O JOGO DE RPG COMO UMA ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA PARA TRABALHAR A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Palavras-chave: Educação Financeira, RPG, Educação Básica

Resumo

O objetivo deste trabalho é propor uma atividade utilizando o Rolling Play Game (RPG) para trabalhar a Educação Financeira com estudantes da Educação Básica. A proposta tem por base algumas das competências apresentadas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) como, por exemplo, a valorização da diversidade de saberes e vivências culturais, além da responsabilidade e autonomia. O cenário atual foi o propulsor para a escolha do tema, uma vez que grande parte da população do nosso país encontra-se com dificuldades financeiras por conta da pandemia de COVID-19. O RPG é um jogo em que o narrador cria uma narrativa com situações problemas para que o jogador, ao longo da história, possa desenvolver com autonomia o seu pensamento lógico e crítico conforme vão surgindo os desafios propostos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BECKER, F. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME.

MACEDO, L. de. Aprender com jogos e situações - problema. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

OCDE. Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Econômico. Recomendation on Principles and Good Pratices for Financial Education and Awareness. Recomendation of the Council. OCDE. Paris, 2004.

XIMENES, L. M. S.; AMARAL, R. R.; BRANDÃO, M. M. R. T. Clube do RPG – o lúdico na formação de valores. In: Anais do I Colóquio Luso-Afro-Brasileiro sobre questões curriculares. Universidade do Minho, Braga, Portugal, 2014.

Publicado
2021-08-29
Métricas
  • Visualizações do Artigo 74
  • PDF (PORTUGUÊS) downloads: 17
Como Citar
da Costa, L., Pereira, W. D., & Machado, C. C. (2021). O JOGO DE RPG COMO UMA ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA PARA TRABALHAR A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Encontro De Ludicidade E Educação Matemática, 3(1), e202115. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/elem/article/view/12055