Epistemologia intercultural decolonial e a educação escolar indígena em contexto urbano

entre formação/identidade/práxis de professores indígenas na cidade de Manaus-AM

Palavras-chave: Educação Diferenciada. Tikuna. Kokama.

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo fazer uma interlocução entre a interculturalidade crítica como epistemologia de resistência dos professores indígenas e a pedagogia decolonial na perspectiva da emancipação dos povos indígenas. O desenvolvimento desta pesquisa é de cunho qualitativo e articula discussões acerca das perspectivas diversificadas de educação escolar dos povos indígenas de Manaus-AM, tendo como metodologia a pesquisa teórica e de campo, a fim de interpretar certos fenômenos e seus significados evidenciando o trabalho de duas professoras indígenas, do povo Tikuna e Kokama. Os resultados apontam que há muitas limitações, desafios e contradições, porém, as práticas educativas empreendidas nos espaços diferenciados por essas docentes indígenas têm possibilitado a aprendizagem das tradições socioculturais de seus povos, das habilidades de falar, ler, escrever e interpretar os escritos na  língua materna bem como a formação política e étnica de seus estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. Terras tradicionalmente ocupadas: processos de territorialização, movimentos sociais e uso comum. In: ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. Terras de quilombo, terras indígenas, “babaçuais livres”, castanhais do povo, faxinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. Manaus: PPGSCA-UFAM, 2006.
AMAZONAS. Resolução Estadual nº 11/2001/CEE-AM, de 13 de fevereiro de 2001. Fixa as normas para criação e funcionamento da Escola Indígena, autorização e reconhecimento de Cursos, no âmbito da Educação Básica no Estado do Amazonas e dá outras providências. Manaus, 2001.
ARAÚJO, Jucinôra Venâncio de Souza. Centro cultural tikuna: práticas pedagógicas e identidade étnica no contexto urbano. 2015. 111 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2015.
ARQUIDIOCESE DE MANAUS. Pastoral Indigenista. Covid 19: Igreja de Manaus denuncia negligência no atendimento aos indígenas da cidade. Portal Vatican News. Ano 2020. Disponível em: http: www.vaticannews.va. Acessado em: 28 de abril de 2020.
BANIWA, Gersem. Os desafios da educação indígena intercultural no Brasil: avanços e limites na construção de políticas públicas. In: BRINGMANN, Sandor Fernando (org.). Etnohistória, história indígena e educação: contribuições ao debate. Porto Alegre: Pallotti, 2012.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, Brasília/DF: Senado, 5 de outubro de 1988.
BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 9.394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em 03 de maio 2017.
BRASIL. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Fundação Nacional do Índio-FUNAI. Educação. Disponível: http://www.funai.gov.br/index.php/educacao. Acessado em: 20 de março de 2019.
BRASIL. Parecer CNE/CEB nº 14/1999. Dispõe sobre Diretrizes Nacionais para o funcionamento das escolas indígenas. Brasília: 1999.
BRASIL. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília, DF: MEC, 1998.
BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 3, de 10 de novembro de 1999. Diretrizes Nacionais para o funcionamento das escolas indígenas e dá outras providências. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/1999/pceb014_99.pdf. Acessado em: 19 de abril de 2021.
BRASIL. Resolução CNE/CEB nº. 5, de 22 de junho 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena na Educação Básica. MEC/CNE/CEB, 2012.
CANDAU, Vera Maria Ferrão; RUSSO, Kelly. Interculturalidade e educação na América Latina: uma construção plural, original e complexa. Revista Diálogo Educacional, v. 10, n. 29, p. 151-169, 2010. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/dialogoeducacional/article/view/3076. Acessado em: 19 de abril de 2021.
CANDAU, Vera Maria. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de educação, v. 13, n. 37, p. 45-56, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/5szsvwMvGSVPkGnWc67BjtC/?format=pdf&lang=pt. Acessado em: 19 de abril de 2021.
CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. Prólogo. Giro decolonial, teoría crítica y pensamiento heterárquico. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontifi cia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007.
DEMO, Pedro. Pesquisa: princípio científico e educativo. 5.ed. São Paulo: Cortez, 1997.
