A Leitura de Literaturas Negras na Educação de Jovens e Adultos

desafios e possibilidades

Autores

Palavras-chave:

Literaturas Negras;, Educação de Jovens e Adultos (EJA), Representatividade;, Identidades negras

Resumo

O artigo em tela apresenta um relato de experiência com base nas contribuições de uma pesquisa de pós-doutorado que buscou compreender o uso das Literaturas Africanas e Afro-Brasileiras nas salas de aulas da Educação de Jovens e Adultos (EJA). O objetivo foi aprofundar conhecimentos sobre o ensino (concepções e práticas) da linguagem na Educação de Jovens e Adultos, tendo como referência o trabalho com as Literaturas Africanas e Afro-Brasileiras. A população negra, em decorrência do racismo estrutural da sociedade brasileira, foi afastada dos espaços de poder, de produção de discurso e da produção literária. A literatura canônica no Brasil sempre foi um privilégio das elites e do homem branco. A produção das Literaturas Africanas e Afro-Brasileiras é um ato de resistência que busca o rompimento com o pensamento colonial e enfrenta o epistemicídio compreendido como uma tentativa de silenciar o povo negro como produtor de culturas e de epistemologias. Nosso referencial foi Carneiro (2005), Duarte (2013), Gomes (2005; 2019) e Munanga (1996; 1999), entre outros. Nossa metodologia foi qualitativa. Utilizamos o procedimento da pesquisa-ação em três escolas, em turmas da EJA, com a participação de duas docentes. Os resultados revelaram que as Literaturas Africanas e Afro-Brasileiras ainda estão ausentes nas bibliotecas das escolas, nas salas de aulas e nos processos formativos das docentes da EJA. Apontamos que o uso da Literatura Negra na escola contribui para o processo de decolonização do conhecimento e o desenvolvimento do letramento literário e racial crítico, fortalecendo a representatividade e as identidades negras dos(as) estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayse Cabral de Moura, Universidade Federal de Pernambuco

Professora Associada do Centro de Educação da Universidade Federal de Pernambuco. Doutora em Educação,
Pós-doutorado em Literatura negra pela UFSCar. Faz parte dos grupos de pesquisas vinculados ao CNPq: “Educação das Relações Étnico-Raciais” – UFSCar; “Epistemologias Negras” do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros da UFPE

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.
ANDRÉ, Marli. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 1995.
BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Martins Fontes, 1974.
BRASIL. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 12 maio 2021.
BRASIL. Lei Nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei Nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/
leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 12 maio 2021.
BRASIL. Lei Nº 11.645, de 10 março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 12 maio 2021.
BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: MEC, 2005.
CARNEIRO, Sueli. A construção do outro como não ser como fundamento do ser. 2005. Tese (Doutorado
em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.
Dalcastagnè, Regina. Literatura Brasileira Contemporânea: um território contestado. Rio de Janeiro: Editora UERJ, 2012.
DUARTE, Eduardo Assis (coord.). Literatura Afro-Brasileira: abordagens na sala de aula. Rio de Janeiro: Pallas, 2013.
FERREIRA, R. Franklin. Afrodescendente: identidade em construção. Rio de Janeiro: Pallas, 2000.
GOMES, Nilma Lino. O movimento negro e a intelectualidade negra descolonizando os currículos. In: COSTA, Joaze Bernardino; TORRES, N. M.; GROSFOGUEL, Ramón (org.). Decolonialidade e o pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.
GOMES, Nilma Lino. Educação de Jovens e Adultos e a questão racial: algumas reflexões iniciais. In: LEÔNCIO, S.; GIAVANETE, A. M; GOMES, L. Nilma (org.). Diálogos na Educação de Jovens e Adultos. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.
KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2008.
MÉRIAN, Jean-Yves. O negro na literatura brasileira versus uma literatura afro-brasileira: mito e literatura. Revista Navegações, [s.l.], v. 1, n. 1, p. 50-60, mar. 2008. Disponível em: <ttps://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/navegacoes/article/view/3684/2834. Acesso em: 6 fev. 2021.
MOURA, Dayse Cabral de. A rainha Dandara e a beleza dos cabelos crespos. Recife: Editora da UFPE, 2021.
MUNANGA Kabengele. Mestiçagem e identidade afro-brasileira. Niterói: Intertexto, 1999. p. 9-20.
MUNANGA Kabengele. Negritude: usos e sentidos. São Paulo: Ática, 1996.
OLIVEIRA, Eduardo. Cosmovisão Africana no Brasil. Curitiba: Gráfica Popular, 2006.
OLIVEIRA, Margarete Aparecida de. Narrativas de favela e identidades negras: Carolina Maria de Jesus e Conceição Evaristo. 2015. 115 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.
SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil. Educação, Porto Alegre, ano XXX, n. 3 (63), p. 489-506, set./dez. 2007
SODRÉ, Muniz. Pensar Nagô. Petrópolis: Vozes, 2017.
SOUZA E CRUZ, E.; OLIVEIRA, L. Penso, mas não existo!: A Invisibilidade da África nos Currículos de História do Rio de Janeiro. Gavagai - Revista Interdisciplinar de Humanidades, [s.l.], v. 3, n. 1, p. 119-141, 9 jul. 2016.
THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-Ação. São Paulo: Cortez, 1986.

Downloads

Publicado

2023-01-20

Como Citar

MOURA, D. C. de . A Leitura de Literaturas Negras na Educação de Jovens e Adultos: desafios e possibilidades. Revista Internacional de Educação de Jovens e Adultos, [S. l.], v. 4, n. 08, p. 60–76, 2023. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rieja/article/view/16274. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

Dossiê 8 Leitura, Literatura e Educação de Jovens e Adultos