Marcas diassistemáticas em dicionários escolares do tipo 4:

um estudo metalexicográfico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35499/tl.v16i2.14788

Resumo

Neste trabalho, apresentamos o resultado de um estudo que teve como objetivo geral verificar como se dá o tratamento lexicográfico dado às marcas diassistemáticas em dois dicionários escolares de tipo 4, que foram selecionados no contexto do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD 2012), quais sejam: Bechara (2011) e Aulete (2011), como forma de enfatizar a importância desse tipo de registro em dicionários dessa tipologia. Para tanto, ao orientarmo-nos por princípios teóricos e metodológicos da Lexicografia e de uma de suas vertentes, a Lexicografia Pedagógica, estabelecemos os seguintes objetivos: i) realizar breve revisão bibliográfica sobre o conceito de marcas de uso, como forma de situar nosso objeto de análise; ii) verificar, na estrutura lexicográfica de cada obra, se há informações sobre as marcas diassistemáticas, assim como, no caso de positivo, se os registros possuem coerência entre si. As análises demonstraram que, por um lado, o dicionário Aulete (2011) possui uma maior quantidade de marcas diassistemáticas em relação ao Bechara (2011), o que demonstra ter havido um olhar mais atento a esse aspecto durante o labor lexicográfico; por outro, as reflexões apontam para a necessidade de mais pesquisas sobre o assunto, em especial sobre a problemática relacionada à representação diatópica nos dicionários

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Santos da Silva Bibo, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Câmpus de Três Lagoas/MS.

Renato Rodrigues Pereira, UFMS

Doutor em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP). Docente da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Curso de Letras Português/Espanhal; Programa de Pós-Graduação em Letras, mestrado e doutorado, Câmpus de Três Lagoas/MS (CPTL); Mestrado Profissional em Letras (CPTL); Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens (FAALC).

