Frames em narrativa de boletim de ocorrência: uma análise a partir da Linguística Cognitiva

  • Tiago Rodrigues UFPB

Resumo

Este artigo analisa a narrativa construída em um boletim de ocorrência (BO) que trata de um suposto delito cometido por três pessoas em situação de rua (PSR), buscando compreender como se dá a construção de frames (LAKOFF, 2000; FILMORE, 1982; DANCYGIER, 2012) em torno dos personagens Guarda Civil Metropolitana (GCM) e pessoas em situação de rua (PSR). Para tanto, trazemos à baila conceitos do funcionalismo norte-americano, como estrutura argumental e valência, os quais auxiliam no entendimento das estratégias de posicionar um determinado participante de modo mais central ou periférico na cena construída em torno do verbo. Por meio de análise qualitativa, identificamos a ativação de frames que enaltecem a conduta da GCM e criminalizam a condição de rua dos acusados. Os resultados ratificam o poder argumentativo da narrativa, pois esta serviu de base para o Ministério Público solicitar a prisão preventiva dos acusados, a qual foi atendida pelo juiz de primeira instância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, A. S. A arte de argumentar: gerenciando razão e emoção. Cotia-SP: Ateliê Editorial, 2009.

___________. Criatividade: uma visão cognitiva e cultural para o século 21. São Paulo: Giostri, 2020.

ALVES, M. M.; GARCIA, M. D. O. Elementos para o estudo das relações entre controle penal, criminologia crítica e classes sociais. Anais do IV Congresso Internacional de Ciências Criminais, v. IV, 2013.

AMSTERDAM, A. G.; BRUNER, J. Minding the law: how courts rely on storytelling, and how their stories change the ways we understand the law - and ourselves. Cambridge, Massachussets e Londres: Harvard University Press, 2000.

BARROS, J. O. A pessoa em situação de rua e a vida que não merece ser vivida. In: GRINOVER, A. P. et ali (orgs.). Direitos fundamentais das pessoas em situação de rua. Belo Horizonte: Editora D’Plácido, 2016. p. 153–177.

BORBA, F. S. et al. Dicionário gramatical de verbos do português contemporâneo do Brasil. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1990.

BRASIL. Resolução STJ/GP n. 10 de 6 de outubro de 2015. Brasil, 2015.

DANCYGIER, B. The language of stories: a cognitive approach. Cambridge: Cambridge University Press, 2012.

DIXON, R. M. W; AIKHENVALD, A. Y. Introduction. In: DIXON, R. M. W; AIKHENVALD, A. Y. (orgs.). Changing valency: Case studies in transitivity. New York: Cambridge University Press, 2010.

FERRARI, L. Introdução à linguística cognitiva. São Paulo: Contexto, 2011.

FILLMORE, C. Frame semantics. In: KOREA, L. S. (orgs.). Linguistics in the morning calm. Seoul: Hanshin Publishing, 1982. p. 111–137.

FLICK, U. Qualidade na pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.


FURTADO DA CUNHA, M. A. Estrutura argumental e valência: a relação gramatical objeto direito. Gragoatá, v. 21, p. 116–131, 2006.

FURTADO DA CUNHA, M. A.; COSTA, M. A.; CEZARIO, M. M. Pressupostos teóricos fundamentais. In: FURTADO DA CUNHA, M. A.; OLIVEIRA, M. R.; MARTELOTTA, M. E. (orgs.). Linguística funcional: teoria e prática. São Paulo: Parábola Editorial, 2015. p. 21–48.

GIBBONS, J. Forensic linguistics: an introduction to language in the justice system. Oxford: Blackwell Publishers, 2003.

GIVÓN, T. Grammatical relations: a functionalist perspective. Amsterdã/Filadélfia: John Benjamins Publishing Company, 1997.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

LAKOFF, R. T. The language war. Berkeley e Los Angeles: University of California Press, 2000.

LAKOFF, G. The Political Mind: Why You Can’t Understand 21st Century Politics with an 18th Century Brain. New York: Viking, 2008.

LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Metáforas da vida cotidiana. Campinas e São Paulo: Mercado das Letras e Educ, 2002 [1980].

LOPES JR., A. Direito processual penal. São Paulo: Saraiva, 2014.

PAYNE, T. Describing Morphosyntax. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

RESENDE, V. M. “Não é falta de humanidade, é para dificultar a permanência deles perto de nosso prédio”: análise discursiva crítica de uma circular de condomínio acerca de “moradores de rua” em Brasília, Brasil. Discurso & Sociedad, v. 2, n. 2, p. 422–444, 2008.

RIBEIRO, M. R. A estrutura potencial do gênero do boletim de ocorrência sobre crimes de linguagem contra a honra. Cadernos do IL, v. 48, p. 120–143, 2014.
TURNER, M. The literary mind: the origins of thought and language. Nova Iorque: Oxford University Press, 1996.
Publicado
2021-12-17
Métricas
  • Visualizações do Artigo 65
  • PDF downloads: 58
Seção
ARTIGOS