Universidade, desenvolvimento territorial e educação do campo no Vale do Jaguaribe

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n61.p52-67

Palavras-chave:

Educação do campo. Desenvolvimento territorial. Vale do Jaguaribe. MST. UECE.

Resumo

O objetivo do trabalho é analisar as reverberações, no território do Vale do Jaguaribe, repercutidas desde projetos de educação do campo, desenvolvidos por
docentes e estudantes da Universidade Estadual do Ceará (UECE), nas dimensões do ensino, pesquisa e extensão. Tendo-se por base as dissertações, monografias e teses de doutorado sobre a região, a partir de 2008, cujos objetos de investigação abordam tanto a educação do campo, quanto o desenvolvimento territorial, e se constituíram a referência de análise do trabalho, constatou-se que as ações de educação do campo em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) nesta região fortaleceram a luta pela terra, a organização política e produtiva. Dessa forma, influenciam no redesenho do território, tanto no que concerne ao fortalecimento da agricultura familiar, quanto ao da transição agroecológica e do acesso à educação, reverberando no projeto de formação docente e na ampliação da própria Universidade

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Maria Gadelha de Carvalho, Universidade Estadual do Ceará

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Fortaleza, Ceará,

José Ernandi Mendes, Universidade Estadual do Ceará

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Fortaleza, Ceará, Brasil

Jamira Lopes de Amorim, Universidade Federal Rural do Semi-Árido (

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Professora da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA). Mossoró, Rio Grande do Norte, Brasil

