O Idealizado e o (não) Factível nos Protocolos para a Educação da Primeira Infância

o desalinho das políticas educacionais em tempo de pandemia refletido nas práticas educativas

Autores

Palavras-chave:

Pandemia, Educação infantil, Práticas Educativas

Resumo

Este ensaio resultou do estudo de cinco protocolos sanitários publicados em 2021 e da análise de testemunhos dados por profissionais atuantes na educação, especialmente, na educação infantil pertencentes ao Grupo de Estudos “ Formação Profissional e Práticas de Supervisão em Contextos”, da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Os propósitos principais   deste estudo foram: identificar a natureza dos textos protocolares; analisar em que medida eles estiveram alinhados às realidades contextuais das instituições educacionais; compreender como os práticos experienciaram a condição do retorno às atividades presenciais. Em conclusão, pode-se afirmar que os protocolos sanitários não consideraram a pluralidade de condições das instituições de educação e a complexidade do cotidiano, focalizando somente aspectos técnico-operacionais. Como agravantes, a desarticulação entre os setores de serviço público e, também, a falta de comunicação mais assertiva das secretarias municipais com as unidades educacionais, geraram incertezas e exigiram que as equipes criassem suas próprias equações aos problemas locais. Ao mesmo tempo que isso representou um grande desafio às equipes, também resultou em aprendizados interessantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mônica Appezzato Pinazza , USP

Doutora em Educação e professora livre docente, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo (USP)

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília/DF: Senado Federal, 1988.
BRASIL. Lei No. 8069/1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília/DF. 13/07/1990.
BRASIL,CONIF. Diretrizes para a Elaboração de Planos de Contingência para o Retorno às Atividades Presenciais nas Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Brasília/DF. Conselho Nacional da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Jun/2020.
BRASIL MEC/SEB. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília/DF: SEB/MEC, 2010.
BRASIL. MEC/SEB. Indicadores de Qualidade na Educação Infantil. MEC/SEB. 2009.
DOWBOR, F.F. Quem educa marca o corpo do outro. São Paulo: Cortez.2008.
FERNANDÓPOLIS. Decreto No.8807/2021. Institui os Protocolos Sanitários referentes ao Plano de Retomada das Aulas do Município de Fernandópolis/SP. Fernandópolis/SP. 11/02/2021.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.
MENEZES, L.C. de. Educar para o Imponderável: Uma Ética da Aventura. Cotia,SP: Ateliê Editorial. 2021.
ONU. Declaração Universal dos Direitos da Criança. Assembleia das Nações Unidas. 20/11/1959.
PINAZZA, M. A. Desenvolvimento profissional em contexto: estudo de condições de formação e mudança. In: KISHIMOTO, T.M. OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. Em busca da Pedagogia da Infância: Pertencer e participar. Porto Alegre: Penso. 2013. p 54- 84.
SÃO BERNARDO DO CAMPO. SE. Documento Orientador 2021. SBC/SP. Secretaria de Educação. 2021.
SÃO PAULO (Município). Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação Técnica Divisão de Orientação Técnica - Educação Infantil. Padrões básicos de qualidade da Educação Infantil Paulistana: orientação normativa nº 01/2015 / Secretaria Municipal de Educação. – São Paulo: SME / DOT. 2015a.
SÃO PAULO (Município). Secretaria Municipal de Educação. Indicadores de Qualidade na Educação Infantil Paulistana. SME/DOT. 2015b.
SÃO PAULO (Estado). Protocolos Sanitários para Funcionamento de Estabelecimentos Escolares em São Paulo. SP. Governo do Estado. 2021a.
SÂO PAULO (Município). SME. Protocolo Volta às Aulas. SP. SME. Mar/2021b.

Downloads

Publicado

2023-02-13

Como Citar

PINAZZA , M. A. . O Idealizado e o (não) Factível nos Protocolos para a Educação da Primeira Infância: o desalinho das políticas educacionais em tempo de pandemia refletido nas práticas educativas. Revista Internacional de Educação de Jovens e Adultos, [S. l.], v. 5, n. 09, p. 188–202, 2023. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rieja/article/view/16284. Acesso em: 8 dez. 2023.