PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE SÍFILIS EM GESTANTES NO MUNICÍPIO DE SALVADOR, BAHIA, DE 2015 A 2019

Palavras-chave: Cuidado Pré-Natal, Gestantes, Infecções por Treponema, Epidemiologia Descritiva

Resumo

Objetivo: Analisar o perfil epidemiológico dos casos notificados de sífilis gestacional em Salvador-BA entre janeiro de 2015 e dezembro de 2019. Método: Estudo epidemiológico de caráter descritivo, substanciado por dados secundários, de acesso público, provenientes da Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde. Resultados: Averiguou-se um total de 625 casos em 2015, 954 em 2016, 892 em 2017, 1.371 em 2018 e 1.303 em 2019. Houve 5.145 notificações de sífilis em Salvador, destes 4.845 residem no município e 32,90% das notificações ocorreram fora da assistência pré-natal. Notou-se que 51,72% possuíam pele parda e 51,55% apresentavam faixa etária entre 20 e 29 anos. Ademais, verificou-se que 3.018 continham dados sobre escolaridade, onde 41,31% não concluíram o ensino fundamental. Constatou-se, ainda, 1.402 gestantes diagnosticadas com sífilis latente. O tratamento do parceiro foi realizado em 32,78% das vezes e não houve registro dessa informação em 1.566 casos. Conclusão:  O perfil epidemiológico mais acometido pela sífilis no período gestacional no município de Salvador nos últimos cinco anos, abrange uma população formada predominantemente por mulheres pardas, com idade entre 20 e 29 anos, donas de casa e que não concluíram o ensino fundamental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Magno Teixeira de Medeiros, Mestrando em Gestão em Saúde pela MUST University - EUA

Especialista em Emergência em Pediatria e Neonatologia pela Faculdade Presidente JK. Professor no Centro Universitário UniFTC.

Referências

Magalhães DM dos S, Kawaguchi IAL, Dias A, Calderon I de MP. Sífilis materna e congênita: ainda um desafio. Cadernos de Saúde Pública 2013;29(6):1109–1120. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/WM4wjfcJBy9Yb4FTvjhvCDz/?format=pdf&lang=pt

Carvalho I da S, Brito RS de. Sífilis congênita no Rio Grande do Norte: estudo descritivo do período 2007-2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2014;23(2):287–294. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ress/a/kxRqwRGjRZqJkDDkJgw6GNR/?format=pdf&lang=pt

Avelleira JCR, Bottino G. Sífilis: diagnóstico, tratamento e controle. Anais Brasileiros de Dermatologia. 2006;81(2):111–126. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0365-05962006000200002

Luisa Machado B, Regina Terra M. A SÍFILIS NA GESTAÇÃO: uma problemática atual. Revista Eletrônica Múltiplo Saber - INESUL. 2017;37:1-11 Disponível em: https://www.inesul.edu.br/revista/arquivos/arq-idvol_47_1483204794.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Prevenção da Transmissão Vertical de HIV, Sífilis e Hepatites Virais. Ministério da Saúde. 2022. 1–228 p. Available from: http://www.aids.gov.br/system/tdf/pub/2016/57801/pcdt_tv_internet_13.06.22.pdf?file=1&type=node&id=57801&force=1

Almeida M de FG, Pereira SM. Caracterização epidemiológica da sífilis congênita no município de Salvador, Bahia. DST – Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis [Internet]. 2007;19(3–4):144–156. Available from: http://www.dst.uff.br/revista19-3-2007/6.pdf

Valderrama J, Zacarías F, Mazin R. Sífilis materna y sífilis congénita en América Latina: Un problema grave de solución sencilla. Revista Panamericana de Salud Pública/Pan American Journal of Public Health. 2004;16(3):211–117. Disponível em: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/8171/23095.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Pereira JB, Barbosa Júnior WLB, Silva ED, Aquino AECA, Oliveira PMS, Melo FL. Comparação de técnicas de extração de DNA de Treponema Pallidum para o diagnóstico molecular da sífilis. Brazilian Journal of Health Review. 2019;2(4):3681–3697. Disponível em: https://brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/2623/2628

