O silenciamento das mulheres em "A pequena sereia", de Hans Christian Andersen, e "Uma voz entre os arbustos", de Marina Colasanti

Resumo

Resumo:

Este artigo objetiva analisar o silenciamento feminino representado no conto de fadas tradicional “A Pequena Sereia”, de Hans Christian Andersen, publicado inicialmente em 1837, em comparação com o conto de fadas moderno “Uma voz entre os arbustos”, de Marina Colasanti, publicado pela primeira vez em 1992. Neles, é possível estudar como a sociedade patriarcal mantém as mulheres no espaço privado, enquanto aos homens pertence o espaço público. Assim, limitadas à esfera doméstica por muito tempo, as mulheres não podiam se expressar, discursar ou escrever publicamente, uma vez que essas eram consideradas atividades masculinas. Nesse contexto, o silêncio das mulheres era uma forma de mantê-las submissas aos homens. Desse modo, comparamos esses dois contos de fadas a fim de identificar os sentidos do silêncio das protagonistas produzidos em momentos históricos diferentes: romantismo e contemporaneidade. Para isso, adotamos conceitos da teoria feminista de gênero, conforme autoras como Mary Del Priore (2020), Chimamanda Ngozi Adichie (2015), Adriana Piscitelli (2009), Heleieth Saffioti (2004); a ideia de poder segundo Michel Foucault (2011), e conceitos sobre os contos de fadas de acordo com Luís da Câmara Cascudo (2012), Mariza Mendes (2000), Nelly Novaes Coelho (1991), entre outros.

Palavras-chave: Patriarcado; Mulheres; Silenciamento; Contos de fadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cinthia Freitas de Souza, UNIMONTES

Mestra em Letras/Estudos Literários pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Graduada em Letras/Português pela mesma instituição. Trabalha especialmente com literatura escrita por mulheres, literatura infantojuvenil, Marina Colasanti, teoria feminista do gênero and fairy tales. Atualmente é professora de Português e Literatura na rede pública de ensino em Minas Gerais. 

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feministas. Tradução de Chritina Baum. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

ANDERSEN, Hans Christian. A pequena sereia. In: CONTOS de fadas de Perrault, Grimm, Andersen & outros. Ana Maria Machado (Apresentação). Trad. Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2010. p. 209-246.

BLANC, Cláudio. Guia da mitologia grega. São Paulo: Online, 2014. p. 5-24.

BLOCH, R. Howard. Misoginia medieval e a invenção do amor romântico ocidental. Tradução de Cláudia Moraes. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

CASCUDO, Luís da Câmara. Literatura oral no Brasil. São Paulo: Global, 2012. p. 308-310.

COELHO, Nelly Novaes. O conto de fadas. 2. ed. São Paulo: Ática, 1991.

COLASANTI, Marina. Longe como meu querer. São Paulo: Ática, 1997. Entrevista concedida à Editora Ática.

COLASANTI, Marina. Aos sofistas, a culpa. In: COLASANTI, Marina. Fragatas para terras distantes. Rio de Janeiro: Record, 2004. p. 57-64.

COLASANTI, Marina. Entre a espada e a rosa. São Paulo: Melhoramentos, 2009. p. 42-49.

DARNTON, Robert. O grande massacre dos gatos e outros episódios da história cultural francesa. Tradução de Sonia Coutinho. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

DEL PRIORE, Mary. Sobrevivente e guerreiras: uma breve história da mulher no Brasil de 1500 a 2000. São Paulo: Planeta, 2020.

ENGELS, Friedrich. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. Tradução de Leandro Konder. 7. ed. Rio de Janeiro, 1891/2021.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2011. v. 1

FREITAS, Zilda de Oliveira. A literatura de autoria feminina. In: FERREIRA, Silvia Lícia; NASCIMENTO, Enilda Rosendo (Org.) Imagens da mulher na cultura contemporânea. Salvador: NEIM/UFBA, 2002.

MACHADO, Ana Maria (Apresentação). Um eterno encantamento. In: CONTOS de fadas de Perrault, Grimm, Andersen & outros. Tradução de Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2010. p. 7-13.

MENDES, Mariza B. T. Em busca dos contos perdidos: o significado das funções femininas nos contos de Perrault. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

PISCITELLI, Adriana. Gênero: a história de um conceito. In: ALMEIDA, Heloísa Buarque de; SZWAKO, José (Org.) Diferenças, igualdades. São Paulo: Berlendis & Vertecchia, 2009. p. 116-148.

REIF, Laura. Radical liberal, interseccional.... Conheça as principais vertentes do feminismo. Revista AzMina on-line, 15 out. 2019. Disponível em: https://azmina.com.br/reportagens/radical-liberal-interseccional-conhecas-as-principais-vertentes-do-feminismo/. Acesso em: 24 jun. 2021.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004. p. 44-47.

SOUZA, Wanessa Zanon. Representações da mulher em obras de Helena Parente Cunha, Lygia Fagundes Telles e Marina Colasanti. 96 f. Dissertação (Letras Vernáculas) – Faculdade de Letas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: < http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=166714>. Acesso em: 25 maio 2014.

YOUSAFZAI, Malala. Eu sou Malala: a história da garota que defendeu o direito à educação e foi baleada pelo Talibã. Com Christina Lamb. Tradução de Caroline Chang et al. São Paulo: Companhia das Letras, 2013. 342 p.

ZIOLKOWSKI, Jan M. A fairy tale from before fairy tales: Egbert of Liège’s “De puella a lupellis seruala” and the Medieval background of “Little red Riding hood”. Sepeculum, vol. 67, n. 3, jul. 1992, p. 549-575. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2015.
Publicado
2022-06-23
Métricas
  • Visualizações do Artigo 182
  • PDF downloads: 207
Como Citar
FREITAS DE SOUZA, C. O silenciamento das mulheres em "A pequena sereia", de Hans Christian Andersen, e "Uma voz entre os arbustos&quot;, de Marina Colasanti. Tabuleiro de Letras, v. 16, n. 1, p. 181-196, 23 jun. 2022.
Seção
ARTIGOS