TEORIAS DE APRENDIZAGEM E SUA CONVERGÊNCIA PARA JUSTIFICAR A UTILIZAÇÃO DE JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA

Autores

  • Paulo Roberto de Sousa Gomes
  • Edson do Nascimento Oliveira

Palavras-chave:

Teorias de Aprendizagem. Ensino de Matemática. Contribuição dos jogos.

Resumo

Como as teorias de aprendizagem justificam a utilização de jogos no ensino de matemática e quais são os fatores mentais que podem ser ativados na prática com jogos? Essa questão é levantada na pesquisa como proposta de identificar as vantagens na utilização de jogos para o ensino de matemática. Verificar a generalidade de algumas teorias de aprendizagem que justifiquem a prática com jogos como proposta auxiliar e motivadora no ensino de matemática. Verificar tais fatores é contribuir para uma exploração dos jogos que vão além do abordagem de conteúdos é trazer uma proposta onde as expectativas de um ensino de matemática venham atrair a atenção do aluno, gerando um ambiente para o desenvolvimento de capacidades que perpassam o cognitivo e alcançam aspectos motores e sociais, ou seja, ir além do processo matemático curricular e com isso construir propostas didáticas a partir de uma fundamentação teórica e prática consistente que potencialize a compreensão do saber matemático e que possa a vir tornar o aluno independente, criativo e crítico. E nesse movimento de compreensão da aprendizagem e de como criar meios que sirvam como mediadores que vão além da retenção de informações e mecanicidade, pesquisadores de diversas áreas como antropologia, psicologia, sociologia, pedagogia e estudos na neurociência são verificados na pesquisa para correlacionar diversas áreas e trazer um ponto comum quando se trata da investigação sobre onde, quando e como a aprendizagem ocorre e o seu significado e com isso trazer a convergência de teorias e suas propostas, quando se trata do ensino de matemática com a utilização de jogos. Buscar em diferentes áreas do conhecimento fundamentação e argumentos para justificar a utilização de jogos é consequência imediata dos diversos recursos a serem explorados e que são proporcionados com a prática e planejamento de atividades que fujam da rotina do ambiente da sala de aula e de modo especial aos modelos de aulas para o ensino de matemática. O presente trabalho apoia-se nas literaturas como ATKINSON (2002), MOREIRA (1999), NOGUEIRA (2012) e demais trabalhos desenvolvidos com temas correlatos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ATKINSON, Rita L.et. al Aprendizagem, memória e pensamento. In:________. Introdução à psicologia de Hilgard; trad. Daniel Bueno. – 13 ed. – Porto Alegre: Airtmed, 2002. p. 256-327.

BRASIL. Ministério da educação e do desporto. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Matemática, terceiro e quarto ciclos. Brasília: 1998.

De La ROSA, Jorge. Motivação e aprendizagem. In:_________. Psicologia e Educação: o significado do aprender. 7. Ed.- Porto Alegre. EDIPURS, 2003.p. 169-186.

GUIMARAES, Karina Perez. Jogos no ensino de matemática. In:_______. Desafios e pespectivas para o ensino de matemática – Curitiba: Ibpex, 2010. p. 89 -115.

HOUAISS. A. (Ed.). Minidicionário da língua portuguesa. S/C Ltda – 2ª Ed. Ver. Aum. – Rio de janeiro: Objetiva, 2004. p.436.

MOREIRA, Marco Antônio. Teorias de Aprendizagem – São Paulo: EPU.1999.

NOGUEIRA, Makeliny Oliveira Gomes. Teoria da Aprendizagem: um encontro entre os pensamentos filosoficos e psicológicos – Curitiba: Ibpex, 2012.

RIBEIRO, Flavia Dias. Jogos e modelagem na educação matemática. – Curitiba: Ibpex. 2008.

SANTOS, Cássia Xavier. Anatomia. In: COSTA, Denis Honorato (org.). Radiologia medica: anatomia, fraturas e contrastados. __ São Paulo: Martinare, 2007. p. 40-55.

SILVA, Carla Cilene Baptista da. O jogo e suas relações com a educação e desenvolvimento infantil. In:_______. O lugar dos brinquedos e dos jogos nas escolas especiais de educação infantil. 2003. 179p. Tese (Doutorado em psicologia). Universidade federal de São Paulo

(UNIFESP). Disponível em: http://www.salesianolins.br/areaacademica. Acessado em: 8 fev. 2013. p. 17-36.

VIGOTSKY (1896-1934) Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico: livro para professores. Lev Semionovich Vigotsky; apresentação e comentários Ana Luiza Smolka, Tradução: Zoia Prestes – São Paulo: Ática, 2009.

WITTIZORECKI, Elisandro Schultz; DOMICO, J. G. Soares; SCHAFF, E. A. Bacellar. Jogos, recreação e lazer - Curitiba: Inter Saberes, 2012.

ZANELA, Liane. Aprendizagem: introdução. In: De La ROSA, Jorge (Org.). Psicologia e Educação: o significado do aprender. 7. Ed.- Porto Alegre. EDIPURS, 2003.p. 23-36.

Downloads

Publicado

2019-12-31

Como Citar

GOMES, P. R. de S.; OLIVEIRA, E. do N. TEORIAS DE APRENDIZAGEM E SUA CONVERGÊNCIA PARA JUSTIFICAR A UTILIZAÇÃO DE JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Revista Encantar, [S. l.], v. 1, n. 3, p. 79–90, 2019. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/encantar/article/view/8191. Acesso em: 25 fev. 2024.