Os Processos que Organizam a Escolarização da Classe Trabalhadora e a Conformação da Estrutura Dual da Educação Brasileira

Autores

Palavras-chave:

educação escolarizada da classe trabalhadora, educação dual e desigual, capitalismo dependente.

Resumo

Este artigo tem por objetivo de pesquisa analisar a questão histórica e estrutural das políticas educacionais no Brasil, com ênfase na escolarização da classe trabalhadora, especialmente quanto à formação profissional de jovens e adultos. Para tanto, realiza-se uma pesquisa exploratória, quanto aos seus objetivos, e se estrutura, do ponto de vista procedimental, como uma pesquisa bibliográfica à luz de estudiosos correlatos que ocupam em analisar as categorias teóricas que circunscrevem esse trabalho, a exemplo de Frigotto (2006, 2008, 2014); Ramos (2014); Ciavatta (1998); Ventura (2001). Filia-se ao materialismo histórico e dialético, como método de análise, para responder às questões da organização da educação escolarizada das classes trabalhadoras, suas normatizações legais associadas ao projeto político e econômico. Nesse processo, verificar as determinações da educação dual e desigual presentes nas normatizações propostas para atender os interesses da elite proprietária do capital-acumulado do capitalismo dependente de desenvolvimento associado e combinado. Uma educação dividida, para formação de mão de obra e formação de intelectuais, respectivamente determinada para as classes trabalhadora e dominante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Teresa Cristina Neris Mendes, Rede Estadual de Educação do Estado da Bahia

Graduada em História e em Pedagogia. Mestre em Educação (MPEJA-UNEB). Professora da Rede Estadual de Educação do Estado da Bahia. Membro do Grupo de Pesquisa FORTIS–Formação, Trabalho e Identidades.

José Humberto da Silva, UNEB

Doutor em Educação – UNICAMP. Pós-Doutorado em Educação – UNICAMP. Professor titular da Universidade do Estado da Bahia-UNEB, Campus I/DEDC. Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação Em Educação de Jovens e Adultos (MPEJA).

Referências

ARANHA, Maria L. Arruda. História da Educação e da Pedagogia: Geral e Brasil. São Paulo: Moderna, 2006.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 20 out. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Lei 9394/1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 17 abr. 2021.

BRASIL. Portaria MEC nº 646, de 14 de maio de 1997. Regulamenta a implantação do disposto nos artigos 39 a 42 da Lei Federal nº 9.394/96 e no Decreto Federal nº 2.208/97. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/PMEC646_97.pdf. Acesso em: 20 out. 2021.

BRASIL. Lei imperial de n. 40 de 3 de outubro de 1834. Dispõe sobre o poder do presidente de província. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1866. (Coleção de leis Império do Brasil do ano de 1834).

BRASIL. Constituição (1824). Constituição Política do Império do Brasil, de 25 de março de 1824. Disponível em: Revista Extensão em Foco | v.8 | n.2, 2020 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao24.htm. Acesso em: 20 out. 2021.

BRASIL. Constituição (1937). Constituição dos Estados Unidos do Brasil, de 10 de novembro de 1937. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao37.htm. Acesso em 20 out. 2021.

BRASIL. Lei nº 3.552, de 16 de fevereiro de 1959. Rio de Janeiro. 1959. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l3552.htm. Acesso em: 20 out. 2021.

BRASIL. Constituição (1934). Lex: Constituição dos Estados Unidos do Brasil, de 16 de julho de 1934. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao34.htm. Acesso em: 20 out. 2021.

BRASIL. Decreto nº 47.038, de 16 de outubro de 1959. Aprova o regulamento do ensino industrial, 1959. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1950-1969/d47038.htm. Acesso em: 21 out. 2021.

BRASIL. Constituição (1982). Lei nº 7044, de 18 de outubro de 1982. Altera Dispositivos da Lei Nº 5.692, de 11 de agosto de 1971, Referentes A Profissionalizaçãodo Ensino de 2º Grau.Brasília, DF, Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7044.htm. Acesso em: 21 out. 2021

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso: 20 out. 2021.

BRASIL. Constituição (1891). Lex: Constituição dos Estados Unidos do Brasil, de fevereiro de 1891. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao91.htm. Acesso em: 20 out. 2021.

BRASIL. Decreto-Lei n.º 4.073, de 30 de janeiro de 1942. Lei orgânica do ensino industrial. 1942. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/1937-1946/Del4073. htm. Acesso em: 20 out. 2021.

BRASIL. Decreto N° 2.208, de 17 de abril de 1997. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 42 da Lei Federal Nº 9.394/96, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Brasília, 1997. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D2208.htm. Acesso em: 21 out. 2021.

