Da entrevista oral à entrevista escrita: uma proposta de sequência didática na perspectiva da pedagogia culturalmente sensível

  • Gabriele Cristine Carvalho Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG)
  • José Manoel Siqueira da Silva Universidade Federal de Sergipe (UFS) e Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) https://orcid.org/0000-0002-5928-3450
  • Victor Renê Andrade Souza Universidade Federal de Sergipe (UFS) e Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) https://orcid.org/0000-0003-0392-2839

Resumo

Um dos desafios do ensino de português como língua materna é o de articular as práticas de linguagem preconizadas nos documentos oficiais (leitura, produção de texto, oralidade e análise linguística/semiótica) de modo contextualizado e significativo para o aluno. Neste texto, apresentamos uma proposta de sequência didática baseada nos pressupostos teórico-metodológicos de Dolz, Noverraz e Shneuwly (2004), na perspectiva da pedagogia culturalmente sensível (ERICKSON, 1987; BORTONI-RICARDO, 2003) e nas orientações da Base Nacional Comum Curricular (BRASIL, 2017). Propomos uma sequência didática relacionada aos impactos da pandemia de Covid-19 no mundo do trabalho à medida em que são desenvolvidas habilidades relativas ao componente curricular Língua Portuguesa, especificamente a relação entre oralidade e escrita, a partir da retextualização de entrevistas orais para a modalidade escrita. Apresentamos, detalhadamente, a sequência didática e analisamos sua aplicação em uma turma de 7° ano do Ensino Fundamental da rede municipal de Água Branca, no interior do estado de Alagoas, durante a pandemia de Covid-19. A partir disso, evidenciamos a produtividade da proposta e apontamos para a possibilidade de replicação em outros contextos educacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Manoel Siqueira da Silva, Universidade Federal de Sergipe (UFS) e Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG)

Doutorando em Estudos Linguísticos pelo Programa de Pós-graduação em Letras (PPGL) da Universidade Federal de Sergipe (UFS), mestre em Estudos Linguísticos pelo mesmo programa (PPGL/UFS) e pós-graduando em Docência com ênfase na Educação Básica pelo Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG).Tem interesse na área de Sociolinguística – com ênfase em aspectos morfossintáticos, semântico-pragmáticos, contatos linguísticos, mobilidade, variação e ensino de língua materna – e em processamento da variação nos níveis gramaticais mais altos.

Victor Renê Andrade Souza, Universidade Federal de Sergipe (UFS) e Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG)

Mestrando em Estudos Linguísticos pelo Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Sergipe (PPGL/UFS). Graduado em Letras Português pela mesma instituição (2019). Pós-graduando em Docência com ênfase na Educação Básica pelo Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG). Tem se dedicado a estudos descritivos voltados a fenômenos linguísticos na perspectiva da produção, percepção e processamento linguístico. Tem interesse nas seguintes áreas: Sociolinguística Variacionista, Processamento Linguístico e Ensino de Língua Portuguesa.

Referências

AZEVEDO, Isabel Cristina Michelan de; FREITAG, Raquel Meister Ko. Registros de Práticas Pedagógicas: o potencial do caderno pedagógico e do módulo didático. 1. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2020.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Processos interativos em sala de aula e a pedagogia culturalmente sensível. Polifonia, Cuiabá, v. 7, n. 07, 2003. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/1141/905 . Acesso em: 27 jan. 2022.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Um modelo para análise sociolinguística do português brasileiro. In: Nós cheguemu na escola, e agora? Sociolinguística e educação. São Paulo: Parábola editorial, 2005. p. 39-52.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf . Acesso em: 21 maio 2020.

BRASIL. As Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70320/65.pdf . Acesso em: 14 dez. 2021.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1998.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J.; e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. Organização de R. H. R Rojo. Campinas: Mercado de Letras, 2004. p.95-128.

ERICKSON, Frederick. Transformation and school success: The politics and culture of educational achievement. Anthropology & education quarterly, v. 18, n. 4, p. 335-356, 1987. DOI: https://doi.org/10.1525/aeq.1987.18.4.04x0023w. Disponível em: https://anthrosource.onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1525/aeq.1987.18.4.04x0023w . Acesso em 27 jan. 2022.

FREITAG, Raquel Meister Ko. Banco de dados falares sergipanos. Working Papers em Linguística, Florianópolis, v. 13, n. 2, p. 156-164, abr./jul., 2013. DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8420.2013v14n2p156. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/workingpapers/article/view/1984-8420.2013v14n2p156 . Acesso em: 27 jan. 2022.

FREITAG, Raquel Meister Ko. A mudança linguística, a gramática e a escola. Revista PerCursos, Florianópolis, v. 18, n. 37, p. 63-91, maio/ago., 2017. DOI: https://doi.org/10.5965/1984724618372017063. Disponível em: https://www.periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/1984724618372017063 . Acesso em: 27 jan. 2022.

FURST, Mariana Samos Bicalho Costa. O tratamento da oralidade em sala de aula. 2014. 244 f. Tese (doutorado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Letras, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/MGSS-9PHPQK . Acesso em: 27 jan. 2022.

GRUPO NOVA LONDRES. Uma Pedagogia dos Multiletramentos: Projetando Futuros Sociais. Tradução de Deise Nancy de Morais, Gabriela Claudino Grande, Rafaela Salemme Bolsarin Biazotti, Roziane Keila Grando. Revista Linguagem em Foco, v. 13, n. 2, p. 101-145, 2021. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/linguagemem-foco/article/view/5578 . Acesso em: jan. 2022.

KLEIMAN, Angela B. Preciso “ensinar” o letramento? Não basta ensinar a ler e a escrever? São Paulo: UNICAMP, 2005.

NEGREIROS, Gil; VILAS BOAS, Gislaine. A oralidade na escola: um (longo) percurso a ser trilhado. Letras, Santa Maria, v. 54, n. 54, p. 115-126, 2017. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Gil-Negreiros-2/publication/320440030_A_oralidade_na_escola_um_longo_percurso_a_ser_trilhado/links/5be1f692299bf1124fbf20b8/A-oralidade-na-escola-um-longo-percurso-a-ser-trilhado.pdf . Acesso em: 27 jan. 2022.

MARCUSHI, Luiz Antônio. O tratamento da oralidade nos PCN de língua portuguesa de 5ª a 8ª séries. Scripta, v. 2, n. 4, p. 114-129, 1999. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6180966 . Acesso em: 27 jan. 2022.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2001.

MARCUSCHI, Luiz Antônio; DIONISIO, Angela Paiva. Fala e escrita. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita – atividades de retextualização. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

RIBEIRO, Ana Elisa. Textos multimodais: leitura e produção. São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

ROJO, Roxane; MOURA, Eduardo (Org.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica,1998.
Publicado
2022-06-23
Métricas
  • Visualizações do Artigo 303
  • PDF downloads: 258
Como Citar
CARVALHO, G. C.; SILVA, J. M. S. DA; SOUZA, V. R. A. Da entrevista oral à entrevista escrita: uma proposta de sequência didática na perspectiva da pedagogia culturalmente sensível . Tabuleiro de Letras, v. 16, n. 1, p. 73-93, 23 jun. 2022.
Seção
ARTIGOS