Lima BG de C, Costa M da CN, Dourado MIC. Avaliação da qualidade do rastreamento de HIV/aids e sífilis na assistência pré-natal. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2008;17(2):125–127. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742008000200007

Brasil. Ministério da Saúde. Manual Técnico Pré-Natal E Puerpério Atenção Qualificada e Humanizada. Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos - Caderno no5 SDS e DR-C, Brasília, DF; 2006.(3) 1-162 p. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_pre_natal_puerperio_3ed.pdf

Araujo E da C, Costa K de SG, Silva R de S e, Azevedo VN da G, Lima FAS. Importância do pré-natal na prevenção da Sífilis Congênita. Revista Paranaense de Medicina. 2006;20(1):47–51. Disponível em:http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-59072006000100008

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO). Manual de Assistência Pré-natal 2014: Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. 2014. 179 p. Disponível em: https://www.abenforj.com.br/site/arquivos/manuais/304_Manual_Pre_natal_25SET.pdf

Domingues RMSM, Leal M do C. [Incidence of congenital syphilis and factors associated with vertical transmission: data from the Birth in Brazil study]. Cadernos de Saúde Pública [Internet]. 2016;32(6):1–12. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27333146

De Lorenzi DRS, Madi JM. Sífilis Congênita como Indicador de Assistência Pré-natal. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. 2001;23(10):647–652. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-72032001001000006

Peeling RW, Ye H. Diagnostic tools for preventing and managing maternal and congenital syphilis: An overview. Bull World Health Organ. 2004;82(6):439–46. PMID: 15356937; PMCID: PMC2622868 Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/15356937/

Ferreira JAN, Gomes L de MA. EFFICIENT ADHESION IN TREATMENT OF SIFILIS IN PREGNANT WOMEN. Pós graduação em saúde da Família da Universidade Federal do Piauí. 2020;1(1):1-16 Disponível em: https://ares.unasus.gov.br/acervo/html/ARES/18596/1/JULY7.pdf

Dadoorian D. Gravidez na adolescência: um novo olhar. Psicologia: Ciência e Profissão. 2003;21(3):84–91. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1414-98932003000100012

Holztrattner JS, Linch GF da C, Paz AA, Gouveia HG, Coelho DF. Sífilis Congênita: Realização Do Pré-Natal E Tratamento Da Gestante E De Seu Parceiro. Cogitare Enfermagem. 2019;24. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/59316

Oliveira SC de, Ferreira JG, Silva PMP da, Ferreira JM, Seabra R de A, Fernando VCN. A participação do homem/pai no acompanhamento da assistência pré-natal TT - Cogitare Enfermagem. 2009;14(1):73–78. Available from: http://www.revenf.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-85362009000100010&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Campos AL de A, Araújo MAL, de Melo SP, Andrade RFV, Gonçalves MLC. Syphilis in parturients: Aspects related to the sex partner. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. 2012;34(9):397–402. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-72032012000900002

Leal M do C, Esteves-Pereira AP, Viellas EF, Domingues RMSM, Gama SGN da. Assistência pré-natal na rede pública do Brasil. Revista de Saúde Pública. 2020;54(08):1-12. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rsp/article/view/165868

Publicado
2022-07-19
Métricas
  • Visualizações do Artigo 250
  • PDF downloads: 127
Como Citar
Silva, T. C. de S., Reis, G. G. B. dos, & Medeiros, A. M. T. de. (2022). PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE SÍFILIS EM GESTANTES NO MUNICÍPIO DE SALVADOR, BAHIA, DE 2015 A 2019. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 3, e12267. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/12267
Seção
Artigos (FLUXO CONTíNUO)

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##