MATEMÁTICA E ARTE, CRIATIVIDADE EM TODA PARTE

Palavras-chave: Ensino aprendizagem. Lúdico. Arte. Matemática.

Resumo

O artigo apresentado é uma revisão bibliográfica com discussões teóricas em que o objetivo é instigar o leitor a utilizar meios não tradicionais/convencionais de estimulação do interesse da criança autista ao “mundo fantástico da matemática”, de maneira a traçar uma ideia/possibilidade de prática de ensino interdisciplinar com a junção da arte e da matemática e, assim, estimular a aprendizagem da criança autista. Evitar uma repressão gradual da imaginação e do sentimento da criança, e proporcionar uma educação libertadora, contra a supremacia de utilização de métodos lógicos e racionais limitadores do pensamento humano. Um mundo cercado de perversos adultos com seu mundo tenebroso e desencantador recebem as crianças que viviam no mundo encantado da educação infantil para uma educação restrita e chocante do ensino fundamental. O ato de aprender, neste momento de crise da educação e dos valores se tornou um processo simplesmente instrumental, deixado para trás o seu principal objetivo, sendo o prazer e o encanto no ensino e na aprendizagem. A arte e a ludicidade se apresentam como uma possibilidade positiva para muitas angústias que acometem os/as professores/as que ensinam matemática e aos estudantes. Representa também uma tentativa de dar destaque à arte e ao lúdico na dimensão do desenvolvimento e integralidade humana. Educar e ser educado pela arte e ludicidade é permitir experiências de aprendizagem no âmbito pessoal e coletivo, acima de tudo prazerosas e estimuladoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Estéfano Stange Portella, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo

Formação em Direito e Arte Visual. Atua como advogado e professor de arte no ensino regular da rede pública  em Vila Velha no Estado do Espírito Santo, Brasil. Mestrando no IFES do programa EDUCIMAT na perspectiva da educação inclusiva no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo, em Vitória-ES. Orientador: Edmar Reis Thiengo. Título prévio da pesquisa em andamento: AMA-Autismo, Matemática e Arte: Apropriação do conceito de números por meio da arte visual. Faz parte do Grupo de Pesquisa em Educação Matemática Inclusiva (GPEMI) e contribui com pesquisas desenvolvidas na área da Educação Matemática para alunos autistas. Atualmente trabalha com adolescentes em conflito com a lei, como educador social.

Edmar Reis Thiengo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo

Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado do Espírito Santo, em Vitória-ES, Brasil, onde atua como professor do Curso de Licenciatura em Matemática e do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática - EDUCIMAT/Ifes. Doutor em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes, mesma instituição onde tornou-se Mestre em Educação, desenvolvendo pesquisas na área de História da Matemática; Licenciado em Ciências e Matemática pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Carangola - MG. Membro da Comissão Permanente de Ações Afirmativas dos Programas de Pós-Graduação do IFES; foi Coordenador do Curso de Licenciatura do Ifes - campus Vitória (2015-2019); foi Coordenador do Programa de Residência Pedagógica (2018-2019); foi Coordenador da Área de Matemática (2019-2021). Líder do Grupo de Pesquisa em Educação Matemática Inclusiva (GPEMI), desenvolvendo pesquisas em torno do ensino de Matemática a estudantes com necessidades educativas especiais tais como o surdo, cego, baixa visão, síndromes cromossômicas, autismo, deficiência intelectual, altas habilidades/superdotação. Líder do Grupo de Pesquisa Educação, História e Diversidades (GPEHDi), desenvolvendo pesquisas na área da Educação e Diversidades, particularmente gênero e sexualidade, políticas e práticas pedagógicas. Membro do Grupo de Trabalho 13 da Sociedade Brasileira de Educação Matemática - GT13 da SBEM: Diferença, Inclusão e Educação Matemática.

Referências

ALVES, Helena Susana Pires. Ensinar matemática através da arte: um incentivo ao gosto pela matemática? 166 f. Dissertação (Mestrado em Arte e Educação). Universidade Aberta, Lisboa, Portugal. 2013. http://repositorioaberto.uab.pt/handle/10400.2/2759

BRASIL. Política Nacional de Alfabetização. Brasília/DF. 2019. https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/71137476/do1e-2019-04-11-decreto-n-9-765-de-11-de-abril-de-2019-71137431

DORNELES, B.V., CORSO, L.V., COSTA, A.C. The search for the relationship between the difficulties in reading and mathematics: a study of students from 3rd to 6th grade elementary schools. In: Mathematics in different settings [:] proceedings, 2010;4:351.

DUARTE JÚNIOR, João-Francisco. Fundamentos estéticos da educação. Campinas, Papirus, 1988.

GUSMÃO, Lucimar Donizete. Educação matemática pela arte: defesa da educação da sensibilidade no campo da matemática. 153 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR. 2013. http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/modules/mydownloads01/singlefile.php?cid=149&lid=7483

LUCKESI, Cipriano Carlos.(org) Educação e Ludicidade. Salvador UFBA/FACED, 2000.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Caminhos pedagógicos da inclusão. http:/www.educacaoonline.pro.br. Acesso em: 21 março 2006.

McCloskey, M., Caramazza, A., & Basili, A. Cognitive mechanisms in number processing and calculation: Evidence from dyscalculia. Brain and Cognitive, 4,171-196. doi:10.1016/0278-2626(85)90069-7, 1985.

MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa. Currículo, cultura e formação de professores. Revista Educar, Curitiba, Editora da UFPR, n. 17, p. 39-52, 2001.

READ, Herbert. A redenção do robô: meu encontro com a educação através da arte. Trad. Fernando Nuno. São Paulo: Summus, 1986.

READ, Hebert. Educação pela arte. Trad. Valter Lellis Siqueira. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

RIZZI, Leonor; HAYDT, Regina Célia Cazaux. Atividades lúdicas na educação da criança: subsídios práticos para o trabalho na pré-escola e nas séries iniciais do 1º grau. São Paulo: Ática, 1987.

SILVA, Paulo Adilson da, & Santos Flávia Heloísa dos. Discalculia do Desenvolvimento: Avaliação da Representação Numérica pela ZAREKI-R. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27(2),169-177. doi:10.1590/S0102-37722011000200003, 2011.

TEIXEIRA. Rosanny Moraes de Morais. O lugar do desenho no ensino das artes visuais com alunos autistas: um estudo de caso. 219 f. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais). Universidade de Santa Catarina, Florianópolis, SC. 2010. http://www.tede.udesc.br/handle/tede/846

Publicado
2021-08-29
Métricas
  • Visualizações do Artigo 68
  • PDF (PORTUGUÊS) downloads: 16
Como Citar
Portella, E. S., & Thiengo, E. R. (2021). MATEMÁTICA E ARTE, CRIATIVIDADE EM TODA PARTE . Encontro De Ludicidade E Educação Matemática, 3(1), e202126. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/elem/article/view/12302