Práticas Pedagógicas Gamifcadas na EJA

perspectivas metodológicas

Autores

Palavras-chave:

EJA, Gamificação, Prática Pedagógica Gamificada, Gamificação, Curriculo, Socioeducação

Resumo

O artigo tem como objetivo trazer as reflexões acerca das práticas pedagógicas gamificadas enquanto mobilizadora de aprendizagens emancipatórias na escola formal, inserida no contexto das medidas socioeducativas de internação. Para tanto, apresentamos as discussões envolvendo a gamificação enquanto metodologia propositiva de inovação para os processos de aprendizagens ocorridos na modalidade de EJA no cenário da socieoducação. Para a organização de tais reflexões, trazemos o panorama geral da pesquisa, sua discussão a respeito do currículo e sua ressignificação a partir das práticas pedagógicas gamificadas, bem como a relação dessas práticas com o movimento de inovação na socioeducação. As discussões perpassam pelo aspecto possibilitador de interatividade proporcionado pelas práticas estruradas a partir da lógica, princípios e elementos dos jogos. Utilizamos a pesquisa bibliográfica como método transversalidado pela pesquisa documental como  dispositivo de produção e coleta de dados que possibilitou atender aos objetivos estabelecidos e apresentar as perspectivas metodológicas da gamificação no cenário da EJA no cenário da socioeduação como possibilidade de inovação da prática pedagógica, em diálogo com ALVES (2014), CAROLEI e TORI (2014), COSTA (2006), FINO (2008), FREIRE (2008), GAUTHIER (2013), HUIZINGA (2014), MACEDO (2013), MEIRIEU (2002), SALES (2018), SALES e KENSKI (2021) e SOUZA (2020).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mary Valda Souza Sales, Universidade do Estado da Bahia

Pós-Doutora em Educação e Tecnologia (Universidade de Coimbra/CEIS20), Doutora em Educação (UFBA), Mestre em Educação e Contemporaneidade (UNEB), Especialista em Metodologia do Ensino Superior e em Supervisão Escolar/Empresarial (FEBA), Licenciada em Pedagogia (UCSal). É pesquisadora nas áreas de educação a distância, currículo, formação de professores, tecnologia da informação e comunicação, mediação e autoria, com ênfase nas abordagens metodológicas. Tem experiência com gestão e construção de sistemas de EAD, produção de material didático e elaboração de cursos, além de formação de formadores e gestão pedagógica de cursos. Atualmente é Professora Titular do Departamento de Educação (DEDC I), Universidade do Estado da Bahia (UNEB), líder do Grupo de Pesquisa FORTEC, atuando na Graduação e no Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade (PPGEduC)

Maria Margarete Cerqueira dos Santos, UNEB

Mestrado em Educação e Contemporaneidade, através do Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade da Universidade do Estado da Bahia/ UNEB (2021).); Especialista em Educação, Processos Tecnológicos e Práticas Inovadoras pela Universidade do Estado da Bahia/UNEB (2018); Especialista em Avaliação Institucional pela UnB (2002); Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal da Bahia/ UFBA (1997). Tem experiência com docência e gestão escolar na educação infantil, anos iniciais do ensino fundamental e Educação de Jovens e Adultos, incluindo o contexto da socioeducação, no período de 2017 a 2021. Atualmente exerce docência na Educação Básica Regular, nas séries iniciais, na Rede Municipal de Ensino de Salvador. Membro do Grupo de Pesquisa Formação, Tecnologias, Educação a Distância e Currículo (ForTEC), vinculado a Universidade do Estado da Bahia/UNEB.