Referências

ALKIMIN, Tânia, Maria. Sociolinguística – Parte I. In.: MUSSALIM, F. & BENTES, (ed.) Introdução à Linguística. São Paulo : Cortez, 2001.
ALKMIM, T. M. Sociolinguística. In. MUSSALIM, F., BENTES, Anna Christina (Org.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras 3. ed. São Paulo: Cortez, 2003, p. 21-47.
ATKINS, Beryl; RUNDELL, Michael. The Oxford Guide to Practical Lexicography. New York: Oxford University Press, 2008.
AULETE, Caldas. Aulete Digital – Dicionário contemporâneo da língua portuguesa: Dicionário Caldas Aulete, vs online, acessado em 22 de Abril de 2022.
AZORÍN FERNANDEZ, Dolores. Las Marcas de Uso en los Diccionarios Monolingües Destinados a la Enseñanza de ELE. Universidad de Alicante. XX Congreso Internacional de la Asociación para la Enseñanza del Español como Lengua Extranjera (ASELE), 2009. Disponível em: file:///C:/Users/User/Downloads/Dialnet-ElEspanolEnContextosEspecificos-656095.pdf. Acesso em: 13 de julho de 2022.
BAGNO, Marcos. Não é errado falar assim! Em defesa do Português Brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.
BARROZO, A. T. AGUILERA, V. A. Sexo e Linguagem: Uma Análise a Partir das Sabatinas dos Ministros do Supremo tribunal Federal Joaquim Barbosa e Rosa Weber. In. Revista da ABRALIN, v.13, n.1, p. 13-38, jan./jun. 2014.
BECHARA, Evanildo. Dicionário da língua portuguesa Evanildo Bechara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.
BERTONHA, Fábio, Henrique de Carvalho. Marcas de uso em dicionários escolares tipo 2. Forum linguistic,. Florianópolis, v 17, n.3, p. 5004 – 5017. Jul./set, 2020.
BIDERMAN, M. T. C. As Ciências do Léxico. In: OLIVEIRA, A. M. P. P.; ISQUERDO, A. N. As Ciências do Léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. 2. ed. Campo Grande: Editora UFMS, 2001. p. 13-22.
BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. As ciências do léxico. In: ISQUERDO, Aparecida Negri, OLIVEIRA, Ana Maria Pinto Pires. As ciências do léxico: lexicografia, lexicologia, terminologia. Campo Grande: Editora da UFMS, 1998, p. 11-20.
BIDERMAN, M. T. C. Unidades complexas do léxico. In: RIO-TORTO, G. et al.(org.) Estudos em homenagem ao Professor Doutor Mário Vilela. Vol. 2. Porto (Portugal): Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2005. p. 747-757.
BORBA, F. S. Organização de dicionários: uma introdução à Lexicografia. São Paulo, UNESP, 2003.
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica Com direito à palavra: dicionários em sala de aula / [elaboração Egon Rangel]. – Brasília : Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2012.
BURKHANOV, Igor. Lexicography: A Dictionary of Basic Terminology. 1998, 285 pp. ISBN 83-87288-56-X. Rzeszów: Wyższa Szkoła Pedagogiczna. Price 16 PLN.
COSERIU, Eugenio. Princípios de semántica estructural. Madrid: Editorial Gredos, 1981, p. 210-242.
DICTIONNAIRES LE ROBERT. Le Petit Robert 1. Paris: Dictionnaires Le Robert. (1991).
ERES FERNÁNDEZ, Gretel. Entre enfoques y métodos: algunas relaciones (in)coherentes en la enseñanza de español lengua extranjera. In.: BARROS, Cristiano Silva de; COSTA, Elzimar Goettenauer de Marins. Espanhol: ensino médio. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2010.
FARJADO AGUIRRE, Alejandro. Palabras anticuadas y palabras nuevas en el diccionario: problemas de marcación diacrónica en la lexicografía española. Revista de Filología de la Universidad de La Laguna, nº 15, 1997, págs. 51-57.
GERMAIN, Claude. [1981] La semántica funcional. Versión española de José Antonio Mayoral. Madrid: Editorial Gredos, 1986, p. 37-99.
MARTÍNEZ, Marcos. Definición del concepto campo em semántica: antes y después de la lexemática de E. Coseriu. Odisea, nº 3, 2003, p. 101-130. Disponible em: http://ojs.ual.es/ojs/index.php/ODISEA/article/view/84/75. Acceso em: 30 de abril de 2022.
MOLINA GARCÍA. Fraseología Bilingüe: un enfoque lexicográfico-pedagógico. Granada: Comares, 2006.
MORANTE VALLEJO, R. El desarrollo del conocimiento léxico en segundas lenguas. Madrid: Arco Libros, S.L., 2005.
NASCIMENTO, Ivan Pedro Santos. Marcas de uso em dicionários dialetais brasileiros do século xx. Revista Philologus, Ano 27, n. 79 Supl., Rio de Janeiro: CiFEFiL, jan./abr.2021.
PORTO DAPENA, J. Á. Manual de técnica lexicográfica. Madrid: Gredos, 2002.
REY, Luís - Dicionário de termos técnicos de medicina e saúde. 2ª edição. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2003. 950p. ilus. ISBN 85-277-0848-5.
REY, Luís - Dicionário de termos técnicos de medicina e saúde. 2ª edição. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2003. 950p. ilus. ISBN 85-277-0848-
SAPIR, Edward. A Linguística como ciência. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1969.
SANTOS, H. L. G. dos; PONTES, A. L.; PRAXEDES FILHO, P. H. L. Marcas de uso e redes medioestruturais de verbetes sobre homossexual masculino em dicionários escolares. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 12, n. 4, p. 2384–2410, 2019. DOI: 10.14393/DL36-v12n4a2018-17. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/41313. Acesso em: 12 jul. 2022.
SANTOS GARGALLO, I. Lingüística aplicada a la enseñanza-aprendizaje del español como lengua extranjera. Cuadernos de Didácticas del español/LE. Madrid: Arco/Libros, S.L., 2017.

STREHLER, R. G. As marcas de uso nos dicionários. In: OLIVEIRA, A. M. P.;ISQUERDO, A. N. (org.). As ciências do léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. Campo Grande: Editora UFMS, 1998. p. 171-180.
VILARINHO, M. M. de O. Marcas de uso: estudo e proposta. Cadernos de Estudos Lingüísticos, v.59, n2, p.375-396, Campinas-sp, 2017.
WELKER, H. Dicionários – uma pequena introdução à lexicografia. Brasilia: Thesaurus, 2004.
WELKER, H. A. Panorama geral da lexicografia pedagógica. Brasília: Thesaurus, 2008a.

Downloads

Publicado

2022-12-21

Como Citar

BIBO, L. S. da S. .; RODRIGUES PEREIRA, R. Marcas diassistemáticas em dicionários escolares do tipo 4:: um estudo metalexicográfico. Tabuleiro de Letras, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 59–77, 2022. DOI: 10.35499/tl.v16i2.14788. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/tabuleirodeletras/article/view/14788. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS