A construção do discurso midiático quando o estupro entra em campo

  • Conceicao Almeida da Silva Universidade Federal Fluminense - UFF
  • Anabel Medeiros Azeredo de Paula Universidade Federal Fluminense - UFF

Resumo

As mídias definem-se como organismo especializado em preencher uma necessidade social de informação. No entanto, de acordo com Charaudeau (2010a) a informação é construída pela linguagem, que, inevitavelmente, produz uma visão do mundo, atribuindo-lhe um sentido particular. Portanto, ao informar, as mídias impõem ao seu destinatário a sua visão de mundo, constroem sistemas de valores e produzem sentidos. Para verificar como o discurso midiático constrói a realidade, serão analisadas manchetes de sites jornalísticos, produzidas a partir de discursos relatados que se referem a jogadores de futebol brasileiros envolvidos em casos de estupro. O modo de relatar o dito de outrem pode revelar o posicionamento do organismo de informação, que, na maioria das vezes, parece favorável aos jogadores de futebol acusados de crimes dessa natureza, reforçando o machismo e a cultura de estupro. Os pressupostos teóricos usados concentram-se nos postulados da Semiolinguística aplicados ao contrato de informação midiático.

Palavras-chave: Futebol; Estupro; Contrato de informação midiático; Discurso relatado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Conceicao Almeida da Silva, Universidade Federal Fluminense - UFF

Mestra e Doutora em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal Fluminense; integrante do Grupo de Pesquisa Leitura, Fruição e Ensino (LeiFEn- CNPq/UFF), professora de língua portguesa e redação, revisora e conteudista.

Anabel Medeiros Azeredo de Paula, Universidade Federal Fluminense - UFF

Mestra e Doutora em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal Fluminense; integrante do Grupo de Pesquisa Leitura, Fruição e Ensino (LeiFEn- CNPq/UFF); e professora de Lingua Inglesa nas redes públicas de ensino de Educação Básica do Estado do Rio de Janeiro e do Município de Itaboraí.

Referências

CERQUEIRA, D.; COELHO, D. Nota técnica: Estupro no Brasil: uma radiografia segundo os dados da Saúde (versão preliminar). Nº 11. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2021.

CARBONE, A. 10 previsões para o futebol brasileiro nos próximos 20 anos. Yahoo esportes, 29 dez. 2019. Disponível em: . Acesso em: 01 de nov. 2020.


CHARAUDEAU, P. Análise do discurso, controvérsias e perspectivas. In: Mari H. et alii (dir.), Fundamentos e dimensões da análise do discurso. Fale-UFMG, Edit. Carol Borges, Belo Horizonte, 1999, p. 27-43.

______. Visadas discursivas, gêneros situacionais e construção textual. In: MACHADO, I. L.; MELLO, R. Gêneros: reflexões em análise do discurso. Belo Horizonte: Nad/Fale-UFMG, 2004, p. 13-41.

______. Uma análise semiolinguística do texto e do discurso. In: PAULIUKONIS, M. A. L. e GAVAZZI, S. (Org.) Da língua ao discurso: reflexões para o ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005, p. 11-27.

______. Discurso das mídias. 1ª ed. São Paulo: Contexto, 2010a.

______. Linguagem e discurso: modos de organização. 2ª ed. – São Paulo: Contexto, 2010b.

______. Os estereótipos, muito bem. Os imaginários, ainda melhor. Traduzido por André Luiz Silva e Rafael Magalhães Angrisano. Entrepalavras, Fortaleza, v. 7, p. 571-591, jan./jun. 2017.

IPEA. Tolerância social à violência contra as mulheres. Brasília, 04 abr. 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2020.

MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. 6ª ed. ampl. São Paulo: Cortez, 2013.

VEJA. Cristiano volta a testar positivo e pode ser desfalque contra o Barcelona. Veja, 22 out. 2020. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2020.

VENCESLAU, I. Surpreendente cartografia dos estupros no Brasil. Outras palavras – Jornalismo de profundidade e pós-capitalismo. São Paulo, 19 ago. 2020. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. de 2020.
Publicado
2021-12-22
Métricas
  • Visualizações do Artigo 96
  • PDF downloads: 54
Seção
ARTIGOS