Discurso político

Uma análise de marcas da subjetividade em Tweets do presidente Jair Bolsonaro

  • Anaildo Pereira UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO
  • Leonildes Leão UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO
  • Paulo Lima UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

Resumo

Este artigo teve por objetivo analisar mensagens do presidente Jair Bolsonaro postadas no Twitter, apontando os diversos discursos e ideologias que perpassam esses discursos, além de mostrar como as Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) possibilitaram novas formas de transmitir os discursos da classe política tomando as redes sociais, principalmente o Twitter, como um gênero discursivo com poder de alcance e disseminação instantânea do discurso. O trabalho foi embasado nas teorias de Freud (2012), Lacan (1992, 2009) para tratar da subjetividade enquanto psique; Benveniste (1989, 1998), no que diz respeito à subjetividade na linguagem; Paveau (2013), Santos (2011), Silva (2018) sobre o uso das TICs; Mussalim (2001) e Bakhtin (2003) para tratar sobre discurso e gêneros discursivos. Como procedimento metodológico adotou-se a pesquisa bibliográfica atrelada à abordagem qualitativa de análise de conteúdo. E o corpus deste trabalho é composto de dois textos montados a partir de prints de mensagens postadas no Twitter. Após as análises, concluiu-se que o Twitter como gênero discursivo proporciona aos sujeitos uma forma eficiente de disseminar seus discursos, onde fica claro diversas marcas de subjetividade nos textos postados, sendo elas de cunho linguístico ou apresentadas  por meio das ferramentas tecnodiscursivas disponíveis no Twitter.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anaildo Pereira, UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

Mestrando em Letras pela Universidade Federal do Maranhão - UFMA - Campus III - Bacabal. Atuou como professor de Língua Portuguesa na Secretaria de Educação Estadual do Maranhão entre março de 2017 e janeiro de 2021. E também atuou, como docente de Língua Inglesa na rede pública municipal de Gov. Newton Bello/MA entre os anos de 2016 e 2020. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Letras.

Leonildes Leão, UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

Mestranda em Letras Português (Linha de Pesquisa: Texto e Discurso) pela Universidade Federal do Maranhão. Possui Especialização em Linguística e Ensino pela Universidade Estadual do Piauí (2009) e em Libras com docência do ensino superior pela Faculdade Evangélica do Meio Norte - FAEME (2015), é graduada em Licenciatura Plena em Letras Português pela Universidade Federal do Piauí (2007). Atualmente é professora efetiva de Língua Portuguesa e Libras do Instituto Federal de Educação do Maranhão. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa e Libras.

Paulo Lima, UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual do Maranhão (2002), mestrado em Letras pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2008) e doutorado em Letras (Estudos Linguísticos) pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2014). Atualmente é professor adjunto III da Universidade Federal do Maranhão, Campus de Bacabal, atuando como coordenador de curso. É professor do Mestrado acadêmico em Letras e do Mestrado Profissional em Letras da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará. É docente do Mestrado Acadêmico em Letras da UFMA/Campus de Bacabal, atuando na Linha de Pesquisa: "Texto, Discurso e seus Múltiplos Objetos. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino, discurso, leitura, argumentação e análise do discurso.

Referências

Authier-Revuz, J. Entre a transparência e a opacidade: um estudo enunciativo do sentido. Porto alegre: EDIPUCRS, 2004.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p.261-306.

BENVENISTE, É. Da subjetividade da linguagem. Em Problemas de Linguística Geral I. 2.ed. Campinas: Editora da Unicamp; Pontes, 1998. p. 284-293.

BENVENISTE, É. Problemas de linguística geral II. Tradução Eduardo Guimarães... et al. Campinas, SP: Pontes, 1989.

CHECCHINATO, D. (1979). Introdução à edição brasileira. In A. Lamaire, Jacques. Lacan: uma introdução (pp. 1116). Rio de Janeiro: Campus.

FREUD, S. (2012). A Interpretação Dos Sonhos (Vol. 2). Porto Alegre: L&PM. (Originalmente publicado em 1900).

HENRY, P. A ferramenta Imperfeita: língua, sujeito e discurso. Tradução de Maria Fausta P. de Castro, 2ª ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

LACAN, J. (2009). O Seminário, Livro 1: Os escritos técnicos de Freud. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Seminário proferido em 1953-54

LACAN, J. , ibid., apud Dor, Joël. Introdução à leitura de Lacan: o inconsciente estruturado como linguagem. 3ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

LIMA, P. S. Marcas da enunciação em notícias destinadas ao público infantil. Revista Todas as Letras, São Paulo., v. 17, n. 1, p. 126 - 137, jan/abril. 2015.

MUSSALIM, Fernanda. Análise do Discurso. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Orgs.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. v. 2. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2001. p. 101-142.

PAVEAU, M-A. Technodiscursivités natives sur Twitter. Une écologie du discours numérique », dans Liénard, F. (2013, coord.). In: Culture, identity and digital writing, Epistémè 9, Revue internationale de sciences humaines et sociales appliquées, Séoul: Université Korea. 2013, p. 1-19.

SANTOS, R. de C. S. Twitter como exemplo do gênero Textual microblog. In IV Encontro Nacional de Hipertexto e Tecnologias Educacionais. Universidade de Sorocaba. 2011.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. e atual. – São Paulo: cortez. 2007.

SILVA, A. P. Tics no ensino de Língua Inglesa: mediações pedagógicas no ensino aprendizagem na turma de 3º ano do Ensino Médio do C.E. Antônio Macêdo de Almeida – Governador Newton Bello – MA. Monografia (Graduação) – Santa Inês, MA, 2018.
Publicado
2021-07-01
Métricas
  • Visualizações do Artigo 43
  • PDF downloads: 26
Seção
ARTIGOS