Referências

AMORIM, Jamira Lopes de. Reconfigurações do campo universitário no Brasil e suas repercussões em uma instituição periférica – FAFIDAM/UECE. 2019. 197 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, 2019.
BEZERRA, Juscelino Eudâmidas. Diacronias da violência no Baixo Jaguaribe (CE): marcas históricas e geográficas. DATALUTA – Boletim da Luta, Presidente Prudente, SP, n. 73, jan. 2014. Disponível em: http://www2.fct.unesp.br/nera/boletimdataluta/boletim_dataluta_1_2014.pdf. Acesso em: 10 nov. 2020.
BRASIL, Ministério da Educação. Edital nº 02, de 23 de abril de 2008. Chamada pública para seleção de projetos de Instituições públicas de ensino superior para o PROCAMPO. Brasília, DF, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaodocampo/edital_n2_procampo.pdf. Acesso em: 02 out. 2020.
DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS (DNOCS). Levantamento agroeconômico social do Perímetro Irrigado Jaguaribe-Apodi. Relatório Técnico. Fortaleza, 2009.
FERNANDES, Bernardo Mançano. Entrando nos territórios do território. SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE GEOGRAFIA AGRÁRIA (SINGA), 3.; SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOGRAFIA AGRÁRIA, 4., 2007, Londrina. Anais eletrônicos [...]. Londrina: Universidade Estadual de Londrina (UEL), 2007. Disponível em: http://www2.fct.unesp.br/nera/artigodomes/3artigodomes _2008.pdf. Acesso em: 15 out. 2020.
FERNANDES, Bernardo Mançano; MOLINA, Mônica Castagna. O campo da educação do campo. In: MOLINA, Mônica Castagna; AZEVEDO, Sonia de Jesus (org.). Por uma educação do campo: contribuições para a construção de um projeto de educação do campo. Brasília, DF: UnB, 2004. p. 32-52.
FONTES, Virgínia. O núcleo central do governo Bolsonaro: o protofascismo. Combate Racismo Ambiental, 11 jan. 2019. Disponível em: https://racismoambiental.net.br/2019/01/11/o-nucleocentral-do-governo-bolsonaro-o-proto-fascismopor-virginia-fontes/. Acesso em: 04 out. 2020.
FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.
FREITAS, Bernadete Maria Coelho. Marcas da modernização da agricultura no território do Perímetro Irrigado Jaguaribe-Apodi: uma face da atual reestruturação socioespacial do Ceará. 2010. 181 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza, 2010.
FREITAS, Bernadete Maria Coelho. Marcas do agronegócio no território da Chapada do Apodi. In: RIGOTTO, Raquel Maria (org.). Agrotóxicos, trabalho e saúde: vulnerabilidade e resistência no contexto da modernização agrícola no Baixo Jaguaribe/CE. Fortaleza: UFC; Expressão Popular,2011. p. 144-165.
FREITAS, Bernadete Maria Coelho. Campesinato, uso de agrotóxicos e sujeição da renda da terra ao capital no contexto da expansão da Política Nacional de Irrigação no Ceará. 2018. 325 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Programa de Pós- Graduação em Geografia Humana, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2018.
GADELHA DE CARVALHO, Sandra Maria. Educação do Campo: Pronera, uma política pública em construção. 2006. 226 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, 2006.
GADELHA DE CARVALHO, Sandra Maria Gadelha de; MENDES, José Ernandi. Práxis educativa do Movimento 21 na resistência ao agronegócio. Interface Journal, v. 6, n. 1, p. 45-73, 2014. Disponível em: http://www.interfacejournal.net/2014/06/interface-volume-6-issue-1-movement-pedagogies/. Acesso em: 20 set. 2020.
GADELHA DE CARVALHO, Sandra Maria; MENDES, José Ernandi. Extensão e comunicação em práticas educativas com o MST no PRONERA-UECE: dilemas e aprendizados. In: FARIAS DE OLIVEIRA, Catarina; VIDAL, Márcia Nunes (org.). Comunicação da Terra: vivências e práticas comunicacionais do MST no Brasil. Fortaleza: Imprensa Universitária/UFC, 2018. p. 227-252. Disponível em: www.repositorio.2018_liv_cfoliveira.pdf. Acesso em: 25 set. 2020.
GADELHA DE CARVALHO, Sandra Maria; PIO, Paulo Martins. A categoria da práxis em Pedagogia do Oprimido: sentidos e implicações para a educação
libertadora. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos,Brasília, DF, v. 98, n. 249, p. 428-445, maio/ago. 2017.
GADELHA DE CARVALHO, Sandra Maria; SILVA, Mila Nayane; BARBOSA, Lia Pinheiro. Enfrentamentos e aprendizados: a insurgência feminina no Acampamento Zé Maria do Tomé, Chapada do Apodi-CE. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 20, n. 67, p. 1808-1836, out./dez. 2020.Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogeducacioanl/article/view/27447.Acesso em: 10 nov. 2020.
INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Comunicado do IPEA nº 66: PNAD 2009 – primeiras análises: situação da educação brasileira – avanços e problemas. Brasília, DF, 2010.Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/comunicado/101118_comunicadoipea66.pdf. Acesso em: 20 set. 2020.
INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE). Ceará em mapas. Caracterização territorial. Limites e regionalizações. Fortaleza, 2007. Disponível em: http://www2.ipece.ce.gov.br/atlas/capitulo1/11/122.htm. Acesso em: 15 nov. 2020.
LEAL, Maria Patrícia Morais. História e memória da FUNEDUCE e UECE: entre narrativas e documentos oficiais. 2017. 131 f. Tese (Doutorado)– Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira, Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, 2017.
LEHE R , Rob e r to. C r i s e c a p i t a l i s t a , neodesenvolvimentismo e problemática ambiental. In: MENEZES, Ana Maria Dorta et al (org.). Trabalho, educação, estado e a crítica marxista. Fortaleza: Edições UFC, 2011. p. 197-224.
LOWY, Michael. A alternativa ecossocialista. In: MELO, João Alfredo Teles (org.). Direito ambiental, luta social e ecossocialismo. Fortaleza: Demócrito Rocha, 2010. p. 224-232.
MENDES, José Ernandi et al. From alienation to solidarity: educational perspectives and possibilities in Brazil and the UK. Beijing International Review of Education, v. 2, n. 4, p. 571-589, 2020. Disponível em: https://brill.com/view/journals/bire/2/4/article-p571_571.xml?language=en. Acesso em: 10 jan. 2021.
OLIVEIRA, Diana Nara da Silva. A educação do/no campo em escola de Assentamento de Reforma Agrária em Jaguaruana/Ceará. 2017. 141f. Dissertação (Mestrado em Educação e Ensino) – Universidade Estadual do Ceará (UECE), Limoeiro do Norte, CE, 2017.
OLIVEIRA, Maria José Alves de Freitas. Educação, trabalho e resistência da agricultura familiar camponesa na Chapada do Apodi – Ceará. 2016. 132 f. Dissertação (Mestrado em Educação e Ensino) – Universidade Estadual do Ceará (UECE), Limoeiro do Norte, CE, 2016.
PONTES, Andrezza Graziella Veríssimo. Et al. Os perímetros irrigados como estratégia geopolítica para o desenvolvimento do semiárido e suas implicações à saúde, ao trabalho e ao ambiente. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n.11, p. 3213-3222, nov. 2013.
RIGOTTO, Raquel (org.). Agrotóxicos, trabalho e saúde: vulnerabilidade e resistência no contexto da modernização agrícola no Baixo Jaguaribe. Fortaleza: UFC/Expressão Popular, 2011.
SILVA, Josélia Saraiva e. Habitus docente e representação social do “ensinar Geografia” na Educação Educação Básica de Teresina-Piauí. 2007. 193 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, 2007.
SILVA, Mila Nayane da. Aprendizados e insurgências das mulheres na Luta Pela Terra. 2019. 172f. Dissertação (Mestrado em Educação e Ensino) –
Universidade Estadual do Ceará (UECE), Limoeiro do Norte, CE, 2019.
SGUISSARDI, Valdemar. Universidade no Brasil dos modelos clássicos aos modelos de ocasião?In: MOROSINI, Marília (org.). A Universidade no Brasil: concepções e modelos. Brasília, DF: INEP/MEC, 2011. p. 67 a 91.

Publicado

2021-10-19

Como Citar

CARVALHO, S. M. G. de .; MENDES, J. E. .; AMORIM, J. L. de . Universidade, desenvolvimento territorial e educação do campo no Vale do Jaguaribe. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 30, n. 61, p. 52–67, 2021. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n61.p52-67. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/13016. Acesso em: 17 jun. 2024.