As Influências das Línguas Bantu no Português de Brasil

origens e trajetórias rumo ao Pretoguês

Autores

Palavras-chave:

História do Português, Contribuição afrikana, Pretoguês e africanização

Resumo

Durante muito tempo a história do português brasileiro refletiu dilemas em torno de sua história europeia. Somente nas últimas décadas do Século XX (ou mais atualmente) as discussões sobre as contribuições africanas passaram a ser presentes nos estudos linguísticos. O presente trabalho traz uma abordagem da formação histórica da Língua Portuguesa no Brasil, tendo em vista os traços africanos que fazem o Português Brasileiro (PB) ser uma língua africanizada rumo àquilo que atualmente está a ser chamado de Pretoguês

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Makosa Tomás David, Universidade Federal do Sul da Bahia

Sou Makosa Tomás David, nasci no dia 3 de Abril de 2003 em Angola na capital de Luanda. Actualmente, sou estudante no curso Interdisciplinar de Linguagens e códigos e suas Tecnologias na Universidade Federal do Sul da Bahia-UFSB através de uma transferência internacional que pedi para a Universidade Agostinho Neto-UAN, universidade de Angola onde estudava. Fiz o Ensino Médio no Liceu 3088 em Luanda no curso de Ciência Econômica e Jurídica a partir do ano de 2017 e terminei em 2019. Fiz um semestre de intercâmbio na Universidade Estadual de Santa Cruz-UESC no curso de Letras- Língua Portuguesa, em que a bolsa foi dada pela AULP - Associação de Universidades de Língua Portuguesa. Atualmente é membro no Grupo de Pesquisa Racismo e Antirracismo no Ensino de Línguas e no Grupo de Pesquisa de Linguagem. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa!

Gabriel Nascimento dos Santos, Universidade Federal do Sul da Bahia

Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo (USP), tendo recebido o título de mestre em Linguística Aplicada pela Universidade de Brasília (UnB). Concluiu a graduação em Letras Inglês Português pela Universidade Estadual de Santa Cruz. É professor de Língua Inglesa/Ensino de Línguas/Campo da Educação na Universidade Federal do Sul da Bahia, tendo sido Visiting Scholar na University of Pennsylvania, Estados Unidos. Membro do projeto de pesquisa/Think Tank dos BRICS intitulado "Multilingualism, Linguistic Citizenship and Vulnerability: a comparative focus on South Africa and Brazil" entre pesquisadores do Brasil e da África do Sul. Orienta no Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Santa Cruz. Tem colaborado com periódicos internacionais como o Journal of Sociolinguistics e Critical Studies in Education como parecerista ad hoc. É Consultor do projeto Skills for Prosperity do British Council/ Agência Conselho Britânico. Consultor ad-hoc da CAPES e membro do corpo editorial do periódico Ethical lingua , é autor dos livros "Racismo linguístico: os subterrâneos da linguagem e do racismo" (Letramento Editorial), "O Maníaco das Onze e Meia" (Editora Multifoco) e "Este fingimento e outros poemas" (Editora García), líder do Grupo de Pesquisa em Linguagem e Racismo (UFSB) e membro dos grupos de pesquisa Núcleo de Estudos Críticos em Linguagens, Educação e Sociedade (NECLES), "Pensamento Negro Contemporâneo (UFSB)" e "Identidades, Letramentos e Emoções no ensino-aprendizagem de línguas e na formação docente (UnB)". É sócio da Latin American Studies Association (LASA), Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN) e Associação de Linguística Aplicada do Brasil (ALAB). É membro do GT em práticas identitárias em Linguística aplicada da ANPOLL. Tem experiência na área de Linguística Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: Formação de professores de línguas estrangeiras, Racismo no ensino-aprendizagem de línguas, interfaces entre linguagem e racismo e racismo linguístico.

