Das "Mina" às meninas na Linju:

tecendo anseios, trilhas e (contra)pontos

Autores

  • Maria Anória de Jesus Oliveira Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n62.p16-29

Palavras-chave:

Literatura para crianças e jovens, Linguagens das margens, Protagonismo negro, Lei 10.639/03

Resumo

Este texto resulta da atuação das autoras no campo das literaturas afro-brasileiras e africanas destinadas às crianças e aos jovens. Trata-se, no caso, de uma das linguagens das margens ainda preterida nas instituições acadêmicas enquanto campo de pesquisa (OLIVEIRA, 2010). Levando-se em conta o impacto do racismo estrutural e epistêmico, além da necessidade de romper com tais correntes de pensamentos (LIMA; SOUZA, 2018), focaliza-se o protagonismo negro em três narrativas publicadas após a sanção da Lei Federal 10.639/03. O objetivo é, portanto, destacar alguns aspectos inovadores nas seguintes narrativas: A cor da ternura, de Geni Guimarães (1989) e ilustração de Saritah Barbosa; Entremeio sem babado, de Patrícias Santana (2007) e ilustração de Marcial Ávila; e As tranças de Bintou, de Sylviane A. Diouf (2014)[1] e ilustração de Shane W. Evans. Com esse propósito, foi realizada uma pesquisa bibliográfica, problematizando o racismo no Brasil e ressaltando a importancia da referida literatura na conjuntura brasileira, sem preterir as respectivas fundamentações, para quem almeja arofundar outros estudos. Foi assim demarcado o “lugar de fala” (hooks, 2019). O texto foi (re)estruturado em um momento tenso, de Covid e de recrudescimento da necropolítica (MBEMBE, 2018). Não se poderia, desse modo, ignorar o cenário no qual emerge, levando a situá-lo inicialmente e, também, trazer à cena outros pontos para o presente encontro. É o que compõe as duas primeiras seções, e, nas seguintes, como contraponto, percorre-se o universo das citadas literaturas e de estudos na área, buscando chamar a atenção para a relevância de Geni, Kizzy e Bintou, as protagonistas em foco, para aguçar a criança e o jovem que habitam em cada um de nós, a despeito das travessias. Enfim, para além do desalento e da Covid-19, concluímos que as linguagens das margens aqui entrelaçdas são mais que um convite à leitura e podem contribuir para nutrir a subjetividade, a sensibilidade e a nossa criatividade, na arte de tecer o caminhar. 

 

