AS POTENCIALIDADES DE UMA SEQUÊNCIA DE ENSINO INVESTIGATIVA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Palavras-chave: Ciências, Educação Infantil, Sequência de Ensino Investigativa.

Resumo

Esse texto tem o objetivo de apresentar através da aplicação de uma Sequência de Ensino Investigativa (SEI), o desenvolvimento do conhecimento científico em crianças pequenas. Os sujeitos são alunos de 05 anos de idade, pertencentes a uma turma Pré II da EI de uma escola pública de uma cidade do interior da Bahia. Utilizamos uma sequência de ensino investigativa, intitulada “Solo”, desenvolvida pelo grupo de pesquisadores do Laboratório de Pesquisa em Ensino de Física do (LaPEF) FEUSP. As atividades dessa sequência, foram adaptadas de Carvalho, et al. (2011). Estas, também se basearam nas atividades do trabalho de pesquisa Moraes (2015). A aplicação foi estruturada em três momentos (Samarapungavan et al., 2008; Teixeira, 2009, apud Moraes 2015) Pré-investigação; Investigação e Pós-investigação.  Os resultados apontam que as atividades que compuseram a SEI contribuíram para a inserção dos alunos numa cultura científica, uma vez que foi possível verificar o envolvimento das crianças em processos de investigação científica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andreia Cristina Freitas, UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB
Doutoranda em Educação - UFBA. Mestrado em Educação em Ciências - UESC. Possui Licenciatura em Pedagogia.  Professora das disciplinas: Prática Pedagógica e Estágio Supervisionado na Universidade do Estado da Bahia, Campus XVIII. Integrante dos Grupos de Pesquisa: GRUPAC - Grupo de Pesquisa em Alfabetização Científica – UESC e Infância, Educação e Contemporaneidade – UESB. Possui experiência na educação básica e ensino superior, atuando principalmente nos seguintes temas: Estágio supervisionado, Práticas Pedagógicas, Formação de Professores, Educação Infantil, Ensino de Ciências por Investigação e Desenvolvimento Profissional Docente.

Referências

ANDRÉ, M. O que é um estudo de caso qualitativo em educação. Revista da FAEEBA – Educação e contemporaneidade, Salvador, V.22, n.40, p.95-103, julho-dezembro. 2013.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. 2ª Versão. Secretaria de Educação Fundamental: MEC – Brasília, 1997.

______. Ministério de Educação e do Desporto. Referencial curricular nacional para educação infantil. Vol 3. Brasília, DF: MEC, 1998.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil/ Secretaria de Educação Básica – Brasília: MEC, SEB, 2010.

CARVALHO; A. M. P. de; OLIVEIRA, C.; SASSERON, L. H.; SEDANO, L.; BATISTONE, M. Ciências, 2º ano. Coleção Investigar e Aprender. Editora Sarandi; 1ª edição. São Paulo, 2011a.

COELHO, M. R., FIDALGO, E. C., Santos, H. G., BREFIN, M. D. L. M. S. PÉREZ, D. Solos: tipos, suas funções no ambiente, como se formam e sua relação com o crescimento das plantas. EMBRAPA, 2015. Disponível em http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/94212/1/Ecossistema-cap3C.pdf, acessado em 26 de março de 2016.

MORAES, T. S. V. de, O desenvolvimento de processos de investigação científica para o 1o. ano do ensino fundamental. - Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo/São Paulo, 2015. Tese de Doutorado. USP.

SAMARAPUNGAVAN, A.; MANTZICOPOULOS, P.; PATRICK, H. Learning Science Through Inquiry in Kindergarten. Science Education. 92:868 – 908, 2008.

TRIVELATO, S. F. SILVA. R. L. F. Quando a ciência é notícia: televisão, cinema e mídia impressa no ensino de Ciências. Ensino de Ciências/ Silvia Frateschi Trivelato, Rosana Louro Ferreira Silva – São Paulo: Cegage Learning, 2014 – (Coleção ideias e ação/ coord. Ana Maria Pessoa de Carvalho).

Publicado
2020-07-07
Métricas
  • Visualizações do Artigo 152
  • PDF downloads: 136
Como Citar
FREITAS, A. C.; BRICCIA, V. AS POTENCIALIDADES DE UMA SEQUÊNCIA DE ENSINO INVESTIGATIVA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Revista Encantar - Educação, Cultura e Sociedade, v. 2, p. 01-23, 7 jul. 2020.