A Construção de Sentidos de Charges Sobre a Pandemia da Covid-19 na V Etapa da EJA

Autores

Palavras-chave:

Leitura, charge, Educação de Jovens e Adultos

Resumo

Em nosso cotidiano são diversas as situações nas quais agimos mediados por práticas de leitura. Em contrapartida, a leitura realizada em algumas práticas escolares se desvincula da realidade dos estudantes, tornando-se uma atividade mecânica, distanciada do seu dia a dia e desprovida de significado. O presente estudo é fruto de uma pesquisa em que se descreve como os alunos da V etapa da EJA constroem os sentidos na leitura de charges que tematizam a pandemia da Covid-19. Com base na revisão bibliográfica, argumentamos, com base nas perspectivas de diferentes autores e nas diretrizes para a Educação Básica, que o ensino de Língua Portuguesa deve ter como eixo o trabalho com  textos de diferentes gêneros, uma vez que eles permeiam todas as atividades humanas no que se refere ao uso da língua/linguagem, podendo o professor relacionar as leituras escolares com a realidade dos discentes, com apoio nas diretrizes dos documentos normativos para o ensino, como a BNCC visando à formação de leitores críticos e socialmente ativos. Enfatizamos o gênero textual charge por abordar fatos corriqueiros, dos quais os estudantes têm conhecimento ou experiências, podendo fazer associações com o mundo que os circunda, aliando-se ainda a isso a relevância da temática da pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gardilene, Universidade Estadual do Piauí

Endereço: Rua João Cabral, nº 2231 - Pirajá – CEP: 64.002-150 Teresina -PI.

E-mail: gardilenecosta@aluno.uespi.br

Telefone: (86)98837 0974

Licencianda em Letras Português

Mestranda em Letras (PROFLETRAS)  

Universidade Estadual do Piauí (UESPI)

Professora da rede pública - escola CEJA Prof. Cláudio Ferreira, em Teresina-PI.

Referências

ANTUNES, Irandé. Aula de português – encontro & interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.
ANTUNES, Irandé. Textualidade: noções básicas e implicações pedagógicas. São Paulo: Parábola Editorial, 2017.
BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
BAZERMAN, Charles. Gêneros textuais, tipificação e interação. In: DIONÍSIO, Angela Paiva. HOFFNAGEL, Judith Chambliss (org.). 3. ed. São Paulo: Cortez, 2009. P. 19-46.
BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Língua Portuguesa. Ensino Fundamental. Terceiro e quarto ciclos. Brasília: MEC/SEF, 1998.
BRASIL. Lei n.º 9394/96, de 20 de Dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Acesso: 28/04/2022.
BRASIL. Ministério da Educação. Trabalhando com a educação de jovens e adultos: alunos e alunas da EJA. Brasília: MEC/SEF, 2006.
BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.
COUTINHO, Raissa Regina Silva; CARLOS, Erenildo João. A charge sob a ordem do discurso pedagógico: achados enunciativos no cenário da Educação de Jovens e Adultos. Revista Educação em Questão, Natal, v. 56, n. 48, p. 32-56, abr./jun. 2018.
FRIEDRICH, Márcia et al. Trajetória da escolarização de jovens e adultos no Brasil: de plataformas de governo a propostas pedagógicas esvaziadas. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 18, n. 67, p. 389-410, abr./jun. 2010.
FLÔRES, Onici. A leitura da charge. Canoas: Ed. ULBRA, 2002.
KLEIMAN, Angela. Texto e leitor: aspetos cognitivos da leitura. 8. ed. Campinas, SP: Pontes, 2002.
KOCH, Ingedore Vilaça. ELIAS, Vanda Maria. Ler e compreender os sentidos do texto. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2008.
KURZAWA, Gléce; ANTUNES, Helenise Sangoi. O Desafio da Construção do Currículo na Educação de Jovens e Adultos. In: 15º Congresso de Leitura do Brasil. Campinas, 2005, 01-11 Disponível em: http://alb.com.br/arquivo-morto/edicoes_anteriores/anais15/alfabetica/KurzawaGlece.htm. Acesso em: 30 mar. 2020.
LOPES-ROSSI, Maria Aparecida Garcia. Gêneros discursivos no ensino de leitura e produção de textos. In: KARWOSKI, Acir Mário; GAYDECZKA, Beatriz; BRITO, Karim Siebeneicher (org.). Gêneros textuais: reflexões e ensino. 4. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2011. p. 69-82.
MARCUSCHI, Luiz Antonio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
MARCUSCHI, Luiz Antonio. Gêneros textuais: configuração, dinamicidade e circulação. In: KARWOSKI, Acir Mário; GAYDECZKA, Beatriz; BRITO, Karim Siebeneicher (org.). Gêneros textuais: reflexões e ensino. 4. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2011. p. 17-31.
POSSENTI, Sírio. Os humores da língua: análises linguísticas de piadas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1998.
RAMOS, Paulo. A leitura dos quadrinhos. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2014.
ROJO, Roxane. Letramento e capacidades de leitura para a cidadania. São Paulo: SEE: CENP, 2004. Texto apresentado em Congresso realizado em maio de 2004. Disponível em: https://www.academia.edu/1387699/Letramento_e_capacidades_de_leitura_para_a_cidadaniaAcesso em: 18 jul. 2022.
ROMUALDO, Edson Carlos. Charge jornalística: intertextualidade e polifonia: um estudo de charges da Folha de S. Paulo. Maringá: EDUEM, 2000.
SIM-SIM, Inês. O ensino da leitura: compreensão de textos. Lisboa: Ministério da Educação, 2007.
SOEK, Ana Maria. Fundamentos e Metodologia da Educação de Jovens e Adultos. Curitiba: Fael, 2010.
TEIXEIRA, Luiz Guilherme Sodré. Sentidos do humor, trapaças da razão: a charge. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2005.
THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2011.
TIEPOLO, Elisiani Vitória. Uma política de leitura para todos: leitores e neoleitores. Em Aberto, Brasília, v. 22, n. 82, p. 121-36, nov. 2009.

Downloads

Publicado

2023-01-20

Como Citar

ALVES, S. M.; COSTA, G. A. S. . A Construção de Sentidos de Charges Sobre a Pandemia da Covid-19 na V Etapa da EJA. Revista Internacional de Educação de Jovens e Adultos, [S. l.], v. 4, n. 08, p. 120–135, 2023. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rieja/article/view/15482. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê 8 Leitura, Literatura e Educação de Jovens e Adultos