa foi detectar a presença ou não de alguns fatores na gênese da experiência investigada. Trata-se de um estudo de caso para o qual foi feito o exame de publicações e realizadas entrevistas semiestruturadas com dirigentes e agentes da ONG, assim como com docentes de escolas rurais e gestores de secretarias municipais de educação. Conclui que fatores salientes na geração da inovação são o tempo de experiência profissional de educadores(as), a estabilidade de sua equipe, o nível de qualificação e a atuação mobilizadora de líderes da ONG.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elie Ghanem, Universidade de São Paulo (USP)

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Professor de Sociologia na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP).

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 1, de 3 de abril de 2002. Institui diretrizes operacionais para educação básica nas escolas do campo. Brasília, DF, 2002. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/>. Acesso em: 05 nov. 2011.

______. Ministério da Educação. Chamada pública para escolas e organizações educativas. Brasília, DF, 2015. Disponível em: <http://criatividade.mec.gov.br/>. Acesso em: 29 out. 2015.

CRAFT, A. The limits to creativity in education: dilemmas for the educator. British Journal of Educational Studies, v. 51, n. 2, p. 113-127, jun. 2003.

CRAIG, C. J. No satisfaction: a case of “the monkey’s paw”, top-down school reform, and the conduit. Curriculum Inquiry, v. 31, n. 3, p. 341-350, 2001a.

______. The relationship between and among teacher’s narrative knowledge, communities of knowing, and school reform: a case of “the monkey’s paw”. Curriculum Inquiry, v. 31, n. 3, p. 303-331, 2001b.

DIDASKALOU, E. S. Current obstacles to change in Greek primary schools: implications for managing behavior problems. European Journal of Education, v. 37, n. 4, p. 473-482, 2002.

DRAKE, C.; SHERIN, M. Practicing change: curriculum adaptation and teacher narrative in the context of mathematics education reform. Curriculum Inquiry, v. 36, n. 2, p. 153-187, 2006.

FARRELL, J. P. Why is educational reform so difficult? Curriculum Inquiry, v. 30, n. 1, p. 83-103, 2001a.

______. Can we really change the forms of formal schooling? And would it make a difference if we could? Curriculum Inquiry, v. 31, n. 4, p. 389-398, 2001b.

GHANEM JÚNIOR, Elie George Guimarães. Lutas populares, gestão e qualidade da escola pública. 1992. 228f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 1992.

GLÓRIA, D. M. A.; MAFRA, L. A. A prática da não-retenção escolar na narrativa de professores do ensino fundamental: dificuldades e avanços na busca do sucesso escolar. Educação e Pesquisa, v. 30, n. 2, p. 231-250, ago. 2004.

HATCH, T. The usual monkey business: a case of repetition and reform. A response to Cheryl Craig’s “The relationships between and among teachers’ narrative knowledge, communities of knowing, and school reform: a case of ‘the monkey’s paw”. Curriculum Inquiry, v. 31, n. 3, p. 333-340, 2001.

HUBERMAN, A. M. Como se realizam as mudanças em educação: subsídios para o estudo do problema da inovação. Tradução de Jamir Martins. São Paulo: Cultrix, 1976.

LAWTON, D. Book review “Images of educational Change”. British Journal of Educational Studies, v. 49, n. 4, p. 446-472, 2001.

LEVIN, B. How to change 5000 schools: a practical and positive approach for leading change at every level. Cambridge, MA: Harvard Education Press, 2008.

MORAES, A. M. X. Princípios e fundamentos da proposta educacional de apoio ao desenvolvimento sustentável. Recife: Serta, 2003.

PARKERSON, D., PARKERSON, J. A. Transitions in American education: a social history of teaching. New York: Routledge, 2014.

PARSONS, C.; FIDLER, B. A new theory of educational change – punctuated equilibrium: the case of the internationalization of higer education institutions. British Journal of Educational Studies, v. 53, n. 4, p. 447-465, Dec. 2005.

CONSELHO DE REITORES DAS UNIVERSIDADES BRASILEIRAS – CRUB. Seminário A administração da inovação no ensino. [S.l.], 1972.

SERVIÇO DE TECNOLOGIA ALTERNATIVA – SERTA. Histórico. 2011. Disponível em: <http://www.serta.org.br/site/o-serta/historico/>. Acesso em: 05 nov. 2011.

TORRES, R. M. Reformadores y docentes: el cambio educativo atrapado entre dos logicas. In: CÁRDENAS, L., RODRIGUEZ CÉSPEDES, A., TORRES, R. M. El maestro, protagonista del cambio educativo. Bogotá: Convenio Andrés Bello; Magisterio Nacional, 2000. p. 161-312.

TURA, M. L. R.; MARCONDES, M. I. Heterogeneidade, ciclos e a prática pedagógica. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 89, n. 222, 2008.

TYACK, D.; CUBAN, L. Tinkering toward utopia: a century of public school reform. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 1995.

Publicado

2016-08-30

Como Citar

GHANEM, E. INOVAÇÃO EM ESCOLAS RURAIS: O CASO SERTA (PERNAMBUCO – BRASIL). Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 25, n. 46, p. 227–237, 2016. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2016.v25.n46.p227-237. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/2711. Acesso em: 16 jun. 2024.