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.
ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen, 2019.
ARAUJO, Débora Cristina de. Personagens negras na literatura infantil: o que dizem crianças e professoras. São Paulo: CVR, 2017.
BISPO, Carla Fernanda Brito. Literatura infantil afro-brasileira e africana no Ensino Fundamental: nos rastros de uma pesquisa viagem, cartografias da escolarização. 2020. Dissertação (Mestrado em Educação?)-Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2020.
BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Brasília: SECAD/SEPPIR/INEP, 2004.
BRASIL. Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afrobrasileira e Africana. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Subsecretaria de políticas de Ações afirmativas. Brasília: MEC, 2009.
CANDIDO, Antonio. Direitos Humanos e literatura. In: FESTER, A. C Ribeiro. (Org.) São Paulo: Brasiliense, 1989.
CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. Tese (Doutorado em Educação)-Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.
DEBUS, Eliane. A temática da cultura africana e afro-brasileira na literatura para crianças e jovens. São Paulo: Cortez, 2017.
DEBUS, Eliane. Para além de três continentes: a literatura para infância do escritor moçambicano Pedro Pereira Lopes. Revista Cátedra Digital, Tema: Lusofonia na Literatura Infantil e Juvenil, v.4, 2019.
DIOUF, Sylviane. A. As tranças de Bintou. São Paulo: Cosac & Naïf, 2004.¨
GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Rio de Janeiro: Vozes, 2017.
GUIMARÃES, Geny. A cor da ternura. São Paulo: FTD, 1998.
hooks, bell. Anseios: raça, gênero e políticas culturais. Tradução de Jamille Pinheiros. São Paulo: Elefante, 2019.
HUNT, Peter. Crítica, teoria e literatura infantil. São Paulo: Cosac e Naify, 2010.
KHÉDE, Sônia Salomão. Personagens da literatura infanto-juvenil. São Paulo: Ática, 1990.
LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. Literatura infantil no Brasil: história & histórias. São Paulo: Ática, 2004.
LIMA, Maria Nazaré Mota de; SOUZA, Ana Lúcia Silva. Letramentos e relações étnico-raciais: perspectivas de descolonização na formação de professoras. In: PEREIRA, Áurea da Silva; CRUZ, Maria de Fátima Berenice da; PAES, Maria Neuma Mascarenhas (Org.). Letramentos, identidades e formação de educadores: imagens teórico-metodológicas de pesquisa sobre práticas de letramentos. Campinas, São Paulo: Mercado de Letras, 2018. p.27-44.
MOORE, Carlos. Racismo & sociedade: novas bases epistemológicas para entender o racismo. Belo Horizonte: Mazza, 2007.
MUNANGA, Kabenguele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1999.
OLIVEIRA, M. Anória de Jesus. Áfricas e diásporas na Literatura Infanto-juvenil no Brasil e em Moçambique. Salvador: EDUNEB, 2014.
OLIVEIRA, M. Anória de Jesus. Literatura infantil e juvenil em Angola no pós-independência: outras histórias (des)arquivadas. In. MOREIRA, Osmar (Org.). Arquivos, testemunhas e pobreza no Brasil. Salvador: Eduneb, 2016.p.00-00.
OLIVEIRA, M. Anória de Jesus. Negros personagens nas narrativas literárias infanto-juvenis brasileiras: 1979-1989. 2001, Dissertação (Mestrado em Educação) – Departamento de Educação da UNEB, Salvador, 2003.
OLIVEIRA, M. Anória de Jesus. Personagens Negros na Literatura Infanto-Juvenil no Brasil e em Moçambique (2000-2007): entrelaçadas vozes tecendo negritudes. 2010. Tese (Doutorado em Letras)-Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2010.
NASCIMENTO, Daniela G. O Terceiro Espaço: confluências entre a literatura infanto-juvenil e a Lei 10.639/03. 2016. Tese (Doutorado em Estudos Étnicos)-Universidade Federal da Bahia, Centro de Estudos Afro-Orientais, Salvador, 2019.
PEREIRA, Amauri Mendes. Do Movimento Negro à cultura de Consciência Negra: reflexões sobre o antirracismo na sociedade brasileira. Belo Horizonte: Nandyala, 2018.
RIBEIRO, Jonas. Ouvidos dourados: a arte de ouvir histórias (... para depois contá-las...). São Paulo: Ave Maria,1999.
ROSEMBERG, Fulvia; SILVA, Paulo Vinícius Baptista da. Brasil: lugares de negros e brancos na mídia. In: DIJK, Teun A. Van (Org.). Racismo e discurso na América Latina. São Paulo: Contexto, 2008.p. 73-117.
SANTANA, Patrícia. Entremeio sem babado. Belo Horizonte: Mazza, 2007.
SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES. Maria Paula (Org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.
SANTOS, Mônica de Menezes. Por um lugar para a literatura infantil/juvenil nos estudos literários. 2011. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal da Bahia – UFBA, 2011
SILVA, Ana Célia. A discriminação do negro no livro didático. Salvador: UFBA/CEAO/CED, 1995.
SILVA PEREIRA, Sara da. A literatura infantil de temática da cultura africana e afro-brasileira, com palavra as crianças: "eu so peta, tenho cacho, so lindam ó!". 2019. Dissertação (Mestrado em Educação)-Universidade Federal do Paraná, 2019.
SOUSA, Andréia Lisboa de. Personagens Negros na Literatura Infantil e Juvenil. In: CAVALLEIRO, Eliane dos Santos (Org.). Racismo e antirracismo na educação: repensando nossa escola. São Paulo: Summus, 2001. p.185-204.
SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro. Rio de Janeiro: Gral, 1983.

Publicado

2021-06-30

Como Citar

OLIVEIRA, M. A. de J. Das "Mina" às meninas na Linju:: tecendo anseios, trilhas e (contra)pontos. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 30, n. 62, p. 16–29, 2021. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n62.p16-29. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/11345. Acesso em: 5 jun. 2023.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)