As mulheres da EJA

do silenciamento de vozes à escuta humanizadora

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n63.p131-150

Palavras-chave:

Educação de Jovens e Adultos. Mulheres. Memórias. Trajetórias. Educação.

Resumo

 

A reflexão proposta neste artigo resulta de uma pesquisa realizada com mulheres, estudantes da EJA de um município do Paraná, tendo como objetivo compreender suas trajetórias escolares e identificar as dificuldades vivenciadas, os motivos para retornarem ao espaço escolar e o papel da educação em suas vidas. Para tanto, dentro de uma abordagem qualitativa, a metodologia utilizada foi a pesquisa documental e a história oral temática, organizadas e analisadas na perspectiva da análise de conteúdo de Bardin (2016). Os resultados demonstraram trajetórias permeadas por abandono escolar, dificuldades socioeconômicas e preconceitos e a educação como uma via para a conquista de um espaço na sociedade. Evidenciou-se a necessidade da escuta das vozes femininas, (re)conhecendo suas experiências de vida com vistas à elaboração de propostas pedagógicas humanizadoras e emancipadoras, considerando o contexto de exclusão ao qual, historicamente, essas estudantes foram submetidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisca vieira lima, Universidade Federal do Paraná

Doutoranda em Educação - UFPR - Linha Cognição, Aprendizagem e Desenvolvimento Humano. Mestra em Educação - UFPR. Graduação em Pedagogia e Educação Física. Bacharelado em Ciências Contábeis pela Faculdade Estadual de Educação Ciências e Letras de Paranavaí/UNESPAR com Habilitação em Matemática (Licenciatura Plena). Especialização em Educação de Jovens e Adultos e Educação Matemática. Integrante do Grupo de Pesquisa EPEJA - Pesquisa Interinstitucional CNPQ Fundamentos e Autores Recorrentes do Campo da Educação de Jovens e Adultos no Brasil: a construção de um glossário eletrônico. Atualmente é coordenadora pedagógica e compõe o quadro de gestoras do Centro Estadual de Educação Básica para Jovens e Adultos de São José dos Pinhais/SEED/PR. 

Telefone: (41) 99671 8749

Andreia Faxina Wiese, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ (UNESPAR)

Mestre em Sociedade e Desenvolvimento pela Universidade Estadual do Paraná/UNESPAR. Especialista em Gestão Empresarial e em Neuropsicopedagogia. Graduada em Administração com Habilitação em Marketing e em Pedagogia pelo Centro Universitário de Maringá/UNICESUMAR.

Sonia Maria Chaves Haracemiv, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Atua nos seguintes Programas da UFPR: Programa de Pós-Graduação em Educação. Linha Cognição, Aprendizagem e Desenvolvimento Humano.
Programa de Pós-Graduação em Educação - Mestrado Profissional. Linha Formação da Docência e Fundamentos da Prática Educativa.
Pesquisadora do Grupo de Estudos Pesquisa de Cognição, Aprendizagem e Desenvolvimento Humano - Coordenadora do Projeto de Pesquisa Vozes do Cárcere - Paz e não violência em busca de um novo modelo de gestão penal.
Pesquisadora do Grupo de Estudos Pesquisa de Avaliação e Currículo - UNIRIO
Pesquisadora Cnpq no Projeto Fundamentos e Autores Recorrentes do Campo da Educação de Jovens e Adultos no Brasil: a construção de um glossário eletrônico. Coordenadora do Eixo EJA e Tecnologias do EPEJA. 

Integrante do Projeto Educação em Direitos Humanos:Educação básica: ensino e formação docente, coordenado por Ana Maria Dietrich da Universidade Federal do ABC de São Paulo. 

Membro da Comissão Permanente para Elaboração, Implementação e Implantação da Política Estadual de Atenção às Mulheres Privadas de Liberdade e Egressas do Sistema Penal do Paraná - PEAME. 

Pesquisadora da Rede Internacional Luso-Brasileira de Pesquisa Colaborativa em Educação de Jovens, Adultos e de Pessoas Idosas – BRASILUEJA, Brasil, Portugal, Espanha e México.  

Membro do GT do Observatório Social Saúde em  Instituições  Prisionais e Justiça Criminal

