CONTRA A COLONIALIDADE DO SABER E A FAVOR DE UMA EDUCAÇÃO INTEGRATIVA: AS ESCOLAS YVY POTY NO TEKOHA TE’YIKUE E GUIRA ARANDU ROKA NO TEKOHA GUYRA ROKA DOS AVA GUARANI E KAIOWÁ DO MATO GROSSO DO SUL

Palavras-chave: Educação Integrativa Guarani e Kaiowá; Colonialidade do Saber; Não-universalização da Educação; Educação Autônoma; Etnoeducação.

Resumo

O artigo abordou a importância de uma educação integrada para romper com os limites da colonialidade do saber e da falsa representação da universalidade. Para tanto, construiu seu argumento baseado na falácia das normativas de educação brasileira a respeito da universalidade da educação e utilizou modelos etnoeducacionais do Ava Guarani Kaiowá para fomentar a discussão a respeito do que realmente constitui uma educação emancipadora. Utilizou-se o método qualitativo para a sustentação do argumento, utilizando fontes primárias de dados quantitativos para complementar a metodologia. Além disso, fez-se uso da análise documental para compilar os dados quantitativos, de entrevistas semiestruturadas e da observação participante.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Vieira de Paula, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutoranda em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Bacharela e Mestra em Relações Internacionais, ambas pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MINAS). Pesquisa gênero, feminismos e relações internacionais com ênfase no feminismo crítico e feminismo decolonial, focando suas análises em movimentos sociais de mulheres indígenas, América Latina, organizações internacionais e direitos humanos. Tem ampla experiência com Movimentos Sociais de Direitos Humanos.

Referências

ASIE. Associação Saberes Indígenas. Sobre a Asie. https://saberesindigenas.ufsc.br/sobra-a-asie/ acesso: 17/04/2022.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: 1988.

BRASIL. Decreto Nº 6.861 de 2009. Dispõe sobre a Educação Escolar Indígena, define sua organização em territórios etnoeducacionais, e dá outras providências. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. 2009.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Ciências Sociais, Violência Epistêmica e o Problema da “Invenção do Outro”. In: LANDER, Edgardo. A Colonialidade do Saber: Eurocentrismo e Ciências Sociais – Perspectivas Latino-Americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, setembro de 2005.
CIMI. Conselho Indígena Missionário.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educacional. Editora Paz e Terra. São Paulo, 2011.

CORONIL, Fernando. Natureza do Pós-Colonialismo: do eurocentrismo ao globocentrismo. In: LANDER, Edgardo (Org). A Colonialidade do Saber: Eurocentrismo e Ciências Sociais – Perspectivas Latino-Americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, setembro de 2005.

ESCOBAR, Arturo. O lugar da Natureza e a Natureza do Lugar: globalização ou pós-desenvolvimento. In: LANDER, Edgardo. A Colonialidade do Saber: Eurocentrismo e Ciências Sociais – Perspectivas Latino-Americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, setembro de 2005.

IBGE. Censo Demográfico de 2000. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2000.

INEP. Estatísticas sobre educação escolar indígena no Brasil. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira, 2007.

INEP. Oferta de educação indígena cresce 47%. Notícias Censo Escolar. https://www.gov.br/inep/pt-br/assuntos/noticias/censo-escolar/oferta-de-educacao-indigena-cresce-47. 2010.

INEP. Censo Escolar 2010. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. 2010.

INEP. Censo Escolar 2013. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. 2013.

INEP. Censo Escolar 2014. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. 2014.

INEP. Censo Escolar 2020. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. 2020.

LANDER, Edgardo. A Colonialidade do Saber: Eurocentrismo e Ciências Sociais – Perspectivas Latino-Americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, setembro de 2005.

LANDER, Edgardo. Ciências Sociais: Saberes Coloniais e Eurocêntricos. LANDER, Edgardo. A Colonialidade do Saber: Eurocentrismo e Ciências Sociais – Perspectivas Latino-Americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, setembro de 2005.


MEC, Ministério da Educação e Cultura. Conferência em Goiás debate os Avanços da Educação Indígena. http://portal.mec.gov.br/busca-geral/206-noticias/1084311476/14514-conferencia-em-goias-debate-os-avancos-da-educacao-indigena. 2009.

MORENO, Alejandro. Superar a exclusão, conquistar a equidade: reformas, políticas e capacidade no âmbito social. In: LANDER, Edgardo. A Colonialidade do Saber: Eurocentrismo e Ciências Sociais – Perspectivas Latino-Americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, setembro de 2005.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Apresentação da Edição em Português. In: LANDER, Edgardo. A Colonialidade do Saber: Eurocentrismo e Ciências Sociais – Perspectivas Latino-Americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, setembro de 2005.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y Modernidad/Racionalidad. Perú Indigena. Vol 13, N 29. Lima, 1992.
Publicado
2022-09-10
Métricas
  • Visualizações do Artigo 64
  • Pdf downloads: 20
Como Citar
Paula, T. V. de. (2022). CONTRA A COLONIALIDADE DO SABER E A FAVOR DE UMA EDUCAÇÃO INTEGRATIVA: AS ESCOLAS YVY POTY NO TEKOHA TE’YIKUE E GUIRA ARANDU ROKA NO TEKOHA GUYRA ROKA DOS AVA GUARANI E KAIOWÁ DO MATO GROSSO DO SUL. Diálogos E Diversidade, 2, e14126. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/rdd/article/view/14126
Seção
Dossiê temático: Educação indígena e quilombola