Aprendendo xadrez:

a satisfação dos alunos em jogar tecnologicamente ou tradicionalmente

Autores

  • Jorge Henrique Sciascio Secretaria Municipal de Esportes de Rio Claro
  • Sara Quenzer Matthiesen Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2015.v24.n44.p195-210

Palavras-chave:

Xadrez. Ensino. Aprendizagem. Satisfação. Tecnologia. ABSTRACT

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACKOFF, R. L. Planejamento de pesquisa social. 2. ed. São Paulo: Herder, 1967.
ALVES, Lynn. Game over: jogos eletrônicos e violência no Estado da Bahia. Salvador: PPGE/UFBA, 2004.
BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.
CHRISTOFOLETTI, D. F. A. O xadrez nos contextos do lazer, da escola e profissional: aspectos psicológicos e didáticos. Motriz: Revista de Educação Física, Rio Claro, v. 13, n. 2, p. 157, 2007.
CRUZEIRO, M, D. A satisfação é a expressão de vontade concordante com uma situação. [201-?]. Disponível em: <http://www.lenderbook.com/satisfacao/index.asp>. Acesso em: 13 out. 2013.
D’LUCIA, R. S. et al. O ensino de xadrez como ferramenta no processo de aprendizado infantil. Revista Ciência em Extensão, v. 3, n. 2, p. 95-104, 2007.
EVRARD, Y. A satisfação dos consumidores: situação das pesquisas. Mimeo. Porto Alegre: PPGA/UFRGS, 1995.
FERNÁNDES, S. F. El ajedrez, un recurso en el aula de matemáticas. 7. ed. Montevidéu: Suma, 1991.
FERREIRA, H. M. C.; COUTO, J. Jogos eletrônicos e educação: um diálogo possível com a escola. Vertentes, v.33, p. 89-99, 2009.
GHENSEV, R. O uso dos games na educação. 2010. 56 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Pós-Graduação em Mídias Interativas) – Centro Universitário Senac, São Paulo, 2010.
GOBET, F.; CAMPITELLI, G. Educational benetits of chess instruction: a critical review. Nottingham, UK: Center for Research in Development, Instrucional and Training, School or Psychology, University of Nottingham, 2005.
GOMES, R. Imersão e participação: mecanismos narrativos nos jogos eletrônicos. 2003. 103 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Programa de Pós-graduação em Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), São Paulo, 2003.
MACHADO, Arlindo. Regimes de imersão e modos de agenciamento. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO – INTERCOM, 25., 2002, Salvador. Anais... Salvador, 2002.
MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.
MARCHETTI, R.; PRADO, P. H. Um tour pelas medidas de satisfação do consumidor. Revista de Administração de Empresas, v. 41, n. 4, p. 56-67, 2001.
MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2011.
MATTHIESEN, S. Q. et al. O jogo de damas como um recurso didático-pedagógico para o ensino do atletismo na escola. In: MACHADO, A. A. (Ed.). Coleção Pesquisa em Educação Física – v. 10. Várzea Paulista, SP: Fontoura, 2011. p. 109-115.
MAZANO, A. L.; GONZÁLES, J. M. O xadrez dos grandes mestres: 400 conselhos para melhorar seu nível enxadrístico. Trad. Abrão Aspis. Porto Alegre: Artmed, 2002.
OLÍMPIO, A. Curso básico de xadrez. Goiânia: Impresso, 2006.
OLIVEIRA, C. A. S.; CASTILHO, J. E. O xadrez como ferramenta pedagógica complementar na educação matemática. Brasília, 2006. Disponível em: <http://www.ucb.br/sites/100/103/tcc/22006/cleberalexandresoaresdeoliveira.pdf>. Acesso em: 05 out. 2015.Loyola, 2013.
RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.
ROCHA, D. et al. Avaliação estética de games. In: BRAZILIAN SYMPOSIUM ON COMPUTER GAMES AND DIGITAL ENTERTAINMENT, SBGames, 5., 2006, Recife. Anais… Recife, 2006.
SÁ, A. O xadrez e a educação. Preto & branco. Revista Brasileira de Xadrez, v. 6, p. 39-50, 1990.
______. O xadrez e a educação: experiências de ensino enxadrístico em meios escolar, peri-escolar e extra--escolar. Seminário sobre novas perspectivas da educação matemática no Brasil. Série documental: Eventos, INEP–MEC Brasília, n. 4, p. 1-13, 2007.
SANTAELLA, L. Culturas e artes do pós-humano: da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003.
______. Games e comunidades virtuais. 2004a. Disponível em:<http://www.canalcontemporaneo.art.br/tecnopoliticas/archives/000334.html>. Acesso em: 07 dez. 2013.
______. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004b.
SANTIAGO, F. P. Tecnologias aplicadas ao uso e desenvolvimento do jogo de xadrez. 2012. 135 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Humano e Tecnologias) – Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Rio Claro, SP, 2012.
SCIASCIO, Jorge Henrique de Magalhães Sasso. Aprendendo xadrez: entre a abordagem metodológica presencial e a tecnológica. 2014. 110 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Humano e Tecnologias) – Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Rio Claro, SP, 2014.
SILVA, C. A. B. et al. Jogos eletrônicos: apreensão de estratégias de aprendizagem. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 16, n. 2, p. 39-48, 2003.
WANG, Wanderley. O aprendizado através de jogos para computador: por uma escola mais divertida e mais eficiente. 2007. Disponível em: <http://portaldafamilia.org/artigos/artigo479.shtml>. Acesso em: 25 nov. 2013.

Publicado

2015-12-20

Como Citar

SCIASCIO, J. H.; MATTHIESEN, S. Q. . Aprendendo xadrez: : a satisfação dos alunos em jogar tecnologicamente ou tradicionalmente. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 24, n. 44, p. 195–210, 2015. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2015.v24.n44.p195-210. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/12689. Acesso em: 13 jun. 2024.