Crenças e atitudes linguísticas de professores do ensino médio sobre a retomada anafórica de terceira pessoa

Resumo

Este trabalho objetivou verificar crenças e atitudes linguísticas de professores de língua portuguesa do ensino médio de uma escola pública de Salvador, Bahia, Brasil, no tocante às convenções linguísticas institucionalizadas, de modo a compreender a valorização ou a rejeição das variedades da língua em uso e refletir sobre o ensino de língua portuguesa materna. A pesquisa norteou-se na abordagem teórica da Sociolinguística (WEINREICH; LABOV; HERZOG, 2006 [1968]; LABOV, 2008 [1972]; GÓMEZ MOLINA, 1998; MORENO FERNÁNDEZ, 2008), optando pela análise qualitativa e descritiva, a partir de testes de atitudes de abordagem direta. Esses testes revelaram crenças dos professores na superioridade da norma padrão e na dualidade certo/ errado, negando a variabilidade própria das línguas. Percebemos que as crenças sobre a língua portuguesa guiam as atitudes dos professores que, ao avaliar textos de alunos, os consideram insuficientes e cheios de erros por não atingirem um ideal de língua. Os docentes também demonstraram conhecimento da diversidade linguística, de gêneros textuais e da tipologia dissertativo-argumentativa. Observamos que enquanto o ensino tradicional tem metodologia clara, considerar a diversidade linguística exige metodologias diversas, o que depende da formação de professores pesquisadores autônomos, que ressignificam seu fazer docente na indissociabilidade da teoria e da prática pedagógica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claúdia Norete Novais Luz, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Doutoranda em Estudo de Linguagens pela Universidade do Estado da Bahia. Mestre em Estudos de Linguagens pela Universidade do Estado da Bahia (2009), título da dissertação "Velejando nas águas da retomada anafórica do objeto direto anafórico: um cruzeiro na fala de Salvador". Possui graduação em Licenciatura em Letras pelo Centro Universitário Jorge Amado (2006). Atuou como professora no Centro Universitário Jorge Amado de 2010 até 2021, sendo vinculada ao curso de Letras, ministrando aulas das disciplinas Relações Sintáticas, Morfologia, Fonética e Fonologia da Língua Portuguesa, Semântica, Tópicos em Língua Portuguesa e, também de Produção Textual. Também atua na Rede Pública Estadual da Bahia como professora de Língua Portuguesa, Redação e Língua Espanhola, concursada desde 1991. Foi professora substituta pela Universidade do Estado da Bahia em Itaberaba, ministrando aulas de Sintaxe e Morfologia da Língua Portuguesa. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Sociolinguística e Dialetologia, atuando principalmente nos seguintes temas: variação e mudança linguística, objeto direto, clítico acusativo, pronome lexical e sociolinguística.

 

Sandra Carneiro de Oliveira, UFBA

Sandra Carneiro de Oliveira é doutora em Língua e cultura pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), mestre em Estudo de linguagens pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), especialista em Estudos linguísticos e literários pela Faculdade de Ciências da Bahia (FACIBA) e licenciada em Letras pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). É professora da área de estágio supervisionado em língua portuguesa nos cursos de licenciatura em Letras na Faculdade de Educação da UFBA. Foi professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA), professora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), professora da UFBA/Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB), professora visitante da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) e professora da Educação Básica no município de Santaluz, BA. Tem experiência nas áreas de Sociolinguística, Estágio Supervisionado e Ensino de Língua Portuguesa. Participa do Grupo de Pesquisa Fala e Contexto no Português Brasileiro (GconPort - UNEB), do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação e Linguagem (GELING - UFBA) e do Grupo de Estudo, Pesquisa e Ensino de Línguas (GEPELIN - UFOB). Coordena com Fátima Aparecida de Souza o Grupo de Extensão Ensino de Língua Portuguesa na Educação Básica: concepções e práticas - GEELP.



Referências

AGUILERA, Vanderci de Andrade. Crenças e atitudes linguísticas: quem fala a língua brasileira? In: Roncarati, Cláudia; Abraçado, Jussara. (Org.). Português brasileiro II: contato linguístico, heterogeneidade e história. 1. ed. Niterói: Editora Federal Fluminense, 2008.

ALMEIDA, Jaqueline Macedo; ALMEIDA, Norma Lucia F. de. O objeto direto anafórico no dialeto culto de Feira de Santana. In: XVI Seminário de Iniciação Científica da UEFS: Sustentabilidade, economia verde e erradicação da pobreza. Feira de Santana. Anais…, de 16 a 19 de outubro de 2012. v. 1. p. 88-91.

BARBOSA, J. B.; GHESSI, R. R. Atitudes linguísticas e o ensino de língua portuguesa: uma reflexão sociolinguística. Tabuleiro de Letras, v. 13, p. 69-91, 2019.

BARCELOS, Ana Maria Ferreira. Reflexões acerca da mudança de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte - UFMG, v. 7, n. 2, 2007, p. 109-138.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004.

BORTONI-RICARDO, S. M. Nós cheguemu na escola, e agora? Sociolinguística e educação. São Paulo: Parábola, 2005.

BOTASSINI, Jacqueline Ortelan Maia. A importância dos estudos de crenças e atitudes para a sociolinguística. SIGNUM: Estud. Ling., Londrina, n. 18/1, p. 102-131, jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 27 dez. 2021.

