Erico Verissimo: história da literatura ou ficção?

  • Ângela Maria Garcia dos Santos Silva Ângela Maria Garcia dos Santos Silva cursa Doutorado em Letras no Programa de Pós-Graduação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Resumo

Neste artigo, defendemos que a Breve História da Literatura Brasileira, de Erico Verissimo, é antes uma ficção do que uma história da literatura e não pode, portanto, ser classificada como tal. Para sustentarmos nossa afirmação, analisamos a obra do escritor gaúcho a partir da teoria proposta por David Perkins em seu estudo História da Literatura e Narração em que indica os elementos essenciais da narrativa para se produzir uma boa história da literatura, quais sejam: citação de fontes, narração em 3ª pessoa, clareza de objetivos, eleição de um herói, enredo da história dentro de espaço e tempo arbitrários, e argumentos com os quais o historiador deve convencer, persuadir o leitor. Depois de examinarmos cada um deles destacando passagens do texto de Verissimo que são contrárias a alguns desses itens, constatamos, por exemplo, que a falta de comprovação de dados e as intromissões que faz no texto constantemente permitindo-se, inclusive, conversar com o público/leitor, fazer comentários e contar histórias pessoais de sua infância e adolescência, denunciam a sua falta de talento para historiador e mostram claramente que se comporta como um ficcionista em todos os capítulos. Mas isso o próprio escritor explica, pois segundo suas palavras, é apenas um contador de histórias confirmando, ele mesmo, a sua falta de jeito para o texto científico objetivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ângela Maria Garcia dos Santos Silva, Ângela Maria Garcia dos Santos Silva cursa Doutorado em Letras no Programa de Pós-Graduação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Ângela Maria Garcia dos Santos Silva cursa Doutorado em Letras no Programa de Pós-Graduação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Publicado
2012-12-05
Métricas
  • Visualizações do Artigo 201
  • PDF downloads: 230