Referências

ARAÚJO, Ana Paula de. Companhia de Jesus. Infoescola.Disponível em: <https://www.infoescola.com/educacao/companhia-de-jesus/>. Acesso: 19-08-2022
ARAÚJO, Ana Paula de. HISTÓRIA DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL.. Disponível em: <https://www.infoescola.com/portugues/historia-da-lingua-portuguesa-no-brasil/ 2021> Acesso: 2022
BAXTER, Alan N.; LUCCHESI, Dante. A relevância dos processos de pidginização e crioulização na formação da língua portuguesa no Brasil. Revista de Estudos linguísticos e Literários, nº 29/ março 1997, UFBA.
AZEVEDO, C. M. M. Onda negra medo branco: o negro no imaginário das elites- século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.
FANON, F. Pele Negra Mascaras Brancas. Salvador: EdUFBA, 2008.
GATES JR., H.L. The Signifying Monkey: a Theory of African-American Literary Criticism, Oxford University Press, 1988.
GONZÁLEZ, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, p. 223-244, 1984.
HOUAISS, Antônio. O português no Brasil. Editora Revan, 1992.
KRAUNISKI. Julie. 15 PALAVRAS DE ORIGEM AFRICANA QUE FAZEM PARTE DO DIA A DIA BRASILEIRO. REVISTA DA + BABBEL. Disponível em: <https://pt.babbel.com/pt/magazine/15-palavras-do-dia-a-dia-dos-brasileiros-que-sao-herancas-africanas 2017> Acesso: 2022
LIMA, A. L. A. ; SALOMÃO, J.M. . 'Do português europeu ao português brasileiro: origens e formação histórica da língua portuguesa'. Revista Pandora , v. 1, 2013.

LUCHESSIS, A. et al. PORTUGUÊS AFRO-BRASILEIRO. Salvador-BA: EDUFBA, 2009
MAKONI, S.; MASHIRI, P. ‘Critical historiography: Does language planning in Africa need a construct of language as part of its theoretical apparatus?’, in S. Makoni and A. Pennycook (eds). Disinventing and Reconstituting Languages, Clevedon: Multilingual Matters, 2007.
MAKONI. S.; PENNYCOOK, A. Disinventing and Reconstituting Languages. In Makoni. S.; Pennycook, A. (Eds.) Disinventing and Reconstituting Languages. Clevedon, Multilingual matters, 2007.
MAKONI. S.; PENNYCOOK, A. Disinventing multilingualism: From monological multilingualism to multilingua francas. In Martin-Jones, M., Blackledge, A.,& Creese, A. The Routledge handbook of multilingualism. Routledge, 2012.
MATTOS E SILVA, R. V. Ensaios para uma sócio-história do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.
MBEMBE, A. Necropolítica. São Paulo: N-1 edições, 2018.
MOURA, C. Rebeliões na senzala: quilombos, insurreições, guerrilhas. 5ed. São Paulo, Anita Garibaldi, 2014.
NASCIMENTO, A. Quilombismo: An Afro-Brazilian Political Alternative. Journal of Black Studies, v. 11, n.2, pp. 141-178, 1980.
NASCIMENTO, G. Racismo linguístico: os subterrâneos da linguagem e do racismo. Belo Horizonte: Letramento Editorial, 2019.
OLIVEIRA, Roberta Pires de. Contribuições africanas na formação do português brasileiro: elementos linguísticos e culturais. 2017. [55] f., il. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Letras Português)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.
PESSOA DE CASTRO, Y. Marcas de Africania no Português Brasileiro. Africanias.com, v. 01, 2011.
PESSOA DE CASTRO, Yeda .A influência das línguas africanas no português brasileiro. In: Secretaria Municipal de Educação - Prefeitura da Cidade do Salv. (Org.). Pasta de textos da professora e do professor. Salvador: Secretaria Municipal de Educação, 2005, v., p.

PETTER, M. Introdução à linguística africana. 1ed.São Paulo: Editora Contexto, 2015, v. 1
TOLENTINO, Joana. Descolonização, filosofia e ensino: compartilhando vozes de filósofas latino-americanas. Paraná-Brasil: v. 2 n. 1 (2018): Anais Eletrônicos do Congresso Epistemologias do Sul, 2018

Downloads

Publicado

2023-01-20

Como Citar

DAVID, M. T.; SANTOS, G. N. dos . As Influências das Línguas Bantu no Português de Brasil: origens e trajetórias rumo ao Pretoguês. Revista Internacional de Educação de Jovens e Adultos, [S. l.], v. 4, n. 08, p. 137–148, 2023. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rieja/article/view/15340. Acesso em: 17 abr. 2024.