GHEDIN, Evandro. Professor reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica. In: PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro (Orgs). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 5ª ed. São Paulo: Cortez, 2008.
GOMES, Vilisa Rudenco; BARBOSA, Ana Clarice Alencar. Componentes da identidade do docente indígena: história e tragetória. Anais do XI Congresso Nacional de Educação- EDUCERE, 2013. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/CD2013/pdf/7443_5808.pdf. Acessado em: 10 de janeiro de 2021.
GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. In: SANTOS, Boaventura de Sousa, MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias ao Sul. São Paulo: Cortez, 2010.
HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da; HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn (orgs). Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15 ed. Petrópolis: RJ, Vozes, 2014.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE Indígena, 2010. Disponível em: https://indigenas.ibge.gov.br Acesso em: 12/03/2019
LIBÂNEO, José Carlos. Reflexividade e formação de professores: outra oscilação do pensamento pedagógico brasileiro? In: PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2002.
LUCIANO, Gersem dos Santos. O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/pdf/indio_brasileiro.pdf Acessado em: 13 de fevereiro de 2021.
MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global, p. 127-167, 2007.
MANAUS. Secretaria Municipal de Educação; Departamento de Gestão Educacional; Divisão de Ensino Fundamental; Gerência de Educação Escolar Indígena. Diretrizes Pedagógicas da Educação Escolar Indígena do Município de Manaus. Manaus: SGE/DGE/DEF/GEEI, 2017.
MIGNOLO, Walter. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Trad. de Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2020.
MOREIRA, Antonio Flávio Barbosa; CUNHA, Regina Celi Oliveira da. A discussão da identidade na formação docente. Revista Contemporânea de Educação, v.3, n.5, 2008. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/view/1538/1387. Acessado em 26 de fevereiro de 2021.
PEE-AM (SEDUC). Plano Estadual de Educação do Estado do AmazonAS, 2015. Disponível em: http://fne.mec.gov.br/images/PEE/AMPEE. Acesso em: 07/09/2018
PIMENTA, Selma Garrido. Formação de Professores: identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, Selma Garrido. Saberes e Atividade Docente. São Paulo: Cortez, 1999.
QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder y clasificación social. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón (orgs.). El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 93-126.
RANGEL, Lucia Helena; GALANTE, Luciana; CARDOSO, Cynthia Franceska. A presença indígena nas cidades. In: VENTURINI, Gustavo; BOKANY, Vilma (Orgs.). Indígenas no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2013.
SANTOMÉ, Jurjo Torres. As culturas negadas e silenciadas no currículo. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Alienígenas na sala de aula. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.
SILVA, Aldenor Moçambite da. A inserção dos Tikuna no tecido social urbano de Manaus. 2013. 143 f. Dissertação (Mestrado em Sociedade e Cultura na Amazônia) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2013.
SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da; HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn (orgs). Identidade e Diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. 15 ed. Petrópolis: RJ, Vozes, 2014.
TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.
WALSH, Catherine. Interculturalidade e decolonialidade do poder: um pensamento e posicionamento" outro" a partir da diferença colonial. Revista Eletrônica da Faculdade de Direito de Pelotas, v. 5, n. 1, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/revistadireito/article/view/15002. Acessado em 26 de fevereiro de 2021.
WALSH, Catherine. Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo I. Quito, Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 2013.
WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da; HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 6ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.
Publicado
2022-05-28
Métricas
  • Visualizações do Artigo 173
  • PDF downloads: 0
Como Citar
PAES, L. R.; ARAÚJO, J. V. DE S.; SANTOS, R. F. F. DOS. Epistemologia intercultural decolonial e a educação escolar indígena em contexto urbano: entre formação/identidade/práxis de professores indígenas na cidade de Manaus-AM. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, v. 31, n. 66, p. 150-172, 28 maio 2022.