Reflexões sobre a “epidemia” de depressão em adolescentes e jovens adultos à luz da relação entre a psicanálise e a política

Palavras-chave: Transtorno depressivo, Psicanálise, Política, Subjetivação política

Resumo

O artigo tem por objetivo refletir sobre os impactos de um dos eixos da neurocultura, que é a medicalização de adolescentes e jovens adultos. Discute criticamente o diagnóstico médico de Transtorno Depressivo, à luz da relação entre a psicanálise e a política, e discorre sobre a problemática da depressão no contemporâneo como um sintoma social. Apresenta uma vinheta clínica para ilustrar essa discussão e conclui destacando a importância de um reposicionamento discursivo da escola por meio de processos de subjetivação política em face da lógica adaptativa neoliberal, amplamente arraigada nessas instituições.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS DIRIGENTES DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR (ANDIFES). V Pesquisa Nacional de Perfil Socioeconômico e Cultural dos(as) Graduandos(as) das IFES – 2018. Brasília-DF, 2019. Disponível em: http://www.andifes.org.br/wp-content/uploads/2019/05/V-Pesquisa-Nacional-de-Perfil-Socioecon%C3%B4mico-e-Cultural-dos-as-Graduandos-as-das-IFES-2018.pdf. Acesso em: 07 jul. 2020.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM 5. Porto Alegre: Artmed, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Perfil epidemiológico dos casos notificados de violência autoprovocada e óbitos por suicídio entre jovens de 15 a 29 anos no Brasil, 2011 a 2018. Boletim Epidemiológico, v. 50, n. 24, set. 2019.

COPPEDÊ, Dulce Ricciardi. O discurso da depressão: quando dizer é sofrer. 2016. 141 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.11606/D.47.2017.tde-20032017-123636. Acesso em: 20 maio 2020.

COSER, Orlando. Clínica, crítica e ética. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2003.

DUNKER, Christian Ingo Lenz. Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros. São Paulo: Boitempo, 2015.

FERRETTI, Mariana Galetti Considerações sobre a ética e a política na psicanálise. A Peste, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 69-76, jan./jun. 2011.

FREUD, Sigmund. Sobre o narcisismo: uma introdução. In: FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas, v. XIV. 1. ed. Trad. Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1974a. p. 85-119.

FREUD, Sigmund. Luto e melancolia. In: FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas, v. XV. 1. ed. Trad. Jayme Salomão Rio de Janeiro: Imago, 1974b. p. 249-263.

FREUD, Sigmund. O problema econômico do masoquismo. In: FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas, v. XIX. 1. ed. Trad. Jayme Salomão Rio de Janeiro: Imago, 1974c. p. 177-188.

FORTES, Isabel. Erotismo contra masoquismo na Teoria freudiana. Psicologia Clínica, v. 19, n. 2, p. 35-44, 2007.

ISCOVICH, Luís. Psicanálise e política. Trad. C. Oliveira. Stylus – Revista de Psicanálise, Rio de Janeiro, n. 36, p. 19-26, 2018.

KAËS, René. Le Malêtre. Paris: Dunod, 2012.

KHEL, Maria Rita. O tempo e o cão: a atualidade das depressões. São Paulo: Boitempo, 2009.

LACAN, Jaques. O seminário, livro 2: O eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1985a.

LACAN, Jaques. O seminário, livro 20: mais, ainda. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985b.

LACAN, Jaques. O seminário, livro 17: o avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992.

LACAN, Jaques. O seminário, livro 14: a lógica do fantasma. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

LEADER, Darian. Além da depressão: novas maneiras de entender o luto e a melancolia. Rio de Janeiro: BestSeller, 2009.

LEGNANI, Viviane Neves. Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade: um estudo psicanalítico. 2003. 179 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, 2003.

LEGNANI, Viviane Neves; ALMEIDA, Sandra Francesca Conte de. A importância da subjetivação política nas escolas em tempos sombrios. Interacções – a natureza multifacetada das tensões na escola (número especial), Portugal, v. 11, n. 38, p. 28-41, 2015.

MACHADO, Letícia Vier; FERREIRA, Rodrigo Ramires. A indústria farmacêutica e psicanálise diante da “epidemia de depressão”: respostas possíveis. Psicologia em Estudo, v. 19, n. 1, p. 135-144, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-7372189590013. Acesso em: 05 maio 2020.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Depression and other common mental disorders global health estimates. 2017. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/254610/WHO-MSD-MER-2017.2-eng.pdf;jsessionid=169F0F114283EC04E29F605AB65BF73F?sequence=1. Acesso em: 20 ago. 2020.

ORTEGA, Francisco. Neurociências, neurocultura e autoajuda cerebral. Interface, Botucatu, SP, v. 13, n. 31, p. 247-260, dez. 2009.

RANCIÈRE, Jacques. Politics, identification, and subjectivization. October, v. 61, p. 58-64, summer 1992. Disponível em: http://links.jstor.org/sici?sici=0162-2870(199222)61%3C58:PIAS%3E2.0.CO;2-E. Acesso em: 01 ago. 2020.

RINALDI, Doris. O desejo do psicanalista no campo da saúde mental: problemas e impasses da inserção da psicanálise em um hospital universitário. In: RINALDI, Doris; Jorge, Marco Antonio Coutinho (org.). Saber, verdade e gozo: leituras de O seminário, livro 17, de Jacques Lacan. Rio Janeiro: Rios Ambiciosos, 2002. p. 53-70.

ROUDINESCO, Elisabeth; PLON, Michel. Dicionário de Psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

SAFLATE, Vladimir. Circuito dos afetos: corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

SILVA JUNIOR, Nelson da. Epistemologia psiquiátrica e marketing farmacêutico: novos modos de subjetivação. Stylus, Rio de Janeiro, n. 33, p. 227-239, 2016.

Publicado
2020-12-31
Métricas
  • Visualizações do Artigo 314
  • pdf downloads: 244
Como Citar
LEGNANI, V.; ALMEIDA, S. F. Reflexões sobre a “epidemia” de depressão em adolescentes e jovens adultos à luz da relação entre a psicanálise e a política. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, v. 29, n. 60, p. 42-53, 31 dez. 2020.
Seção
Dossiê Temático 62