Referências

ALVES, Lynn Rosalina Gama et al. Gamificação: diálogos com a educação. In: FADEL, Luciane Maria et al (org.). Gamificação na educação, São Paulo: Pimenta Cultural, 2014, pp 75-97.
BRASIL, Lei Federal n° 12.594, de 18 de janeiro de 2012. SINASE – Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo.
BRASIL, Lei Federal n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.
BRASIL. Lei Federal nº 8069, de 13 de julho de 1990. ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente.
CAROLEI, Paula; TORI, Romero. Gamificação aumentada: explorando a realidade aumentada em atividades lúdicas de aprendizagem. In: Revista Teccogs, n.9, 102 p., jan-jul, 2014.
COSTA, Antônio Carlos Gomes. Por uma pedagogia da presença. Brasília: Ministério de Ação Social, 1991.
COSTA, Antônio Carlos Gomes da (coord.). Socioeducação: estrutura e funcionamento da comunidade educativa. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos humanos, 2006.
FERREIRA, Maria da Conceição; SOUZA, Eliane Silva. O tempo hipercontraído e as práticas curriculares na educação de jovens e adultos. In: VI Encontro Internacional de Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos, Anais, Salvador, 2019
FINO, Carlos Nogueira. Inovação Pedagógica: significado e campo (de investigação). In: Anais 3° COLÓQUIO DCE – Universidade da Madeira – UMA, 2008, pp. 277-287
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2008, 144 pp.
GAUTHIER, Clermont et al. Ensino explícito e desempenho dos alunos: a gestão dos aprendizados. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.
HETKOWSKI, Tânia Maria e LIMA JR, Arnaud. Educação e Contemporaneidade: por uma abordagem histórico-antropológica da práxis humana como fundamentos dos processos formativos e educacionais. In: LIMA JR, Arnaud e HETKOWSKI, Tânia Maria (org.) Educação e Contemporaneidade: desafios para a pesquisa e a pós-graduação. Rio de Janeiro: Quartet, 2006.
HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. 8 ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.
LIBÂNEO, J.C. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. In: Educação e Pesquisa. vol. 38, n.1, SP, jan/marc, 2012.
LIBÂNEO, J.C. Políticas Educacionais no Brasil: desfiguramento da escola e do conhecimento escolar. In: Caderno de Pesquisa. v. 46, n. 159, SP, jan/mar, 2016.
MACEDO, Roberto Sidnei. Atos de currículo e autonomia pedagógica: o socioconstrucionismo curricular em perspectiva. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2013.
MEIRIEU, Philippe. A pedagogia entre o dizer e o fazer: a coragem de começar. Porto Alegre: Artmed, 2002.
MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 2 ed. Petrópolis: Ed. Vozes, 2002.
MORAN, José. Mudando a educação com metodologias ativas. In: Educação e Cidadania : Aproximações Jovens, vol. 2, UEPG, 2015.
MURRAY, Janet H. Hamelet no holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaço. São Paulo: Itaú Cultural, 2003, Unesp.
SALES, Mary Valda Souza. As tecnologias no contexto educativo: perspectiva de inovação e de transformação. In: SALES, Mary Valda Souza (org). Tecnologias e Educação a Distância: os desafios para formação. Salvador: Eduneb, 2018.
SALES, Mary V. S. e KENSKI, Vani. Sentidos da inovação em suas relações com a Educação e as tecnologias. Revista da FAEEBA - volume 30 - número 64 - out./dez. 202, p. 19-35.
SANTOS AT AL. Gamificação na eja no contexto socioeducativo com privação de liberdade: o desenvolvimento de uma metodologia ativa à constituição de práticas pedagógicas inovadoras. In: IV Seminário ForTEC: Tecnologias digitais, Redes e Educação: perspectivas contemporâneas. UNEB, maio, 2018
SOUZA, Eliane Silva. Práticas Pedagógicas com privados de liberdade: memorial de uma escola da EJA na socioeducação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2020, 132 p.
VIANA, Ysmar. et. al. Gamification, Inc. – Como reinventar empresas a partir de jogos. 1 ed. Rio de Janeiro: MJV Press, 2013.

Downloads

Publicado

2023-02-13

Como Citar

SALES, M. V. S.; DOS SANTOS, M. M. C. Práticas Pedagógicas Gamifcadas na EJA: perspectivas metodológicas. Revista Internacional de Educação de Jovens e Adultos, [S. l.], v. 5, n. 09, p. 149–167, 2023. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rieja/article/view/15585. Acesso em: 24 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê 9 (Trans)Formação, Inovação Pedagógica e Práticas Contemporâneas na EJA