(Des)epistemologizar a clínica: o reconhecimento de uma ciência guiada pelo pensamento cisgênero

Sofia Ricardo Favero

Resumo


Este artigo busca refletir acerca da despatologização das identidades trans e travestis, considerando que tais mobilizações têm sido direcionadas a pensar o indivíduo que vai à clínica, mas não as epistemologias que sustentam a psicologia. Por essa via, resgata a parcialidade feminista para apostar nas autobiografias trans como modos de produção de agenciamento. Pretende, portanto, guiar a clínica em direção a éticas outras, capazes de questionar o pensamento nosológico atravessado pela cisgeneridade na condução de uma terapêutica pajubariana.


Palavras-chave


clínica; autobiografia; travestis; epistemologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ANZALDUA, Gloria. La conciencia de la mestiza: rumo a uma nova consciência. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 13, n. 3, p. 704-719, Dec. 2005. Disponível em: . Acessado em: 15 set. 2019.

ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE PSIQUIATRIA. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. DSM-5. 5.ed. Washington, DC: APA, 2013.

BAIRROS, Luiza. Nossos Feminismos Revisitados. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 458, jan. 1995. Disponível em: . Acessado em: 30/03/2020.

BENEDETTI, Marcos. Toda feita: o corpo e o gênero das travestis. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

BRASIL. Portaria n° 2.803, de 19 de novembro de 2013. Redefine e amplia o Processo Transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 20 nov. 2013. Disponível em: . Acessado em: 10 set. 2019.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade; tradução Renato Aguiar. – 8ªed – Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015a.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Tradução de Rogério Bettoni. Belo Horizonte: Autêntica, 2015b.

CANGUILHEM, Georges. Conhecimento da vida. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: Ashoka Empreendedores. Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Ed, 2003. p. 117-132.

CRENSHAW, Kimberlé. Demarginalizing the Intersection of Race and Sex: a Black Feminist Critique of Antidicrimination Doctrine, Feminist Theory and Anti-racist Politics. University of Chicago Legal Forim, v. 1, p. 139-167, 1989.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Soc. estado., Brasília , v. 31, n. 1, p. 99-127, Apr. 2016. Disponível em: . Acessado em: 30 jan. 2020.

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA, RS. Nota Técnica do CRP-RS acerca da produção de documentos psicológicos em situações de alteração/adequação de nome no registro civil e de procedimentos de modificação corporal de pessoas transexuais e travestis. Disponível em: . Acessado em: 15 set. 2019.

DUMARESQ, Leila. Ensaio (travesti) sobre a escuta (cisgênera). Periódicus, v. 1, n. 5, p. 121–131, 2016. Disponível em: . Acessado em: 15 set. 2019.

DUMARESQ, Leila. O cisgênero existe, 2014. Disponível em: . Acessado em: 15 set. 2019.

EVARISTO, Conceição. Becos da memória. Belo Horizonte: Mazza, 2006.

FASSIN, Didier. Gobernar por los cuerpos, políticas de reconocimiento hacia los pobres y los inmigrantes en Francia. Cuadernos de Antropología Social, p. 48-78, 2003. Disponível em: . Acessado: 15 set. 2019.

FAVERO, Sofia; MACHADO, Paula. Diagnósticos benevolentes na infância: crianças trans e a suposta necessidade de um tratamento precoce. Revista Docência e Cibercultura, Rio de Janeiro, v. 3, p. 102-126, jan, 2019. Disponível em: . Acessado em: 10 set. 2019.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Soc. estado., Brasília, v. 31, n. 1, p. 25-49, Abr. 2016. Disponível em: . Acessado em: 115 set. 2019.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, (5), 7-41, 1995. Disponível em: . Acessado em: 10 out. 2019.

HARAWAY, Donna. Staying with the Trouble: Making Kin in the Chthulucene. Durham, NC: Duke University Press, 2016.

LATOUR, Bruno. Reflexão sobre o culto moderno dos deuses fe(i)tiches. Bauru, SP: EDUSC, 2002.

LIMA, Carlos. Linguagens pajubeyras: re(ex)istência cultural e subversão da heteronormatividade. Salvador: Devires, 2017.

MARACCI, João; FAVERO, Sofia; MACHADO, Paula. “Cada comprimido é uma reivindicação de posse”: ativismo e identidade no documentário Meu corpo é político. DOC ON-LINE, v. 25, p. 47-63, 2019. Disponível em: . Acessado em: 10 out. 2019.

NOGUEIRA, Conceição. Interseccionalidade e psicologia feminista. Salvador: Editora Devires, 2017.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Classificação internacional de doenças e problemas relacionados à saúde. Décima revisão. São Paulo: Centro Colaborador da OMS para a Classificação de Doenças em Português, 1993.

PRADO, Marco. Ambulare. Belo Horizonte (MG): PPGCOM UFMG, 2018.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte (MG): Letramento, 2017.

SCOTT, Joan. Experiência. In: SILVA, Alcione Leite; LAGO, Mara Coelho de Souza; RAMOS, Tânia Regina Oliveira (Orgs.). Falas de Gênero. Santa Catarina: Editora Mulheres, 1999. p. 1-23. Disponível em: . Acessado em: 10 out. 2019.

SEVERI, Carlo. Cosmologia, crise e paradoxo: da imagem de homens e mulheres brancos na tradição Xamânica Kuna. Mana, Rio de Janeiro , v. 6, n. 1, p. 121-155, Apr. 2000. Disponível em: . Acessado em: 10 out. 2019.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar?. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

STP. Stop Trans Pathologization. Disponível em: . Acessado em 10 de setembro de 2019.

VERGUEIRO, Viviane. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. Salvador. 2016, 243p. Dissertação. Mestrado em Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2020.v5.n13.p403-418

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: 

 

 

Portal SEER

Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica - RBPAB - Qualis A4 Educação

 A Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica é publicada sob a licença Creative Commons de  Atribuição-NãoComercial CC BY-NC

  Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0