A alternância entre o futuro do pretérito e o pretérito imperfeito no português brasileiro: variação estável ou mudança em progresso?

  • Aline da Silva Santos Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Norma Lucia Fernandes de Almeida Universidade Estadual de Feira de Santana

Resumo

O futuro do pretérito (FP) é o tempo verbal do modo indicativo empregado para se fazer referência a um acontecimento posterior a um passado, um acontecimento que poderá ou não ocorrer, dependendo de uma condição, além de transmitir valores modais de hipótese, possibilidade, desejo, necessidade etc. O FP costuma variar, em alguns contextos de uso, com o pretérito imperfeito (PI), que, tradicionalmente, é usado para se falar de hábito ou acontecimento que ocorria com frequência no passado ou ainda para se referir a um fato interrompido por outro fato concomitante. Assim, expressões como, por exemplo, “se eu fosse você, comprava mais livros” ou “se eu fosse você, compraria mais livros” e ainda as formas perifrásticas “ia comprar” e “iria comprar”, respectivamente, costumam ser usadas com o mesmo valor de verdade. Pesquisas sobre esse tema, amparadas na Teoria da Variação e da Mudança Linguística, já foram desenvolvidas em diferentes regiões do Brasil e a finalidade deste artigo é, portanto, descrever e correlacionar resultados de algumas dessas pesquisas, observando, sobretudo, se esses resultados apontam para um fenômeno de variação estável ou de mudança em progresso.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRITO, Nara Jaqueline Avelar. Alternância entre o futuro do pretérito e pretérito imperfeito do indicativo no domínio funcional da condição contrafactual em comentários do facebook. Tese (doutorado) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de ciências humanas, letras e artes, Programa de pós-graduação em estudos da linguagem. Natal, 2018.
CÂMARA JR., Joaquim Mattoso. História e estrutura da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Padrão, 1975.
CÂMARA, Tânia Maria Nunes de Lima. Alternância do uso do pretérito imperfeito e do futuro do pretérito no discurso oral. Augustus, Rio de Janeiro, v. 7, no 15, jul./dez., 2002.
COSTA, Ana Lúcia dos Prazeres. A variação entre formas de futuro do pretérito e de pretérito imperfeito no português informal no Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Letras – Universidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1997.
COSTA, Ana Lúcia dos Prazeres. O futuro do pretérito e suas variantes no português do Rio de Janeiro: um estudo diacrônico. 132 p. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras – Universidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.
FARACO, Carlos Alberto. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
FREITAG, Raquel Meister Ko; ARAÚJO, Andréia Silva. Passado condicional no português: formas e contextos de uso. Caligrama – Revista de Estudos Românicos da Faculdade de Letras da UFMG, 2011.
GIVÓN, Talmy. Funtionalism and grammar. Amerstand/Philadelphia: J. Benjamins, 1995.
GIVÓN, Talmy. Syntax: an introduction. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2001.
KARAM, L. A variação entre o futuro do pretérito, o imperfeito e a perífrase com o verbo ir na fala do RS. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2000.

LABOV, William. Padrões sociolinguísticos. Trad.: Marcos Bagno; Marta Scherre e Caroline Cardoso. São Paulo: Parábola, 2008 [1972].
LUCCHESI, Dante. Sistema, mudança e linguagem: um percurso da lingüística moderna. São Paulo: Parábola, 2004.
LUCCHESI, Dante. A realização do sujeito pronominal. In: LUCCHESI, Dante; BAXTER, Alan e RIBEIRO, Ilza (org.). O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009.
LUCCHESI, Dante. A periodização da história sociolinguística do Brasil. Delta [online]. 2017, vol.33, n.2, pp.347-382. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/delta/v33n2/1678-460X-delta-33-02-00347.pdf. Acesso em: 10. Jul. 2020.
MATEUS, Maria Helena Mira. Se a língua é um fator de identificação cultural, como compreender que uma língua viva em diferentes culturas? Disponível em: http://periodicos.ufc.br/revletras/article/view/2246/1716. Acesso em: 20 jul. 2020.
MATTOS, Priscila Brügger. A evolução dos tempos verbais. In: SILVA, José Pereira. História da língua portuguesa. Cadernos da Pós-Graduação em Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, UERJ, nº 1, 2001, p. 24-31.
MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. Caminhos da linguística histórica – ouvir o inaudível. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
MECER, José Luiz da Veiga. O futuro nas línguas românicas. Revista da Abralin, v. Eletrônico, n. Especial, p. 385-394, 1ª parte, 2011.
SANTOS, Aline da Silva. A variação entre o futuro do pretérito e o pretérito imperfeito no português falado em Feira de Santana-BA. 132 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2014.
SAUSSURE, Ferdinand. Curso de linguística geral. 34ª ed. Trad. Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 2012 [1916].
SOUSA, Fernanda Cunha. A alternância entre o pretérito imperfeito e futuro do pretérito na expressão da hipótese. 130 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Letras – Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, 2007.
TESCH, Leila Maria. A variação no âmbito do irrealis entre as formas do futuro do pretérito e pretérito imperfeito do indicativo na fala capixaba. 152 f. Dissertação (Mestrado em Linguística). Programa de Pós-Graduação em Linguística da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.
WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Trad. Marcos Bagno; rev. téc. Carlos Alberto Faraco. São Paulo: Parábola. 2006 [1968].
Publicado
2021-12-17
Métricas
  • Visualizações do Artigo 167
  • PDF downloads: 71
Seção
ARTIGOS