O O microfascismo de Félix Guattari e reflexões criminológicas das permanências autoritárias no DEGASE/RJ

  • Danilo Sardinha Marcolino Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro https://orcid.org/0000-0002-6324-7129
  • Igor Gualberto Universidade Federal do Rio de Janeiro

Resumo

O presente trabalho busca compreender as dinâmicas permanentes de autoritarismo nas práticas institucionais do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (DEGASE/RJ). Neste sentido, partindo de uma metodologia hipotético-dedutiva, este artigo aporta-se nas discussões contemporâneas a respeito da Justiça Penal Juvenil e do ius puniendi – o poder punitivo – estatal em relação aos corpos adolescentes. Para estabelecer uma melhor conexão entre a hipótese e o objetivo de análise, optou-se por ter como enfoque as lentes do conceito de microfascismo de Félix Guattari, sendo, quando necessário, complementado pela criminologia da libertação de Lola Aniyar de Castro e pela microfísica do poder de Michel Foucault. O objeto a ser analisado – as práticas autoritárias do DEGASE/RJ – serão trabalhadas a partir de recortes de notícias como paradigmas ilustrativos da problemática. Desta forma, pretende-se percorrer o caminhar das permanências autoritárias em instituições de aplicação de medidas socioeducativas, como o DEGASE/RJ.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Gualberto, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Bacharel em Direito pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (FND/UFRJ). E-mail: gualberto1802@gmail.com

Publicado
2022-07-27
Métricas
  • Visualizações do Artigo 98
  • pdf downloads: 73
Como Citar
SARDINHA MARCOLINO, D.; GUALBERTO, I. O O microfascismo de Félix Guattari e reflexões criminológicas das permanências autoritárias no DEGASE/RJ. Anãnsi: Revista de Filosofia, v. 3, n. 1, p. 168-180, 27 jul. 2022.