Sobrevivendo à fronteira: o Spanglish como estratégia de resistência na literatura chicana

  • Carla de Figueiredo Portilho Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Spanglish, Literatura chicana, Estratégias de resistência.

Resumo

O objetivo deste ensaio é discutir o uso do Spanglish na fronteira México-EUA como uma estratégia de resistência à
dominação da cultura hegemônica. Definido por Gloria Anzaldúa como uma língua que nasceu da necessidade dos
chicanos de se identificarem como comunidade étnica, o Spanglish é um aspecto cultural marcante da fronteira, por
meio do qual a cultura chicana tem reclamado o seu espaço ao longo do tempo. A mudança de códigos inerente ao
Spanglish, a alternância entre o inglês e o espanhol, significa, não uma divisão da comunidade chicana entre duas
culturas, mas sim uma opção política por uma descentralização de poder. Expressar-se nas duas línguas, para a comunidade chicana, equivale a retirar a língua hegemônica da sua posição central e buscar uma redistribuição mais
igualitária do poder.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla de Figueiredo Portilho, Universidade Federal Fluminense

Departamento de Letras Estrangeiras Modernas, Universidade Federal Fluminense. E-mail para contato:
carla_portilho@id.uff.br.

Publicado
2013-12-29
Métricas
  • Visualizações do Artigo 201
  • PDF downloads: 556
Edição
Seção
SEÇÃO LIVRE