RAÇA E GÊNERO NA EDUCAÇÃO BÁSICA: resistir para garantir. retroceder, jamais!

Palavras-chave: diversidade, lei 10639/03, práticas educativas, resistência.

Resumo

Resumo: A instituição escolar tem cumprido novos papéis na atualidade. No âmbito das relações étnico-raciais, percebemos uma urgência de ações e metodologias emancipatórias nas escolas que dialoguem com a temática e possibilitem a construção de práticas pedagógicas efetivas para o fortalecimento da identidade dos povos excluídos historicamente. Além disso, ao analisarmos a mesma conjuntura e trazendo a mulher negra para o cerne social, confirmamos que o diálogo precisa ser ampliado. O presente trabalho se predispõe a utilizar do cabedal bibliográfico de autores/as  que tratam de questões ligadas à educação, identidade, autoafirmação, relações étnico-raciais, entre outras, para analisar o protagonismo de professores/as da Escola Municipal Themístocles Andrade, na cidade de Ilhéus-Ba, levando em consideração o engajamento nas  estratégias para a implementação da  Lei 10.639/03 oportunizando o debate e traçando um conjunto de ações que proporcionam o entendimento, o reconhecimento, a afirmação e validação da identidade afrodescendente a partir do conhecimento da ancestralidade feminina negra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tereza Cristina Soares de Sá, Universidade Federal do Sul da Bahia
Professora da Rede Municipal de Ensino do Município de Ilhéus. Licenciada em Letras e Pedagogia (Uesc), Mestranda em Ensino e Relações Étnico-Raciais (Ufsb-PPGER)
Luciana Santos Leitão, Universidade Estadual de Santa Cruz
[1] Docente Assistente da Universidade Estadual de Santa Cruz- UESC, Departamento de Ciências da Educação – DCIE

Referências

APPLE. Michael W. Educação e Poder. Trad. Maria Cristina monteiro. Porto Alegre: artes médicas, 1989.entender).

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Disponível <http://www.planalto.gov.br/CCivil_03/leis/2003/L10.639.htm>. Acesso em 20 jun. 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GOMES, Nilma Lino. Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.29, n.1, p. 167-182, jan./jun. 2003.

__________________.o Movimento Negro Educador: Saberes Construidos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ:Vozes, 2017

MUNANGA, Kabenguele.Por que ensina África na Escola Brasileira Conferência proferida no teatro da Casa do Saber de Camaçarí, maio 2008; Disponivel em https://terreirodejaua.files.wordpress.com/2009/07/kabengele1.pdf

SANTANA, Patrícia Maria de Souza. Professora@s Negr@s: trajetórias e travessias. Belo Horizonte: Mazza, 2003.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Cultura e história dos negros na escola: dificuldades e encaminhamentos. Disponível em: <http://www.casadeculturadamulhernegra.org.br/v1/rn_edu_ant02.htm>. Acesso em: 01 jun. 2018.

Publicado
2020-06-19
Métricas
  • Visualizações do Artigo 69
  • PDF downloads: 30
Como Citar
DE SÁ, T. C. S.; LEITÃO, L. S. RAÇA E GÊNERO NA EDUCAÇÃO BÁSICA: resistir para garantir. retroceder, jamais!. Revista Encantar - Educação, Cultura e Sociedade, v. 1, n. 2, p. 406-411, 19 jun. 2020.
Seção
II Seminário Regional de Ensino e Relações Étnico-Raciais