ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO: contribuições e desafios

  • Roselane Duarte Ferraz UESB
Palavras-chave: Estágio supervisionado, relação teoria-prática, desafios e contribuições.

Resumo

A realização do estágio supervisionado configura-se como um campo de conhecimento desafiador para os cursos de formação de professores, pois tem na articulação teoria e prática um dos seus princípios. Neste âmbito de discussão, o presente trabalho resulta do estudo dos registros dos relatórios dos estagiários do componente curricular Estágio II – Ensino Fundamental – Séries Iniciais – Ensino Regular, do 7º semestre do curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB/Campus Juvino Oliveira. Tem por objetivo analisar a importância do estágio na formação do pedagogo, evidenciando as possibilidades de articulação entre teoria e prática, identificando desafios e contribuições do estágio, na formação do profissional da docência. Para realizar o trabalho fizemos uma pesquisa documental, considerando os documentos que regulamentam o estágio e os relatórios finais de estágio, apresentados pelos estagiários no final do semestre. Para estudo e organização dos dados, utilizamos a técnica da análise de conteúdo, embasados em Bardin (2010). Os resultados permitiram identificar situações de estágio que favoreceram a articulação entre teoria e prática, tais como o planejamento da proposta de intervenção em que foram promovidas não só um diálogo com as vertentes teóricas, mas em especial com os sujeitos do processo, os alunos e suas demandas de aprendizagem, os professores e coordenadores pedagógicos, como coautores desta etapa. Consideramos o quanto o estágio contribuiu na formação dos estagiários, pois ao articularem ações reflexivas e colaborativas, compreenderam os desafios formativos, percebendo as complexidades do contexto de atuação e, especialmente, analisando suas ações pedagógicas, enquanto futuros profissionais do ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roselane Duarte Ferraz, UESB
Professora Adjunta do Departamento de Ciências Humanas, Educação e Linguagem (DCHEL), da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Graduada em Pedagogia (UESC). Mestre em Educação (UFU) e doutora em Educação (UFPE). É membro do Grupo Centro de Pesquisa e Estudos Pedagógicos – CEPEP – UESB-Ba. Dedica-se aos estudos sobre a Formação Docente e Práticas Pedagógicas.

Referências

ALMEIDA, M. I.; PIMENTA, S. G. Centralidade do Estágio em cursos de Didática nas Licenciaturas: rupturas e ressignificações. In: ALMEIDA, M. I.; PIMENTA, S. G. (Orgs.) Estágio Supervisionado na Formação Docente: educação básica e educação de jovens e adultos. São Paulo: Cortez, 2014.

AROEIRA, K. P. A didática e os estágios em licenciaturas: uma articulação necessária na produção de práticas pedagógicas. AROEIRA, K. P.; S. G. P. (Orgs). Didática e estágio. Curitiba: Appris, 2018.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Ed. revista e atualizada. Lisboa (Portugal): Edições 70, 2010.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 18 de fevereiro de 2002, que Institui Diretrizes

Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível

superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União, Brasília, DF,19 fev. 2002.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006, que institui as Diretrizes

Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Diário Oficial da União, Brasília, 16 de maio de 2006.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 01 de julho de 2015, define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2 jul. 2015.

FAZENDA, I.C.A. O papel do estágio nos cursos de formação de professores. In: PICONEZ, S.C.B. (Org.). A prática de ensino e o estágio supervisionado. 7. ed. Campinas: Papirus, 2016.

GHEDIN, E; OLIVEIRA, E. S; ALMEIDA, W. A. Estágio com pesquisa. São Paulo: Cortez, 2015.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez. 1994.

LIMA, M. S. L. Reflexões sobre o estágio/prática de ensino na formação de professores. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 8, n. 23, p. 195-205, jan./abr. 2008.

LÜDKE. M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: 2006.

MIRA, M. M. Estágio supervisionado na formação do pedagogo: possibilidades e desafios. Curitiba, Appris, 2015.

PICONEZ, S.C.B. A prática de ensino e o estágio supervisionado: a aproximação da realidade escolar e a prática da reflexão. In: PICONEZ, S.C.B. (Org.). A prática de ensino e o estágio supervisionado. 7. ed. Campinas: Papirus, 2016.

PIMENTA, S.G.; LIMA, M.S.L. Estágio e docência. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2011. (Coleção Docência em Formação).

Publicado
2020-06-01
Métricas
  • Visualizações do Artigo 585
  • PDF downloads: 139