BRASIL. Lei nº 9.424, de 24 de dezembro de 1996. Dispõe sobre o fundo de manutenção e desenvolvimento do ensino fundamental e valorização do magistério. Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, p.28442-28444.

BRASIL. Decreto n. 5.154, de 23de julho de 2004. Regulamentao §2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 2004a.Disponível em:

BRASIL. Lei n. 010172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, Seção 1, p.1, 10 jan. 2001. Disponível em:http://www.punf.uff.br/inclusao/images/leis/lei_10172.pdf. Acesso em: 14 março 2022.

CIAVATTA, Maria. Formação Profissional para o Trabalho Incerto: um estudo comparativo Brasil, México e Itália. In: FRIGOTTO, Gaudêncio (Org). Educação e Crise do Trabalho: Perspectivas de Final do Século. Rio de Janeiro: Vozes, p. 100-137.1998.

CIAVATTA, Maria. O ensino integrado, a politecnia e a educação omnilateral. Por que lutamos? Trabalho & Educação | Belo Horizonte | v.23 | n.1 | p. 187-205 | jan-abr | 2014. Disponivel em: http://forumeja.org.br/go/sites/forumeja.org.br.go/files/Ciavatta_ensino_integrado_politecnia_educacao_omnilateral.pdf). Acesso em: 14 dez. 2022.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: Ensaio de interpretação sociológica. 5.ed. São Paulo: Globo, 2006.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação omnilateral. In: CALDART, Roseli; PEREIRA, Isabel Brasil; ALENTEJANO, Paulo. FRIGOTTO, Gaudêncio. (orgs.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012. Disponível em: https://www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/l191.pdf. Acesso em: 14 dez. 2022.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e Trabalho: bases para debater a Educação Profissional Emanipadora. Perspectiva: Florianópolis, V 19, n. 1, p. 71-87, jan./jun.. 2001.

FRIGOTTO, Gaudêncio. ANOS 1980 E 1990: A Relação entre o Estrutural e o Conjuntural e as Políticas de Educação Tecnológica e Profissional. In: FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria (Orgs). A Formação do Cidadão Produtivo: A cultura de mercado no Ensino Médio. Brasília: INEP/MEC, p. 25-53, 2006.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Projetos Societários em Disputa no Brasil e a Juventude com Vida Provisória. In: RUMMERT, Maria Sonia; CANÁRIO, Rui; FRIGOTTO, Gaudêncio (Orgs). Políticas de Formação de Jovens e Adultos no Brasil e em Portugal. Rio de Janeiro: Editora da UFF, p. 107-124, 2009.

FRIGOTTO, G.; CIAVATA, M; RAMOS, M. A educação de trabalhadores no Brasil contemporâneo: um direito que não se completa. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 6, p. 65-76, 2014.

GADOTTI, Moacir. Concepção Dialética da Educação: um estudo introdutório. São Paulo: Cortez, 2001.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

IANNI, Octávio. Estado e Planejamento econômico no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1991.

KUENZER, Acácia. O Ensino Médio agora é para a vida: Entre o pretendido, o dito e o feito. Educação e Sociedade, ano XXI, nº 70, Abril/2000. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v21n70/a03v2170.pdf. Acesso em 30 mar. 2021.

PAIVA, Vanilda. Educação Popular e Educação de adultos. São Paulo: Loyola, 1987.

RAMOS, Marise N. História e política da educação profissional. Curitiba: Instituto Federal do Paraná, 2014.

ROMANELLI, O. Otaíza. História da Educação no Brasil (1930/1973). Rio de Janeiro: Vozes, 1986.

SANTOS, Jucimar Cerqueira dos. Uma Discussão sobre a História da Educação da População Negra da Bahia. In: PINHEIRO, Bárbara C. S; Rosa, Katemari. (Orgs.). Descolonizando Saberes: A Lei 10.639/2003 no Ensino das Ciências. São Paulo: LF Editorial, 2018, p. 23-38.

SAVIANI, Dermeval. A Pedagogia Histórico-Crítica, as Lutas de Classe e a Educação Escolar. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 5. N. 2, p. 25-46, dez. 2013.

VENTURA, Jaqueline P.. Educação de Jovens e Adultos Trabalhadores no Brasil: revendo alguns marcos históricos. Disponível em: http://www.uff.br/ejatrabalhadores, 2001 (Artigo - página web). Acesso em: 30 mar. 2021.

Arquivos adicionais

Publicado

2023-11-20

Como Citar

NERIS MENDES, T. C.; DA SILVA, J. H. Os Processos que Organizam a Escolarização da Classe Trabalhadora e a Conformação da Estrutura Dual da Educação Brasileira. Revista Internacional de Educação de Jovens e Adultos, [S. l.], v. 6, n. 11, p. 202–219, 2023. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rieja/article/view/19153. Acesso em: 25 fev. 2024.