Referências

ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith. Trabalho infanto-juvenil: representações de meninos trabalhadores, seus pais, professores e empregadores. In: MOREIRA, Antônio Silva Paredes; OLIVEIRA, Denize Cristina (Org.). Estudos interdisciplinares de representação social. Goiânia: AB, 1998. p. 285-301.
ARROYO, Miguel Gonzalez. A educação de jovens e adultos em tempos de exclusão. Alfabetização e Cidadania, São Paulo, RAAB, n. 11, p. 9-20, abr. 2001.
______. Balanço da EJA: o que mudou nos modos de vida dos jovens-adultos populares? REVEJ@ – Revista de Educação de Jovens e Adultos, v. 1, n. 0, p. 1-108, ago. 2007. Disponível em: <http://mariaellytcc.pbworks.com/f/REVEJ@_0_MiguelArroyo.pdf>. Acesso em: 21 fev. 2021.
______. (Org.). Da escola carente à escola possível. 6. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2003.
BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.
BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 133-184, jul./dez. 1995. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71724>. Acesso em: 20 fev. 2021.
______. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e a cultura. In: NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio (Org.). Escritos de educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998. p. 39-64.
______. A juventude é apenas uma palavra. In: ______. Questões de sociologia. Tradução de Jeni Vaitsman. Rio de Janeiro: Marco Zero Limitada, 1983. p. 112-121.
______. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989.
BRANCO, Veronica. A sala de aula na educação de jovens e adultos. Educar em Revista, Curi¬tiba, n. 29, p. 157-170, jan./jun. 2007. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0104-40602007000100011>. Acesso em: 14 fev. 2021.
BRASIL. Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro de 1998. Modifica o sistema de previdência social, estabelece normas de transição e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc20.htm>. Acesso em: 21 fev. 2021.
______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Casa Civil, 23 dez. 1996. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acesso em: 11 fev. 2021.
______. Parecer nº 11/2000, de 10 de maio de 2000. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 maio 2000. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/eja/legislacao/parecer_11_2000.pdf>. Acesso em: 4 mar. 2021.
______. Brasil Educação e aprendizagem de jovens e adultos ao longo da vida. In: _______. Documento Base Nacional Preparatório à VI Conferência Internacional de Educação de Adultos (VI CONFINTEA). Brasília, Goiânia: FUNAPE/UFG: [s.n.], 2009.
______. Resolução nº 3, de 15 de junho de 2010. Institui as Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 15 jun. 2010. Disponível em: <http://confinteabrasilmais6.mec.gov.br/images/documentos/resolucao032010cne>. Acesso em: 1º fev. 2021.
CARDOSO, Jaqueline; FERREIRA, Maria José Resende. Inclusão e Exclusão: o retorno e a permanência dos alunos na EJA. Revista Eletrônica Debates em Educação Científica e Tecnológica, Espírito Santo, v. 2, n. 1, p. 61-76, 2012. Disponível em: <https://doi.org/10.36524/dect.v2i01.26>. Acesso em: 21 fev. 2021.
CAVALLEIRO, Eliane dos Santos. Discursos e práticas racistas na educação infantil: a produção da submissão e do fracasso escolar. In: QUEIROZ, Delcele Mascarenhas et al. (Org.). Educação, racismo e anti-racismo. Salvador: UFBA, 2000. p. 193-219.
CLAUDE, Richard Pierre. Direito à educação e educação para os direitos humanos. SUR- Revista Internacional de Direito Humanos, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 36-63, 2005. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S1806-64452005000100003>. Acesso em: 22 fev. 2021.
CRESWEL, John W. Investigação e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. Tradução de Sandra Mallmann da Rosa. Revisão técnica de Dirceu da Silva. 3. ed. Porto Alegre: Penso, 2014. 341 p.
CONNELL, Robert W. Políticas da masculinidade. Educação & Realidade, v. 20, n. 2, p. 185-206, jul./dez. 1995. Disponível em: <http://generoeeducacao.org.br/wp-content/uploads/2015/11/connel_politicas_de_masculinidade1.pdf>. Acesso em: 22 fev. 2021.
COSTA, Telma Cruz. O descompasso dos Programas de Alfabetização de Jovens e Adultos: significados e sentidos. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 21, n. 37, p. 205-216, jan./jun. 2012. Disponível em: <https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/477>. Acesso em: 15 fev. 2021.
DEBARBIEUX, Éric; BLAYA, Catherine. Violência nas escolas: dez abordagens européias. Brasília: UNESCO, 2002. Disponível em: <http://bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br/services/e-books/128722por.pdf>. Acesso em: 15 fev. 2021.
DEL PRIORE, Mary (Org.). História das Mulheres no Brasil. 8. ed. São Paulo: Contexto, 2006.
FREIRE, Paulo. A sombra das mangueiras. São Paulo: Editora Olho D’Água, 1995.
______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
______. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000.
HADDAD, Sérgio (Org.). O estado da arte das pesquisas em educação de Jovens e Adultos no Brasil: a produção discente da pós-graduação em educação no período de 1986-1998. São Paulo: Ação Educativa, 2000.
HADDAD, Sérgio; DI PIERRO, Maria Clara. Escolarização de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 14, p. 108-130, 2000.
IBGE. Estatística de Gênero: indicadores sociais das mulheres do Brasil. Estudos e Pesquisas: Informação Demográfica e socioeconômica, n. 38, mar. 2018. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101551_informativo.pdf>. Acesso em: 15 fev. 2021.
______. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101678.pdf>. Acesso em: 2 fev. 2021.
______. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2020. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. 148 p. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101760.pdf>. Acesso em: 21 fev. 2021.
LEÃO, Geraldo Magela Pereira. Experiências da desigualdade: os sentidos da escolarização elaborados por jovens pobres. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 1, Jan./Apr. 2006. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022006000100003>. Acesso em: 15 fev. 2021.
LIMA, Francisca Vieira et al. Educação não presencial na EJA do Paraná em tempos de pandemia. Interacções, n. 54, p. 106-125, 2020. Disponível em: <https://doi.org/10.25755/int.21022>. Acesso em: 22 fev. 2021.
LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.
MANTOVANI, Aline Madia; CARVALHO, Anderson dos Santos. O trabalho infantil e a educação de jovens e adultos na perspectiva de adultos trabalhadores. Roteiro, Santa Catarina, v. 43, n. esp., p. 377-398, 6 dez. 2018. Disponível em: <https://doi.org/10.18593/r.v43iesp.16175>. Acesso em: 20 fev. 2021.
MARCOS, Denise Travassos; PACHANE, Graziela Giusti. Formação de educadores: uma perspectiva de educação de idosos em programas de EJA. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 475-490, maio/ago. 2010. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/ep/v36n2/a04v36n2>. Acesso em: 15 fev. 2021.
MEIHY, José Carlos Sebe Bom; HOLANDA, Fabiola Barbosa. História Oral: como fazer, como pensar. 2ª Edição. São Paulo-SP. Editora Contexto, 2013.
OLIVEIRA, Marta Kohl de. Jovens e adultos como sujeitos de conhecimento e aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, n. 12, p. 59-73, set. /dez. 1999.
OLIVEIRA, Paulo Salles de. Vidas compartilhadas: cultura e co-educação de gerações na vida cotidiana. São Paulo: HUCITEC; FAPESP, 1999.
PERROT, Michelle. Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Tradução de Denise Bottmann. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988
______. Minha história das mulheres. Tradução de Ângela M. S. Corrêa. São Paulo: Contexto, 2007.
PINI, Francisca. A diversidade de sujeitos e currículo. In: FEITOSA, Sonia Couto Souza (Org.). Proposta curricular para Educação de Jovens e Adultos do município de Osasco. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2009. p. 3-45.

