O teatro do oprimido e A corda:

interfaces entre a estética teatral de Augusto Boal e a obra de Pepetela

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35499/tl.v16i2.14842

Resumo

Pretende-se, por meio deste artigo, investigar possibilidades de interfaces que entrelacem expressões literárias teatrais, mais exatamente o teatro do oprimido do diretor de teatro, dramaturgo e ensaísta Augusto Boal, e A corda, do autor angolano Pepetela. Em nosso percurso analítico, nos deteremos na proposta de Boal e em suas especificidades, mormente se encontrem contempladas nas obras Teatro do oprimido e outras poéticas políticas (1980) e Estética do oprimido (2009), com abordagem crítica e teórica dos conceitos dessa estética que almejava, por intermédio de técnicas teatrais e aspectos pedagógicos, sociais e políticos, fomentar a participação e o protagonismo da população nas questões sociais que vivenciavam. Analogamente, abordaremos a estrutura e a temática historiográfica da peça A Corda (1978), de Pepetela, que marca a passagem do autor africano do gênero romanesco para o teatral. A obra, inserida no contexto do período pós-independência, trata das questões políticas e da luta pelo poder em Angola. Propomo-nos a buscar evidências de pontos de convergências que se sobressaiam entre as duas expressões artísticas, nelas acedemos à ideia de sensibilização para os ideais sociopolíticos e o exercício do pensamento crítico no que tange à luta anticolonialista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Altair Sofientini Ciecoski, Unemat - PPGEL Tangará da Serra

Doutorando no Programa de Pos-graduação em estudos literários (PPGEL - Unemat -Tangará da Serra), possui graduação em Letras e especialização em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira pela Universidade Paranaense de Umuarama. É Mestre em Letras pelo Programa PPGLetras da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT- Sinop) com linha de pesquisa em Estudos literários. Integrante do grupo de pesquisa Estudos comparativos de literatura: tendências identitárias, diálogos regionais e vias discursivas (GECOLIT). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literaturas Africanas de Língua Portuguesa. Suas principais linhas de pesquisa são: identidade; história e ficção; nacionalismo e estudos pós-coloniais.

Referências

BOAL, Augusto. O teatro do oprimido e outras poéticas políticas. 6ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira Editora, 1991.

———— . A estética do oprimido. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

BOZ, Sidnei; SILVA, Agnaldo Rodrigues da. A Corda, de Pepetela: um retrato de angola pós-independência. Revista de estudos acadêmicos de Letras. Cáceres, v. 8, n. 2, 2015.

CARLSON, Marvin. Teorias do teatro: Estudo histórico-crítico, dos gregos à atualidade. Rio de Janeiro: Fundação Editora da UNESP, 1995.

CASTRO-POZO, T. As redes dos oprimidos: experiências populares de multiplicação teatral. São Paulo: Perspectiva, 2011.

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre o colonialismo. Florianópolis: Letras contemporâneas, 2010.

CHAVES, Rita. Pepetela: romance e utopia na história de Angola. Via atlântica, n. 2, jul. 1999.

LOPES, Geraldo Britto. Teatro do oprimido: uma construção periférica - épica. Dissertação. (Mestrado em Artes) – Universidade Federal Fluminense, Programa de Pós-Graduação em Artes, Estudos Contemporâneos das Artes. 2015.

MANFRINATE, Rosana; SATO, Michele; BELÉM, Ivan. O teatro como forma de atuação da educação ambiental para a emancipação política no quilombo de Mata Cavalo. Revista Olhar de professor, Ponta Grossa, v.14, n. 2, p. 337-350, 2011.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Tradução de Renata Santini. São Paulo: n.1 edições, 2018.

MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido do retrato do colonizador. 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2021.

PEPETELA. A corda. 2ª ed. Luanda: União dos Escritores Angolanos, 1980.

PERALTA, Elsa. A integração dos “retornados” na sociedade portuguesa: identidade, desidentificação e ocultação. Análise Social. Lisboa, n. 231, p. 310-337, 2019.

RODRIGUES, Márcia Regina. A dimensão pedagógica na dramaturgia de Pepetela. Revista Abril. Niterói, vol. 8, n° 17, 2° sem., dez. 2016.

ROUBINE, Jean-Jacques. Introdução às grandes teorias do teatro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.

TEIXEIRA, Tânia Márcia Baraúna. Dimensões sócio educativas do teatro do oprimido: Paulo Freire e Augusto Boal. 2007. Tese. (Doutorado em Educação e sociedade), Universidade Autônoma de Barcelona, 2007.

VALENTIM, Jorge Vicente. Com quantos nós se faz uma trama: ressonâncias do teatro do oprimido em A corda, de Pepetela. Via atlântica. São Paulo, n. 22, p. 71-85, dez/2012.

Downloads

Publicado

2022-12-21

Como Citar

CIECOSKI, A. S. O teatro do oprimido e A corda: : interfaces entre a estética teatral de Augusto Boal e a obra de Pepetela. Tabuleiro de Letras, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 120–129, 2022. DOI: 10.35499/tl.v16i2.14842. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/tabuleirodeletras/article/view/14842. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS