Rituais da Escola no Cárcere

um olhar para o ser mulher entre as grades e a sala de aula

Autores

Palavras-chave:

Rituais, Escola no cárcere, Mulheres, Sistema Prisional Paraense, EJA

Resumo

Este artigo versa sobre os rituais da escola no cárcere em interface com a problematização do ser mulher na sociedade brasileira e, especificamente os reflexos do punitivismo na constituição do ser mulher entre as grades e a sala de aula na EJA.  Consiste numa pesquisa bibliográfica de cunho qualitativo, a qual dialoga com estudos de Tavares (2017); Onofre (2014); Oliveira (2003); Paulo Freire (1996); Peter McLaren (1991). O objetivo é analisar como os rituais da escola no cárcere e da política punitivista regulam a conduta, desejos, sentimentos e subjetividades das mulheres que cumprem pena e ao mesmo tempo participam dos processos de escolarização da EJA no cárcere, a fim de provocar reflexões para possíveis mudanças neste âmbito. Os resultados apontam que a escola prisional tem a capacidade de funcionar para além dos rituais negacionistas, assumindo o compromisso ético-político em prol da formação humana voltada para o exercício da cidadania e agir coletivo. Para isto, o estudo reafirma a necessidade de repensar a escola, o professor e os próprios educandos enquanto agentes de transformação social, valorando as experiências e trajetórias de vida destas mulheres, rompendo com as determinações subsidiadas pelo sistema prisional ora masculino e, ainda, repensando o papel social da escola feminina enquanto espaço de afirmação das identidades, resgate da autoestima, e formação humana e ética. 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivanilde Apoluceno de Oliveira, Universidade do Estado do Pará

Pós-doutora em Educação pela PUC-RJ. Doutora em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP e UNAM-UAM-Iztapalapa- México. Docente e pesquisadora do PPGED e Coordenadora do Núcleo de Educação Popular Paulo Freire da Universidade do Estado do Pará. Bolsista produtividade do CNPq2. Brasil

Suzianne Silva Tavares, Universidade do Estado do Pará

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED-UEPA). Mestra em educação pela Universidade do Estado do Pará/UEPA e Licenciada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Pará

Referências

ARAÚJO, Maria Auxiliadora Maués de Lima; GUIMARÃES, Jesyan Wilysses Oliveira; COQUEIRO, Taize Rocha. Veredas para o sol: escritos sobre a educação no Cárcere Paraense. Curitiba, CRV, 2021.

BATISTA, Wilson Roberto. Educação e gênero no sistema penitenciário paulista. 2019. 253 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília/SP, 2019.

BENEDET, Marina Corbetta; MEDEIROS, Ana Beatriz. Gênero, saúde e prisão: maternidades possíveis no contexto prisional. Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí-SC. Revista de Psicologia, v. 33, n. 3, p. 205-211, set.-dez. 2021.

CARREIRA, Denise.; CARNEIRO, Suelaine. Relatoria nacional para o direito humano à educação: educação nas prisões brasileiras. São Paulo: Plataforma DhESCA Brasil, 2009.

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 5ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. 7ª ed. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2022.

FREIRE, Paulo., et all. Pedagogia da Solidariedade, 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2016.

GADOTTI, M. Palestra de encerramento. In: MAIDA, M. J. D. (Org.). Presídios e educação. São Paulo: FUNAP, 1993.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo: Perspectiva, 1961.

IRELAND, T. D. (Org.). Educação em prisões no Brasil: direito, contradições e desafios Educação em prisões. Em Aberto, Brasília, DF, v. 24, n. 86, p. 1-179, nov. 2011.

McLAREN, Peter. Rituais na escola: em direção a uma economia política de símbolos e gestos na educação. Petrópolis-RJ: Vozes, 1992.

MENDES, Soraia da Rosa. Criminologia feminista: novos paradigmas. São Paulo: Saraiva, 2014.

MIRANDA, João Milton Cunha de. Educação de jovens e adultos: escola no cárcere e ressocialização de mulheres cearenses no regime semiaberto. 205 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira. Faculdade de Educação. Universidade Federal do Ceará, 2016.

OLIVEIRA, Ivanilde Apoluceno de. Leituras Freireanas sobre educação. São Paulo:Editora UNESP, 2003.

ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano. Educação escolar na prisão: o olhar de alunos e professores. Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

SILVA, Vanuza Souza. O ENTRE DA LIBERDADE, AS PRISÕES: Os feminismos que emancipam, prendem? Uma história do gênero feminino na Penitenciária Regional Feminina de Campina Grande (1970-2000). 301 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação em História. Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Recife, 2014.

SOARES, Carla Poennia Gadelha; VIANA, Tania Vicente. Educação em espaços de privação de liberdade: descerrando grades. Jundiaí, Paco Editorial, 2016.

TAVARES, Suzianne Silva. Educação no Cárcere: Processo de Reinserção Social de Mulheres. 264 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Educação. Universidade do Estado do Pará, Centro de Ciências Sociais e Educação, 2017.

Arquivos adicionais

Publicado

2023-11-20

Como Citar

APOLUCENO DE OLIVEIRA, I.; SILVA TAVARES, S. Rituais da Escola no Cárcere : um olhar para o ser mulher entre as grades e a sala de aula . Revista Internacional de Educação de Jovens e Adultos, [S. l.], v. 6, n. 11, p. 79–95, 2023. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rieja/article/view/19114. Acesso em: 25 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê 11 10 Anos Comemorativos do MPJA: o legado na pesquisa e inserção social