BRASIL. República Federativa do Brasil. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP. Diretoria de Avaliação da Educação Básica - DAEB. Cartilha do participante. A redação do ENEM 2020. Brasília - DF: Inep/MEC,2020. Disponível em: . Acesso em: 7 jan. 2022.

CARNEIRO, Sandra.“Se eu falar você, painho me mata”! tratamento entre pais e filhos em Salvador. Tese (Doutorado em Língua e Cultura). Universidade Federal da Bahia. Salvador: UFBA, 2014. 426f. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2022.

CYRANKA, L. F. M. Atitudes linguísticas de alunos de escolas públicas de Juiz de Fora–MG. 2007. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Letras, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2007.

DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia. Variação e sintaxe: clítico acusativo, pronome lexical e categoria vazia no português do Brasil. Dissertação de Mestrado. São Paulo 1986.

DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia. Clítico acusativo, pronome lexical e categoria vazia no português do Brasil. In: TARALLO, Fernando. (Org.) Fotografias sociolinguísticas. Campinas: UNICAMP/Pontes, 1989. p.19-33.

FARACO, C. A. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo Editorial, 2008.

GHESSI, Rafaela Regina; BERLINCK, Rosane de Andrade. Avaliação, atitudes, crenças linguísticas e o ensino de língua portuguesa: uma reflexão a partir de testes com professores de ensino médio. Revista EntreLínguas, Araraquara, v. 6, n. 1, p. 108-122, jan./jun., 2020. Disponível em: . Acesso em: 06 jan. 2022.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GÓMEZ MOLINA, José R. Actitudes lingüísticas en una comunidad bilingüe y multilectal. València: Facultat de Filologia, Universitat de València, 1998.
Disponível em: . Acesso em: 29 dez. 2021.

HOOKS, Bell. Linguagem: ensinar novas paisagens/novas linguagens. Estudos Feministas. [online]. vol.16, n.3, pp. 857-864, 2008.

KOCH, Ingedore Villaça; ELIAS, Vanda Maria. Ler e escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto, 2009.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. Trad. de M. Bagno; M. M. P. Scherre; C. R. Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008 [1972].

LAMBERT, William Wilson; LAMBERT, Wallace Earl. O significado Social das atitudes. Psicologia Social. Tradução: Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1972.

LIMA, Monique Débora Alves de Oliveira. A representação do acusativo anafórico de terceira pessoa em contexto escolar: diagnose e proposta. Revista Tabuleiro de Letras, v. 15, n. 02, p. 87-107, jul./dez. 2021. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2021.

LOUREIRO-RODRIGUEZ, Veronica; BOGGESS, May M.; GOLDSMITHC, Anne. Language attitudes in Galicia: using the matched-guise test among high school students. Journal of Multilingual and Multicultural Development, p. 1-18, 2012.
Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2013.

LUZ, Cláudia Norete Novais. Um cruzeiro na fala de Salvador: a retomada anafórica do objeto direto de terceira pessoa. In: Anais… VI Congresso Internacional da Abralin. João Pessoa: Idéia, 2009a, p. 760-769. Disponível em: . Acesso em: 23 dez. 2021.

LUZ, Cláudia Norete Novais. Velejando sobre as águas da retomada anafórica do objeto direto: um cruzeiro na fala em Salvador. Dissertação (Mestrado em Estudo da Linguagem). Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2009b.

MALVAR, Elisabete da Silva. A realização do objeto direto de terceira pessoa em cadeia anafórica no português do Brasil. Dissertação de Mestrado. Brasília: UNB, 1992.

MEYERHOFF, Miriam. Language attitudes. In: ______. Introducing Sociolinguistics. London; New York: Routledge, 2006. p. 54-80.

MORENO FERNÁNDEZ, Francisco. Actitudes lingüísticas. In: ______. Principios de sociolingüística y sociología del lenguaje. 4. ed. Barcelona: Ariel, 2008. p. 177-190.

OLIVIERI, Antonio Carlos. Educação. Banco de redações. Qualificação e o futuro do emprego. Redações corrigidas. Fev. / 2020. UOL. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2021.

OSGOOD, C. E.; SUCI, G. I.; TANNENBAUM, P. H. The measurement of meaning. Illinois: University of Illinois Press, 1957.

PICKENS, Jeffrey. Perceptions and Attitudes of Individuals. In: N. Borkowski (Eds.). Organizational Behavior in Health Care. NY: Jones & Barlett Publishing/AJN, American Journal of Nursing: v. 106(1), p. 51-57, January 2006.

POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras: Associação de Leitura do Brasil, 1996.

ROSSI, João Carlos; CASAGRANDE, Sabrina;O objeto direto anafórico em português brasileiro: comparação entre dados de aquisição e de aprendizagem. Revista de Estudos Acadêmicos de Letras, [S. l.], v. 11, n. 01, p. 47–62, 2018. Disponível em: . Acesso em: 23 dez. 2021.

WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin I. Fundamentos empíricos para uma teoria da Mudança linguística. Tradução de Marcos Bagno. 2. ed. São Paulo, Parábola, 2006 [1968].
Publicado
2022-06-23
Métricas
  • Visualizações do Artigo 150
  • PDF downloads: 117
Como Citar
LUZ, C. N. N.; CARNEIRO DE OLIVEIRA, S. Crenças e atitudes linguísticas de professores do ensino médio sobre a retomada anafórica de terceira pessoa. Tabuleiro de Letras, v. 16, n. 1, p. 127-145, 23 jun. 2022.
Seção
ARTIGOS