Linguística, psicanálise, educação e os falantes de uma língua de sinais

Autores

  • Cristóvão Giovani Burgarelli Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n60.p246-258

Palavras-chave:

Linguística, Psicanálise, Língua de sinais, Experiência educativa

Resumo

Tomando como aporte teórico tanto o reconhecimento quanto a subversão a que Lacan promove a linguística saussureana, tomarei como objetivo, neste artigo, introduzir algumas questões que considero pertinentes para pensar a educação dos falantes de uma língua de sinais. Para dialogar com a linguística, vou dar atenção especial às elaborações de Jean-Claude Milner, em seu livro O amor da língua, e, para a questão mais específica da língua de sinais, vou recorrer ao livro Des mains pour parler, des yeux pour entendre: la voix et les enfants Sourds, de André Meynard. Proponho que, para avançar com as questões aqui apresentadas, deve-se privilegiar a elaboração lacaniana em torno de uma teoria da escrita,
sinalizando para a afirmação de que a experiência educativa com os falantes de Libras não pode deixar de interrogar-se a respeito das condições de fala dos educandos nela envolvidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALTHUSSER, L. Écrits sur la psychanalyse: Freud et Lacan. Paris: STOCK/IMEC, 1993.

BORGES, S. O quebra-cabeça: a alfabetização depois de Lacan. Goiânia: Editora da Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2006.

BURGARELLI, C. G. A subversão do sujeito: em vez de cogito, desejo. In: CONGRESSO INTERNACIONAL TRANSDISCIPLINAR SOBRE A CRIANÇA E O ADOLESCENTE, 6., 2020, São Paulo. Simpósio: Saber, desejo e conhecimento – Piaget, Freud e Lacan. Anais eletrônicos [...]. São Paulo: Instituto Langage, 2020. (Realizado on-line).

DE LEMOS, C. T. G. Sobre a aquisição de linguagem e seu dilema (pecado) original. Abralim, Recife, Boletim 3, p. 97-126, 1982. Disponível em: https://www.abralin.org/site/wp-content/uploads/2018/12/boletim3a.pdf. Acesso em: 21 jul. 2020.

De LEMOS, C. T. G. Los processos metafóricos e metonímicos como mecanismos de cambio. Substratum, Barcelona, v. 1, n. 1, p. 121-135, 1992.

FREUD, S. Carta 52. In: FREUD, S. Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. I. Rio de Janeiro: Imago, 1977. p. 317-324.

LACAN, J. A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud. In: LACAN, J. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998a. p. 496-536.

LACAN, J. Le séminaire, livre V: les formations de l’inconscient. Paris: Seuil, 1998b.

LACAN, J. O seminário, livro 5: as formações do inconsciente. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

LACAN, J. O seminário, livro 10: a angústia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

LACAN, J. Lição sobre Lituraterra. In: LACAN, J. O seminário, livro 18: de um discurso que não fosse semblante. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009. p. 105-119.

LACAN, J. Le séminaire, livre IX: l’identification. Inédito. Disponível em: http://staferla.free.fr/S9/S9.htm. Acesso em: 15 jul. 2020.

LE GAUFEY, G. A inconsistência do simbólico: de René Descartes a Jacques Lacan. Tradução de Paulo Sérgio de Souza Jr. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2018.

MEYNARD, A. Des mains pour parler, des yeux pour entendre: la voix et les enfants Sourds. Toulouse: Érès, 2016.

MEYNARD, A. Soigner la surdité et faire taire les Sourds: essai sur la médicalisation du Sourd et de sa parole. Toulouse: Érès, 2010.

MILNER, J-C. O amor da língua. Tradução de Paulo César de Souza Jr. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2012.

MORAES, M. R. S. Materna/estrangeira: o que Freud fez da língua. 1999. 145 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, 1999.

MOTA, S. B. V. O quebra-cabeça da escrita: a instância da letra na aquisição da escrita. 1995. 271 f. Tese (Doutorado em Psicologia da Educação) – Programa de Estudos Pós-graduados em Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), São Paulo, 1995.

MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (org.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. Vol. 1. São Paulo: Cortez, 2001a.

MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (org.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. Vol. 2. São Paulo: Cortez, 2001b.

MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (org.). Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos. Vol. 3. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. Tradução de Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. 9. ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. Faculdade de Educação. Projeto pedagógico: curso de Pedagogia. 2015. Disponível em: https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/2/o/2018PPC_Pedagogia_(1).pdf?1518023839. Acesso em: 20 jul. 2020.

WEEDWOOD, B. História concisa da linguística. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2012.

Publicado

2020-12-31

Como Citar

BURGARELLI, C. G. Linguística, psicanálise, educação e os falantes de uma língua de sinais. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 29, n. 60, p. 246–258, 2020. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n60.p246-258. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/10513. Acesso em: 31 maio. 2023.

Edição

Seção

Dossiê Temático