SCOTT, Joan. História das Mulheres. In: BURKE, Peter (Org.) A Escrita da História: Novas
perspectivas. Tradução Magda Lopes. São Paulo: UNESP, 1992. p. 63-95.
QUEIROZ, Delcele Mascarenhas; SANTOS, Carlinda Moreira. As mulheres negras brasileiras e o acesso à educação superior. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 25, n. 45, p. 71-87, jan./abr. 2016. Disponível em: <https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/2286>. Acesso em: 21 fev. 2021.
RAMOS, Elenita Eliete Lima; BREZINSKI, Maria Alice Sens. Legislação educacional. 2. ed. Florianópolis: IFSC, 2014.
RIBAS, Maria Guiomar. Mulheres da Educação de Jovens e Adultos em busca da formação perdida: um olhar da educação musical. Educar em Revista, Curitiba, n. 53, p. 113-130, jul./set. 2014. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.36585>. Acesso em: 21 fev. 2021.
RIBEIRO, Arilda Ines Miranda. Mulheres educadas na colônia. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes; VEIGA, Cynthia Geive. 500 anos de Educação no Brasil. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 79-93.
ROUSSO, Henry. A memória não é mais o que era. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína. Usos e abusos da história oral. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2000. p. 93- 102.
SOUZA, João Francisco (Org.). A Educação de Jovens e Adultos no Brasil e no mundo. Recife: NUPED/UFPE; Editora Bagaço, 2000.
TAVARES, Maurício Antunes. Onde está Kelly?: o trabalho oculto de crianças e adolescentes exploradas nos serviços domésticos na cidade do Recife. Recife: Centro Dom Helder Câmara de Estudos e Ação Social, 2002.
TTOFI, Maria M. et al. Do the victim of school bullies tend to become depressed later in life? A systematic review and meta-analysis of longitudinal studies. Journal of Aggression, Conflict and Peace Research, v. 3, n. 2, p. 63-73, 2011. Disponível em: <https://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.670.6461&rep=rep1&type=pdf>. Acesso em: 22 fev. 2021.
VIEIRA, Maria Clarisse; CRUZ, Karla Nascimento. A produção sobre a educação da mulher na educação de jovens e adultos. Educação, UFSM, v. 42, n. 1, p. 45-56, 2017. Disponível em: <https://doi.org/10.5902/19846444201>.
UNESCO. Gênero e educação para todos: o salto rumo à igualdade. Relatório Conciso, 2003.

Publicado

2021-09-29

Como Citar

LIMA, F. vieira; WIESE, A. F. .; HARACEMIV, S. M. C. As mulheres da EJA: do silenciamento de vozes à escuta humanizadora. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 30, n. 63, p. 131–150, 2021. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n63.p131-150. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/11123. Acesso em: 16 jun. 2024.