COGNOTECA:UMA ALTERNATIVA PARA O EXERCÍCIO DE HABILIDADES COGNITIVAS, EMOCIONAIS E SOCIAIS NO CONTEXTO ESCOLAR

Daniela Karine Ramos

Resumo


A cognoteca reúne um acervo de materiais e jogos que exercitam habilidades emocionais, cognitivas e sociais. A cognoteca inserida no contexto escolar permite a proposição
de atividades curriculares e extracurriculares, contribuindo para fortalecer o enfoque globalizador de educação. Os jogos cognitivos são um conjunto de jogos variados que trabalham aspectos cognitivos, propondo a intersecção entre os conceitos de jogos, diversão e cognição. Considerando esses recursos, neste trabalho temos o objetivo de apresentar os jogos cognitivos como recurso didático ao exercício de habilidades
cognitivas, emocionais e sociais no contexto escolar. O estudo realizado caracteriza-se como exploratório e foi realizado no Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Santa Catarina, a partir da proposição de atividades na cognoteca e observações
realizadas no atendimento de turmas e alunos do Ensino Fundamental com crianças de 6 a 10 anos. A partir disso, descrevemos três diferentes formatos de atividades com jogos
cognitivos e apontamos algumas contribuições à aprendizagem. Ao mesmo tempo em que apresentamos algumas possibilidades pedagógicas, destacando aspectos relacionados ao Planejamen-to, aos recursos e à organização do espaço no contexto escolar.

Palavras-chave


Cognoteca; Habilidades cognitivas; Aprendizagem; Jogos cognitivos.

Texto completo:

PDF

Referências


AAMODT, Sandra. WANG, Sam. Bem-vindo ao cérebro do seu filho: como a mente se desenvolve desde a concepção até a faculdade. São Paulo: Cultrix, 2013.

BOOT, W. R. et al. The effects of video game playing on attention, memory, and executive control. Acta Psychologica, v. 129, n. 3, p. 387-398, nov. 2008.

COSENZA, R; GUERRA, L. B. Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Porto Alegre: Artmed, 2011.

ESCOLA DO CÉREBRO. 2013. Disponível em: . Acesso em: 14 dez. 2013.

FENG, J.; SPENCE, I.; PRATT, J. Playing an action video game reduces gender differences in spatial cognition.

Psychological Science, v. 18, n. 10, p. 850-855, Oct. 2007.

FRIEDBERG, Robert D.; MCCLURE, Jessica M. A prática clínica de terapia cognitiva com crianças e adolescentes. Porto Alegre: Artmed, 2004.

GATTI, B. A. Habilidades cognitivas e competências sociais. Laboratorio Latinoamericano de Evaluación de la calidad de la educación. Santiago: LLECE, OREALC/UNESCO:1997. Disponível em: <.Acesso em: 08 mar. 2013.

GENTILE, D. A. The multiple dimensions of video game effects. Child Development Perspectives, v. 5, n. 2, p.

-81, 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2011.

JOGOS COGNITIVOS. 2012. Disponível em: . Acesso em: 08 mar. 2012.

KIRRIEMUIR, J.; MCFARLANE, A. E. Literature review in games and learning. Bristol: Futurelab, 2004.

Disponível em: . Acesso em: 9 ago. 2012.

KISHIMOTO, Tizuko. O jogo e a educação infantil. In: ______. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 5.

ed. São Paulo: Cortez, 2001.

LENT, Roberto. Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais de neurociência. São Paulo: Atheneu, 2005.

MATLIN, Margaret W. Psicologia cognitiva. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2004.

MCGONICAL, Jane. A realidade em jogo: porque os games nos tornam melhores e como eles podem mudar o mundo. São Paulo: Record, 2012.

OFICINA DO APRENDIZ. Jogos de tabuleiro. 2012. Disponível em: . Acesso em: 08 mar. 2012.

ODA, J. Y.; SANT’ANA, D. M. G.; CARVALHO, J. Plasticidade e regeneração funcional do sistema nervoso: contribuição ao estudo de revisão. Arquivo de Ciências da Saúde da Unipar, v. 6, n. 2, p. 171-176, 2002.

OEI, Adam C.; PATTERSON, Michael D. Enhancing cognition with video games: a multiple game training study. PLOS

ONE, v. 8, n. 3, Mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2013.

PIOLINO, Pascale; DESGRANGES, Béatrice; EUSTACHE, Francis. Lembrar é viver. Mente e Cérebro: Especial

Memória, São Paulo, n. 27, p. 12-17, 2011.

PRENSKY, M. Aprendizagem baseada em jogos digitais. São Paulo: SENAC, 2012.

______. Não me atrapalhe mãe, eu estou aprendendo. São Paulo: Phorte, 2010.

RAMOS, D. K. et al. Jogos e colaboração na escola: alternativas para o exercício de habilidades sociais. In: SEMINÁRIO AULAS CONECTADAS, 2., 2013, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UDESC, 2013.

RAMOS, Daniela Karine. Jogos cognitivos eletrônicos: contribuições à aprendizagem no contexto escolar. Ciências

& Cognição, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 19-32, 2013.

SEBER, Maria da Glória. A importância do jogo no desenvolvimento psicológico da criança. In: SEBER, Maria da Glória; LUÍS, Vera Lúcia. Psicologia do pré-escolar: uma visão construtivista. São Paulo: Moderna, 1997. p. 52-69.

SJS ARTEFATOS EM MADEIRA. Jogos de desafio. Disponível em: <. Acesso em: 06 dez. 2013.

SHIN, N. et al. Effects of game technology on elementary student learning in mathematics. British Journal of

Educational Technology, v. 43, n. 4, p. 540-560, July 2012.

VIGOTSKY, Lev. A formação social da mente: o desenvol-vimento dos processos psicológicos superiores. 3. ed.

São Paulo: Martins Fontes, 1989.

WANG, S.; AAMODT, S. Play, stress, and the learning brain. Cerebrum, September 24, 2012. Disponível em:

. Acesso em: 25 fev. 2013.

WINNICOTT, D. W. Por que as crianças brincam. In: ______. A criança e o seu mundo. 6. ed. Rio de Janeiro:

Guanabara Koogan, 1982. p. 161-165.




DOI: http://dx.doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2014.v23.n41.p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2358-0194

 Classificação Qualis CAPES:

 Educação - A2

  Indexadores:

       

      

   

      

 

  Localização dos Acessos:


 

  Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0