Ciranda de Pedra e Fazes-me Falta

A linguagem errante em Lygia Fagundes Telles e Inês Pedrosa

Resumo

Este artigo propõe um diálogo entre as literaturas brasileira e portuguesa contemporâneas, focando na análise dos romances Ciranda de pedra, de Lygia Fagundes Telles, e Fazes-me falta, de Inês Pedrosa, na perspectiva da linguagem. Parte-se do princípio de que esta categoria, na obra das referidas autoras, apresenta-se como errante, cheia de espaços vagos, residindo assim numa incompletude e revelando-se impotente para esclarecer o que diz. No tocante à escritora brasileira, este é seu romance de estreia que a própria considera um divisor de águas em sua carreira literária por ser esteticamente mais elaborado que os anteriores. Já em relação à Inês Pedrosa, segundo à crítica, passou a figurar no campo da literatura portuguesa, principalmente, a partir deste romance. Desse modo, os dois livros foram significativos na consagração de ambas, o que se justifica, também, pela irreverência da linguagem neles trabalhada. A análise será perspectivada por teóricos e críticos que tecem contribuições voltadas ao estudo da literatura contemporânea, especialmente Maurice Blanchot (1997; 1987). Para compreender as considerações feitas pela crítica acerca das ficções pedrosina e lygiana, serão consultados, dentre outros, os trabalhos de Diana Navas, Telma Ventura (2017) e Sônia Régis (1998). Os estudos sobre as obras das referidas escritoras vêm crescendo bastante à medida que mais leitores passam a tomar conhecimento de um expressivo legado romanesco à espera de novos pesquisadores que desejem aventurar-se nos meandros de sua linguagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Licilange Alves, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Graduada em Letras Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA (2011). Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGL em Estudos do discurso e do texto pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Atualmente, é doutoranda em Literatura Comparada pelo Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGLetras) pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Bolsista FUNCAP, desenvolvendo pesquisas na área de Letras, com ênfase em Literatura.

Cid Ottoni Bylaardt , Universidade Federal do Ceará (UFC)

Possui graduação em Letras e doutorado em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais, e pós-doutorado em Literatura Comparada pela Universidade de Coimbra, Portugal. É professor Associado IV de Literatura Brasileira da Universidade Federal do Ceará, com projeto de pesquisa denominado "Esvaziamento da História nas Literaturas Brasileira e Portuguesa Contemporâneas". Tem interesse particular em literatura contemporânea, brasileira e internacional, mas não só. Tem mais de uma centena de textos publicados sobre literatura e cultura brasileira e portuguesa, e orienta teses e dissertações. Escreve também poemas e romances. É músico amador (instrumentos: piano e viola), com interesse em música brasileira e internacional (clássica e erudita). É Bolsista de Produtividade em Pesquisa Nível 2 do CNPq.

Referências

BLANCHOT, Maurice. A literatura e o direito à morte. In.: A parte do fogo. Trad. Ana Maria Scherer. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.
BLANCHOT, Maurice. O espaço literário. (Trad.) Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.
CANDIDO, Antonio. A nova narrativa. In: A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Editora Ática, 1989.
DELEUZE, Gilles. Crítica e Clínica. (Trad.) Peter Pál Pelbart. São Paulo: Ed. 34, 1997.
DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol.1. São Paulo: Ed. 34, 2011.
DRUMMOND DE ANDRADE, Carlos. Carta. In. TELLES, Lygia F. Ciranda de Pedra. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.
GOMES, Carlos Magno. A circularidade da escrita de Lygia Fagundes Telles. Alea, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 557-570, dez. 2017. Disponível em . Acessos em 02 mar. 2020. https://doi.org/10.1590/1517-106x/2017193557570
NAVAS, Diana; VENTURA, Telma. A escrita feminina em Fazes-me falta, de Inês Pedrosa: o (des)tecer narrativo. Litcult. Disponível online, 2017.
NAVAS, Diana; VENTURA, Telma. “A escrita feminina em Fazes-me falta: corpo morto, corpus descontruído”. In: Revista Desassossego. São Paulo, USP. 18, abr.-dez. 2017. p. 85-100. Disponível em . Acesso em 20 nov. 2019.
PEDROSA, Inês. Fazes-me falta. [recurso eletrônico] / Inês Pedrosa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011. Formato: e-PUB.
REAL, Miguel. O romance português contemporâneo: 1950-2010. Lisboa: Caminho, 2012.
REIS, Carlos. “Estudos narrativos”. In: Dicionário de Estudos narrativos. Coimbra: Almedina, 2018. p. 119-132.
RÉGIS, Sônia. A densidade do aparente. In: Cadernos de literatura brasileira: Lygia Fagundes Telles. Nº 5. São Paulo: Instituto Moreira Salles, março 1998.
SANTIAGO, Silviano. Posfácio. In: TELLES, Lygia Fagundes. Ciranda de pedra. São Paulo: Companhia das Letras, de 2009.
TELLES, Lygia F. Ciranda de Pedra. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.
Publicado
2021-07-01
Métricas
  • Visualizações do Artigo 23
  • PDF downloads: 25
Seção
ARTIGOS