ALFABETIZAÇÃO COM BASE EM EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS

Palavras-chave: Alfabetização, evidências científicas, aprendizagem.

Resumo

Evidências científicas são um conjunto de informações coletadas metodologicamente sobre um objeto de estudo específico. Esse texto analisa se há evidências científicas que sustentam ser possível alfabetizar, em um ano letivo, a todos os alunos. O caminho metodológico foi percorrido através da revisão da literatura sobre o tema, a identificação de propostas que sugerem um outro tempo para concretizar o processo de alfabetização, bem como com a aplicação de um questionário com professores alfabetizadores, perguntando suas percepções sobre as razões de alguns alunos aprenderem em um ano letivo e outros não. Com base na análise do conteúdo das respostas, confrontadas com a revisão de literatura sobre o tema, concluímos que os motivos apontados se mantêm estáveis entre os professores alfabetizadores há muitos anos e não justificam a não aprendizagem em um ano letivo, não são sustentados por evidências científicas. Essas indicam ser possível alfabetizar todos os alunos em um ano letivo, desde que o professor alfabetizador tenha reconstruído o conhecimento científico sobre como se ensina a ler e a escrever, ressignificado e incorporado esses pressupostos teóricos com coerência em sua prática docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, L. S. Inteligência e Aprendizagem: dos seus Relacionamentos à sua Promoção. In: Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 8, n. 3, 1992, p. 277-92.

BISQUERRA, R. Métodos de investigación educativa. Barcelona: Ceac, 2000.

CLAXTON, G. Live and Learn. A Introduction to the Psychology of Growth and Change in Everyday Life. London: Harper & Row, 1984.

COLLELO, S. A escola que (não) ensina a escrever. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

DEMO, P. Metodologia para quem quer aprender. São Paulo: Atlas, 2008.

DEMO, P. O mais importante da educação importante. São Paulo: Atlas, 2012.

FERREIRO, E.; TEBEROSKI, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1979.

FERREIRO, E. Alfabetización, teoría y práctica. 5 ed. Mexico: Siglo Veintiuno, 2002.

FREIRE, M. Educador. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

FREIRE, P. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d´Água, 2000.

FREIRE, P. Pedagogia da Esperança, um reencontro com a pedagogia do oprimido. 5ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

GADOTTI, M. Alfabetização e letramento tem o mesmo significado? In: Revista Pátio, ano IX, mai/jul/2005, p.48-52

GATTI, B.A. et al. Formação de professores para o ensino fundamental: instituições formadoras e seus currículos; relatório de pesquisa. São Paulo: Fundação Carlos Chagas; Fundação Vitor Civita, 2008. 2v.

GROSSI, E. Nova Falácia Criminosa. Zero Hora, 8 e 9 de abril de 2017, p.26

GROSSI, E.[et al]. Ensinando que todos aprendem. Revista do GEEMPA, no. 6: Ensinando que todos Aprendem, Porto Alegre: Edelbra Indústria Gráfica, (p.3-6),1998.

LYRA, L.R.; CUSTÓDIO, J.F. DOI: https://doi.org/10.36661/2595-4520.2019v2i4.11036 O Professor Formador e Suas Crenças Didático-Pedagógicas. IN: RIS|:Revista Insignare Scientia, Universidade Federal da Fronteira Sul, Cerro Largo, RS, Vol. 2, n. 4. Set./Dez. 2019.

MARTINS, L.M; DUARTE, N. Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias. SP: (org). Cultura Acadêmica, 2010.

MORAES, R. Uma Tempestade de Luz: a Compreensão Possibilitada Pela Análise Textual Discursiva. (2003). Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v9n2/04.pdf, acessado em 01 de maio de 2015.

MORIN, E. O Método III: o Conhecimento do Conhecimento. 2 ed. Porto Alegre: Sulina, 1999.

MORIN, E. O método VI: a ética. Porto Alegre: Sulina, 2005.

MORIN, E. Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro. São Paulo: Cortez, 2000.

NEMIROVSKY, M. Entrevista pessoal gravada e transcrita em Madrid. mai. 2005.

POZO, J. I. Estratégias de Aprendizagem. In: COLL, C.; PALÁCIOS, J.; MARCHESI, A. (orgs.). Desenvolvimento psicológico e educação: psicologia da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996, p. 176-97.

SCHWARTZ, S. Alfabetização de jovens e adultos: teoria e prática. RJ, Petrópolis: Vozes, 2010.

SCHWARTZ, S. Entre a Indignação e a Esperança: Motivação, Pautas De Ação Docente, Orientação Paradigmática na Alfabetização de Jovens e Adultos/As. Tese de doutorado. PUCRS, 2007.

SCHWARTZ, S. Motivação e aprendizagem: avanços na prática pedagógica. Ciências e Letras, Porto Alegre, v.32, 2002. p.117 – 132.

SCHWARTZ, S. Motivos para aprender a ler e a escrever. Ciências & Letras, Porto Alegre, nº 38. 2006. P.161-178.

SCHWARTZ, S. Receita para ensinar/aprender a ler e a escrever In: ABRAHÃO, M.H.M.B. (org.)Professores e alunos: aprendizagens significativas em comunidades de práticas educativas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009, p. 161-182.

SCHWARTZ, S. Quando o que parece óbvio em alfabetização não é tão óbvio assim. Educação e Cidadania, Edições Científicas Ritter dos Reis. Ano 7, nº 7, 2005, p. 59-78.

SCHWARTZ, S. A Educação Infantil tem conteúdos? Ciências & Letras, Porto Alegre, v.43, 2008. p. 229 – 246.

SOARES, M. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n25/n25a01.pdf, acessado em 06/08/2016.

SOUZA, D.; SILVA, C. S. S.; BEDIN, E. DOI: https://doi.org/10.36661/2595-4520.2020v3i1.11250. A relevância da observação na formação inicial docente com vistas no desenvolvimento da prática reflexiva. IN: RIS|:Revista Insignare Scientia, Universidade Federal da Fronteira Sul, Cerro Largo, RS, v. 3 n. 1, 2020.

STERNBERG, R. J. Beyond IQ: A Triarchic Theory of Human Intelligence. New York: Cambridge University Press, 1985.

STERNBERG, R. J. Principles of Teaching for Successful Intelligence. Educational Psychologist, v. 33, n. 2/3, 1998, p. 65-72.

TARDIF, M. Saberes docente e formação profissional: Petrópolis, Vozes, 1999.

TEBEROSKY, A. Entrevista pessoal em Barcelona, gravada e transcrita. abr. 2005.

TOLCHINSKY, L. Entrevista pessoal em Barcelona, gravada e transcrita. abr. 2005.

VERGNAUD, G. Atividade humana e conceituação. Porto Alegre: GEEMPA, 2008.

WEISZ, T. A aprendizagem do sistema de escrita: questões teóricas e didáticas. Revista Veras, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 11-20, janeiro/junho, 2016.

Publicado
2020-07-23
Métricas
  • Visualizações do Artigo 284
  • PDF downloads: 83