Escola, Educação Básica e Analfabetismo Estrutural no Brasil

a negação da escola aos trabalhadores

Autores

Palavras-chave:

Educação básica, Analfabetismo, Educação de Jovens e Adultos

Resumo

No Brasil, a negação da educação escolar para as classes populares-classe trabalhadora- vem se constituindo como o modus operandi das elites em manter o controle hegemônico das massas, ora negando a escola, ou mesmo quando esta é oferecida de forma precária, que acaba fatalmente contribuindo para este deserto educacional que assola o país com índices de analfabetismo funcional e absoluto que ainda persistem.  Este analfabetismo concentrado em grande medida em pessoas jovens e adultas, vem sendo sustentado pela ausência de uma efetiva política pública de oferta da educação básica na idade adequada, e quando isso não ocorre o que resta é uma grande massa de trabalhadores desprovidos de conhecimentos técnico-científicos, quando muito, lhes restam os programas de EJA, como mecanismos de compensação. Esta condição de negação de uma educação de qualidade para os trabalhadores apenas reforça o abismo que existe entre as classes sociais em disputa, quando interessa para as elites brancas, patriarcais, escravocratas, empresariais, aparelhadas no estado, o controle das massas através da educação. Considerando que o estado patriarcal e burguês está para atender os interesses das elites e tendo em vista que a educação para emancipação dos trabalhadores será fruto da luta dos próprios trabalhadores, é preciso forjar novas formas de lutas, e entender que a educação é a pedra fundamental de qualquer mudança mais significativa. É nesta perspectiva que o presente artigo vem trazer provocações ao leitor acerca destes processos de dominação histórica através da educação. De outro modo consideramos que só com educação de base, de qualidade e na idade certa, somados a um processo massivo de alfabetização se constituirá como determinante neste processo de mudanças e inserção educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ronaldo Silva dos Santos, UESB

Pedagogo, Especialista em EJA, Mestre em Ensino pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia(UESB) professor da Educação básica na Rede Municipal de Vitória da Conquista e Coordenador Pedagógico na Rede Estadual da Bahia

Tenório Batista Lima Sobrinho, Rede Municipal de Vitória da Conquista e Rede Estadual da Bahia

Graduado em História, pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) e professor da Educação básica da Rede Municipal de Vitória da Conquista e Rede Estadual da Bahia

Referências

AÇÃO EDUCATIVA; INSTITUTO PAULO MONTENEGRO. Indicador de Alfabetismo Funcional - INAF, Resultados preliminares. 2018.

ALENCAR, F.; CARPI, L.; RIBEIRO, M. V. História da Sociedade Brasileira. 3. ed. Rio de Janeiro: Copyright, 1986.

BOTTOMORE, T. Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

BRASIL. IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua(2019) Acesso: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101736_informativo.pdf

DI PIERRO, Maria Clara, GALVÃO, Ana Maria. O preconceito contra o analfabeto. São Paulo :Instituto Paulo Montenegro, 2007.

FERNANDES, F. Dicionário de sinônimos e antônimos da língua portuguesa. 11. ed. Porto Alegre: Globo, 1957.

FERRARO (FERRARI), A. R. Analfabetismo no Brasil: tendência secular e avanços recentes; resultados preliminares. Cadernos de PesquisaSão Paulo, n. 52, p. 35-49, fev. 1985.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 19 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. 4ª ed. São Paulo, Cortez, 1993.

FONTES, Virgínia. O Brasil e o capital-imperialismo: teoria e história. Rio de Janeiro: EPSJV/Editora UFRJ, 2010.

KUENZER. Cassia Zeneida. Trabalho pedagógico: Da fragmentação a unitariedade possível? São Paulo: Papirus 2002.

RIBEIRO, Vera Masagão. Analfabetismo funcional: referências conceituais e metodológicas para a pesquisa. https://www.scielo.br/pdf/es/v18n60/v18n60a8.pdf. Acessado em 25/02/2021.

ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação no Brasil (1930-1973). Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

_____________ Direitos humanos e educação libertadora. In: FREIRE, Ana Maria Araújo (Org.) Pedagogia dos sonhos possíveis/ Paulo Freire. São

Paulo: Editora UNESP, 2001.

_____________Educação e mudança. Rio de Janeiro, Paz e Terra1979.

SOARES, Magda. Letramento e alfabetização: as muitas facetas.UFMG,2003

TITTON, M. A organização do trabalho pedagógico na formação da pedagogia da terra: contribuição do MST a Luta social.Salvador,2006

ZITKOSKI, Jaime José. Educação popular e emancipação social: convergências nas propostas de Freire e Habermas. In.: Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação

(ANPED. Anais... Caxambú, 2004.

Arquivos adicionais

Publicado

2023-11-20

Como Citar

SILVA DOS SANTOS, R.; BATISTA LIMA SOBRINHO, T. Escola, Educação Básica e Analfabetismo Estrutural no Brasil: a negação da escola aos trabalhadores. Revista Internacional de Educação de Jovens e Adultos, [S. l.], v. 6, n. 11, p. 171–187, 2023. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rieja/article/view/11886. Acesso em: 25 fev. 2024.